Xadrez Verbal Podcast #279 – Início de 2022 e Atila #49

Feliz Ano Novo! Passamos pelos últimos desdobramentos na bacia do Pacífico, com a erupção em Tonga e os resultados da eleição do Chile. Damos uma volta pela Europa e pelo espaço pós-soviético, com protestos no Cazaquistão e Boris Johnson em apuros. No noticiário da pandemia com Atila Iamarino falamos de hamsters e de novas drogas contra covid. Além disso tudo, giramos pelo mundo, a semana na História, Economia com a professora Vivian Almeida, peões da semana e dicas culturais abrindo mais um ano da sua revista de política internacional em formato podcastal!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Filme A filha perdida

Livro A filha perdida, de Elena Ferrante

Discografia e filmografia de Meat Loaf

Livro Carlos Magno, de Jean Favier

Filme No calor da noite

Filme Ao mestre com carinho

Filme Adivinhe quem vem para jantar

Xadrez Verbal #71 – Coreia do Sul, TPI e plebiscitos

Matéria Voting rights and the battle over elections: what to know, por Nick Corasaniti

Matéria A dam in Syria was on a ‘no-strike’ list. The U.S. bombed it anyway, por Dave Philipps, Azmat Khan and Eric Schmitt

Fronteiras Invisíveis do Futebol #45 – Rússia PT.1

Fronteiras Invisíveis do Futebol #47 – Rússia PT.2

Xadrez Verbal Podcast #277 – Coluna Aberta: Velho Continente

Matéria Entenda a revisão da reforma trabalhista na Espanha, inspiração para Lula e PT, de André Shalders e Davi Medeiros

Matéria Israel’s Mossad bombed German, Swiss firms to stop Pakistani nukes – report, por Benjamin Weinthal

Música de encerramento A carne, com Elza Soares

Playlist das músicas de encerramento do Xadrez Verbal no Spotify

Canal do Xadrez Verbal no Telegram

Minutagem dos blocos, cortesia dos financiadores do Xadrez Verbal

  • 00:04:10 – Giro de Notícias #01
  • 00:26:05 – Coluna Aberta: Bacia do Pacífico
  • 01:47:30 – Giro de Notícias #02
  • 02:03:15 – Efemérides: o mês na História
  • 02:16:20 – Match: Especial Coronavírus, com Atila Iamarino
  • 03:02:40 – Giro de Notícias #03
  • 03:24:25 – Xeque: Velho Continente
  • 05:13:30 – Gambito da Dama: ciência de dados
  • 05:26:50 – Giro de Notícias #04
  • 05:36:55 – Peões da Semana
  • 05:40:25 – Sétimo Selo
  • 05:46:50 – Música de Encerramento

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.
Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

14 Comentários

  • finalmente posso começar o ano

  • Não acredito. Ele voltou!

  • Diogo Maia de Carvalho

    Bom dia, boa tarde, boa noite a todos.

    Muito bom ter o XV de volta e que bom que o Matias se recuperou bem da Covid. Trabalho em um grande hospital público e praticamente em todos os setores há funcionários em isolamento por conta da doença.

    Sobre o episódio, vou aproveitar e dar uma dica cultural aproveitando a efeméride sobre o Ivan, que é o filme “Ivan, O Terrível”, do Sergei Eisenstein, que existe em duas partes. Além disso, gostaria de lembrar outra grande perda para o cinema, que foi o falecimento do diretor Peter Bogdanovich, de A Última Sessão de Cinema, um clássico de 1971, que conta com Ellen Burstyn, Cybill Shepherd e Jeff Bridges.

    Abraços de BH.

  • Bom crepúsculo a todos! Quase 6 horas de programa que fluem redondinho. Impressionante. Que trabalho sensacional.
    Bom, gostaria de esclarecer alguns aspectos de um tsunami (ou maremoto). Resumidamente, um tsunami é uma onda muito longa, as vezes com mais de 100 Km de comprimento. Enquanto ela está em mar aberto (em águas profundas), ela viaja a grandes velocidades e tem uma amplitude (altura) pequena, tipicamente menos de 1 metro. Na maioria das vezes, as embarcações em alto mar não percebem sua passagem. O grande problema é justamente esse comprimento da onda. Ela carrega muita energia e movimenta uma grande quantidade de água. Ao chegar na costa, com a diminuição da profundidade ela aumenta de altura e diminui de velocidade. Mas a quantidade de energia não altera tanto assim. O aumento da amplitude da onda vai depender da geometria do fundo do mar e pode nem ser tão grande quanto poderíamos imaginar. Mas a quantidade de água movida pela onda permanece imensa. O efeito na costa parece com o de um repentino aumento no nível do mar. Então, áreas que estão poucos metros acima do nível do mar, são invadidas por essa grande quantidade de água, que arrasa tudo pela frente e faz um senhor estrago. Após a invasão dessa água, a tendência é ela voltar para o mar. Como a área invadida não tem caminhos naturais (ou artificiais) de escoamento capazes de suportar essa invasão, o retorno das águas acaba provocando ainda mais estrago. Como Filipe bem pontuou, normalmente são várias ondas em sequência o que aumenta bastante o volume de água transportada e consequentemente a destruição causada. É interessante notar que um tsunami é bem diferente de uma onda que estamos acostumados a ver na praia. A grande diferença é quantidade de água movimentada pelo tsunami que é incomparavelmente maior que uma onda “comum” que vemos quebrar em uma praia sem causar nenhum estrago.
    Espero não ter sido enfadonho… Grande abraço.

  • Excelente programa, como sempre!

    Queria deixar um pitaco que vcs devem receber várias vezes, mas “vai que cola…”:
    Vocês já pensaram em ter um feed separado para lançar os blocos separadamente? Como se cada bloco fosse um episódio?
    Eu, pessoalmente, continuaria escutando tudo de uma vez (no feed original). Mas como vcs comentam que tem gente que reclama, poderia ajudar a pessoa a intercalar outros podcasts entre os blocos. Ou não ouvir blocos que ela não gosta.

    Abraço, camarades! 😂😂

  • Boa tarde , poderiam falarr no bloco do Átila como anda o desenvolvimento da Butanvac e do soro anticovid do Butantã?
    Pouco vejo falar sobre esses dois temas

  • Gabriel Valle Rego Tosello

    Espero que nas eleições italianas, se o Mario for presidente, que o Luigi seja o primeiro ministro.

    Ótimo programa como sempre, que esse ano não seja parte do longo 2020.

  • Jonatã Arcas Silva

    Oi pessoal! Ótimo programa, parabéns!
    Só um adendo sobre o James Webb, é que ele não necessariamente será um telescópio substituto do Hubble. O objetivo dele é observar em outra faixa do espectro eletromagnético, o infra-vermelho, enquanto o Hubble observa a maior parte no visível. Então, um complementa o outro.

    • Olá Filipe e Matias!

      Sobre o redesenho dos distritos nos Estados Unidos, é impressionante como isto tem sido uma constante histórica no país, especialmente nós estados do sul. No período pós guerra civil, com o estabelecimento do sufrágio universal e o fim da escravidão, medidas do tipo praticamente impediram o voto negro e estabeleceram um amplo domínio do Partido Democrata que durou por décadas.

      Quem se interessar, o famoso livro “Como as democracias morrem”, de Steve Levitsky e Daniel Ziblatt, trata sobre isso.

      Saudações de Pombal-PB!

  • Álvaro Carnielo e Silva

    Olá Filipe e Matias!

    Finalmente a abstinência da falta de episódios foi sanada! Nada como fazer uma caminhada longa ouvindo Xadrez Verbal!

    As vz eu pego alguns “atalhos” só pra aumentar um pouco a distância e ouvir mais o episódio.

    Queria ser egoísta e pedir um abraço para mim! Isso mesmo! Dia 30 de janeiro eu completo 37 anos e gostaria desse presente de vocês!

    Grande abraço! Parabéns pelo trabalho!

    Nota:
    Vocês poderiam abrir planos de apoio pelo Pic Pay. Dizem que as taxas para vocês são menores (para mim, isso facilitaria, pois concentro todos os apoios de podcast por lá).

  • Senhores, agora que meu ano começou!

    tendo aquele momento mágico do meu dia onde eu sei alguma curiosidade inútil para conseguir “corrigir” algo que vocês comentaram brevemente… sobre o Ivan o Terrível, vocês disseram que o termo czar é uma “russificação” de César. Apesar da inspiração estar correta, o termo czar é de origem ESLAVA (sendo bem rígido aqui na diferença dos eslavos para os russos, algo que fazia bastante sentido na época do título) e surgiu em primeiro lugar na Bulgária, aproximadamente 500 anos antes de ser utilizado na Rússia.

    A historia é curiosa porque o termos foi cunhado pelo filho do imperador Simeão I (chamado de “primeiro Czar”) e não pelo próprio imperador, e foi baseado em uma variação do título bizantino de “césar da Bulgária”. Seguindo essa mesma lógica, fica meu voto para trocar o nome das subprefeituras de São Paulo para titulo semelhantes, tais como “César do Butantã” Rsrs

    Parabens pelo podcast! não perco um! Se der, mandem um abraço pro Thiago Viana e pro pai dele (ambos que me converteram) e pro Raul

  • Ah como é bom ter meus amigos de volta. Após 3 turnos de 12 horas consegui enfim ouvir todo o cast. Tenho que trocar de emprego para não ser mais interrompido em meu momento de lazer/estudo ouvindo o Xadrez. rsss

  • Olá, caros Filipe e Matias.

    Muito bom tê-los de volta!
    Sobre política internacional eu não tenho a menor condição de corrigi-los (A menos que São Caetano do Sul algum dia possa se enquadrar nesse cenário), mas sobre Chaves eu posso. E qual não foi minha decepção ao vê-los confundir os episódios no comentário sobre a triangulação Estados Unidos – Lituânia – Ucrânia. Vocês fazem referência ao episódio da barraca de sucos, mas a comparação de vocês remete na verdade ao episódio da barraca de churros, em que o Chaves fica responsável por cuidar da barraquinha enquanto Seu Madruga precisa atender a um chamado da natureza.

    Esta provavelmente é a correção menos importante que vocês verão sobre qualquer episódio de vocês, mas vocês não imaginam o tamanho da minha alegria ao ouvir referência a Chaves num podcast tão incrível quanto o de vocês! Me senti representado.

    Um grande abraço!

  • WILLIAM DE OLIVEIRA MENEZ

    No episódio em que o Chaves vendia um produto a si mesmo, não era suco de tamarindo. Eram churros da Dona Florinda kkkkk. Um abraço, Filipe e Matias! Ótimo 2022 para ambos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.