Fronteiras Invisíveis do Futebol #93 – História da Lituânia

Vamos aproveitar a efeméride e conhecer mais da História desse país e sua cultura, prensada entre diferentes mundos. A unificação sob Mindaugas, o paganismo lituano, as alianças com a Polônia, as cruzadas, as guerras mundiais, seus processos de independência de mãos dadas com os vizinhos etc. Tudo isso temperado com um pouco de esporte, principalmente o basquete, e a surpreendentemente célebre comunidade lituana no Brasil, além da coluna do Ubiratan Leal, o Livro, sobre o principal clube do país!

Referências no programa

Livro Armies of the Baltic Independence Wars 1918–20, de Nigel Thomas, Toomas Boltowsky

Museu Lasar Segall em São Paulo

Fronteiras Invisíveis do Futebol #45 – Rússia parte 1

Fronteiras Invisíveis do Futebol #45 – Rússia parte 2

Música de Encerramento Trys milijonai, com Marijonas Mikutavičius

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa.

Assine um dos feeds do Fronteiras Invisíveis do Futebol e não perca nenhum programa: feed RSS, feed do iTunes e feed Player.FM, feed Deezer e feed Pocketcast

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, confira o restante da programação aqui.


assinatura

Filipe Figueiredo, é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.


Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.


Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.


Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

botãocursos

17 Comentários

  • Guilherme Kundlatsch

    Comecei a ouvir o programa em agosto e agora finalmente consegui terminar de ouvir todos os episódios desde o início do programa e gostaria de parabenizar pelo trabalho incrível. Aprendi muito sobre muitos lugares que eu nunca nem cogitara estudar e estão além do que aprendemos na escola/ouvimos na mídia. Vocês são foda. Agora, já que citaram os episódios da Rússia, vou aproveitar pra cornetar. Neles vocês dizem duas coisas: que Cristiano Ronaldo não estava no nível de Di Steffano por não ter ganho cinco champions (pouco antes dele ganhar a quinta) e que era um absurdo a Rússia só ter feito 2 pontos na copa de 2014 em um grupo que a Bélgica fez 9 (pouco antes da Bélgica eliminar o Brasil na copa). Independente da corneta, mais uma vez parabéns pelo trabalho e já estou no aguardo das próximas edições!

  • Uma das minhas primeiras referências sobre Lituânia foi a personagem Polly McShane do desenho ‘Turminha da sala 402’. A personagem em questão é lituana-estadunidense e não perde uma oportunidade de falar sobre a Lituânia.

  • João Boggan (joão Moraes de Souza)

    Gostaria de Dizer que finalmente consegui chegar ao fim da maratona, ouvi tofos os Fronteiras invisíveis do Futebol 93 programas
    ufa!
    maior jogador da Lituania
    Fedor ou Fiodor Cernych
    Fedor…olha a quinta série gritando em euforia!

  • Mais um grande programa. Feliz por conhecer mais sobre a Lituânia, aquele time de basquete simpático q vi de verde e amarelo na olimpíada de 92. E por falar de basquete venho trazer uma nota de repúdio à piadinha clubística do senhor Matias em uma edição anterior do xadrez verbal sobre o maior time da costa leste, os Knicks. Aproveito tb pensando na citação do Hearts de Edinburgh, pq não um fronteiras sobre a Escócia???? Abraços e mantenham esse alto nível!!!

  • Olá Matias e Felipe. Espero que esteja tudo bem com vocês e seus familiares nesses tempos atuais. Parabéns pela qualidade impecável e constante com os materiais que vocês trazem à tona, seja no ‘Fronteiras’ seja no ‘Xadrez’. Apesar de ser ouvinte há mais de um ano (comecei no final de 2018 a ouvir o ‘Fronteiras’) estou escrevendo pela primeira vez. Confesso que tenho uma preguiça colossal para deixar comentários. Como meu primeiro comentário, ouvindo há mais de um ano, será uma crítica, prometo que farei comentários elogiosos, quando a situação aparecer (o que não deve demorar). Mas preciso compartilhar um pensamento crítico que tenho em relação às escolhas mais recentes do ‘Fronteiras’.
    O nome do programa é “Fronteiras Invisíveis do FUTEBOL”, mas em boa parte das escolhas, o futebol é apenas um detalhe. Apesar de chamarem a atenção constante para o fato de ser um podcast sobre história, pelo menos começou como uma interseção entre história e futebol e foi dessa maneira que o programa me chamou a atenção e me conquistou. Contudo, de um tempo pra cá venho notando que as escolhas tem privilegiado países/estados em que o futebol é um mero detalhe e que não possui vínculo algum com a história, política ou possui o mínimo de relevância no país. Posso lembrar de alguns como Jamaica, Filipinas, Uganda,… assim que acabaram alguns desses programas me fica a sensação de que ouvi muito sobre a história de um país, legal, mas o futebol não é nem digno de nota, uma curiosidade aqui ou acolá mas que se não soubesse, não mudaria muita coisa. Se compararmos os programas supracitados com os episódios de Argentina, guerra do futebol e da Líbia (onde as interseções são evidentes) a diferença fica clara. O atual episódio, da Lituânia, tive que parar pela metade devido a uma emergência, mas não fiquei curioso para retomar. Por que investir tempo e energia para descobrir a história do futebol na Lituânia se vocês também podem trazer material como Escócia e Inglaterra? (Ok, Inglaterra é deve ter MUITA coisa, mas pode ser desmembrada assim como vocês fazem com o Brasil) ou mesmo fazer um ‘remake’ de alguns episódio antigos com a estrutura que vocês tem hoje, como o da Guerra do futebol por exemplo? E sem precisar ir muito longe, o Fronteiras do Rio de Janeiro? Quando vou ouvir vocês falando da Viagem proibida do Madureira?
    Um grande abraço de um grande fã de vocês.

  • Mais um programa incrível, parabéns! Sem querer ser um “pidão”, mas sendo, gostaria de ouvir um episódio sobre os países nórdicos que faltam: Suécia, Dinamarca e Noruega, ouvir vocês falando desses países séria o auge da minha felicidade, e também um episódio sobre o Canadá! Um outro que séria interessante (mesmo sabendo que lá não tem nenhum time profissional e que o futebol não é nenhum pouco popular) é sobre o Hawaii, que tem uma história interessantíssima, principalmente antes de ser anexado pelos EUA, um abraço e continuem assim!

  • Caros Felipe e Matias, espero que estejam bem. Primeiramente, meus parabéns por mais esse programa incrível. Sou Internacionalista e grande fã do programa. Apenas uma curiosidade, o jogador Victor Luis Chuab Zamblauskas, ex-jogador do meu Glorioso Botafogo e atualmente no Palmeiras tem ascendência lituana. Aproveito para deixar uma sugestão de programa nada bairrista de minha parte: fronteiras sobre o Futebol Carioca. Forte abraço e se cuidem!

  • Pingback: Xadrez Verbal Podcast #229 – Coreia, Europa e Oriente Médio | Xadrez Verbal

  • Gosto muito do patronímico dos sobrenomes lituanos, o “vičius”, derivação do “wicz”, da vizinha Polônia, cujas relações com a Lituânia vcs abordaram no episódio.

  • Lucas Pimentel Pinheiro Santana

    Ótimo podcast, maratonei todos os fronteiras na quarentena e agora vou escutar o xadrez verbal. Assim que possível façam mais fronteiras invisíveis do futebol. Saudações palmeirenses!

  • Olá, pessoal! Já estou com abstinência de ouvir esse incrível podcast (e não aguento mais ouvir o Átila: quando eu paro de ouvir no Xadrez Verbal é a minha esposa que tá vendo as lives dele)!

    Ver a Lituânia no basquete é sempre legal. Em 1992 foi inesquecível, mas vale registrar também a semifinal da Olimpíada de 2000, em que os lituanos quase eliminaram os EUA. Foi 85 a 83, com os bálticos errando uma cesta de 3 no último segundo.

  • Andrey Henrique Hungaro Virgilio

    Bom crepúsculo, Matias e Filipe,

    Sou ouvinte do fronteiras, e no começo deste episódio tive um eureca quando vocês valaram da capital da Lituânia, Vilnius, pois sou um recente jogador e visualizador do jogo civilization, que comecei no seis, e Vilnius no civilization pode ser uma das cidades-estados encontradas no jogo.

    Abraços Tricolor, da Cidade de Sumaré interior de SP.

  • Tem menina aqui sim. Não vim pelo futebol, mas vim pela história. E o episodio do Haiti, revolução de São Domingo. me pegou…. cagando para o futebol.. me desculpem… mas foi ótimo saber q outras pessoas tinham conhecimento do q aconteceu. Desde então, estou tentado ouvir todos os fronteiras…

  • Carlos Eduardo Schad

    Senti a falta de duas informações sobre o futebol lituano (peço desculpas pelo meu déficit de atenção caso tenham citado):
    1 – Paulinho, ex-Corinthians, Barcelona e Seleção, jogou no Vilnius.
    2 – Edgaras Jankauskas, atacante lituano campeão da Champions League e da Copa da Uefa com o Porto de Mourinho.

    No mais, parabéns pelo fantástico podcast, que descobri recentemente via Xadrez Verbal.

  • Olá meus companheiros de faxina aos sábados, meu nome é Deivid, mora em Itaberaba, Bahia.
    Estou deixando aqui um comentário que espero que leiam assim que o Fronteiras voltar.
    Quero só agradecer pelo exelente programa, eu que não sou um amante do Futebol, mas gosto muito das curiosidades do esporte e AMO história tenho sonhos cremosos com cada episódio desse podcast.
    Se estão lendo esse comentário, quer dizer que o Fronteiras voltou e queria deixar uma curiosidade minha para com o programa.
    Toda vez que o Filipe diz “fulano anotou o primeiro gol do time/ou seleção em jogos oficiais” por exemplo, eu sempre achei que ele estava se referindo a quem anotou na súmula, e eu sempre me perguntava “COMO É QUE ELE SABE QUEM ANOTOU O GOL VEI?!?!” (VEI giria muito comum na Bahia). Só depois de uns 60 eps que eu percebi que ele se referia a quem FEZ o gol e não quem anotou como eu sempre pensava!!
    Outra curiosidade é que o Matia sempre diz “Filipe Nobre Figueiredo” e também por muito tempo achei que Nobre era o nome do meio do Filipe.
    De mais, peço para que retornem logo, continuem fazendo esses eps sensacionais. Abçs.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.