69ª Assembleia Geral da ONU – Rouhani e o Irã como líder regional

Acompanhe o restante da cobertura da 69ª Assembleia Geral da ONU.

Caros leitores, como prometido, o segundo texto de hoje, tratando do pronunciamento do Presidente do Irã, Hassan Rouhani, no Debate da 69ª Assembleia Geral da ONU. Como não poderia deixar de ser, Rouhani abriu tratando da crise no Oriente Médio; “Venho de uma região do mundo em que muitas partes estão queimando”. E fez questão de frisar que não se trata de uma crise homogênea; não se trata de apenas um idioma, de apenas uma cor de pele ou de apenas uma nacionalidade. “Vieram ao Oriente Médio de todo o mundo”; assim como falou, ontem, David Cameron.

rouh

O que uniria essas pessoas seria a violência e o extremismo, com o propósito de “destruir a civilização”, gerando um aumento de islamofobia e criar “um solo fértil” para mais intervenções de forças estrangeiras. Afirmou que o extremismo hoje é global e utilizou o termo árabe Daesh para se referir ao Estado Islâmico do Levante e do Iraque. “Os extremistas chamaram: extremistas do mundo, uni-vos. E nós, estamos unidos contra os extremistas?”. E então Rouhani segue a linha muitas vezes esquecida nos discursos ocidentais: o extremismo de hoje é uma consequência global, não um fator regional.

“O anti-ocidental de hoje é filho do colonialismo de ontem. O anti-ocidental de hoje é uma reação ao racismo de ontem. Algumas agências de inteligência colocaram lâminas nas mãos de loucos, que agora não poupam ninguém.”. O recado é claro: quanto mais interferências ocidentais, mais extremistas. É esse o adubo desse “solo fértil”. Além, é claro, de não esquecermos das suspeitas que sempre recaíram sobre o financiamento dos grupos que atuavam na Síria e que desembocaram na crise atual.

Segue afirmando que combater o terrorismo é “secar sua fonte”: pobreza, desemprego, humilhação, discriminação e injustiça. Em uma passagem até bonita, Rouhani cita Abraão, Moisés, Jesus e Maomé, e diz que todos eram unânimes em dizer que matar alguém é como matar a humanidade; então, é inaceitável que tais grupos se definam como “islâmicos” e que é intolerável que se mate, supostamente, por religião. E, mais inaceitável ainda, é a imprensa ocidental propagar a ideia de “grupos islâmicos”, o que gera preconceito e humilhação em todos os muçulmanos que “diariamente lembram-se de seu Deus como piedoso e de compaixão”.

Volta a falar de “fracassos estratégicos Ocidentais” no Oriente Médio, na Ásia Central e no Norte da África, afirmando que “agressões e ocupações afetam a vida e o cotidiano de pessoas comuns”, que resultam em adversidades e violência. Coloca “agressões militares” contra o Afeganistão e o Iraque, e “interferência imprópria” na Síria; no caso afegão, é sempre bom lembrar que o CSNU autorizou as ações. Coloca que a democracia “não é um produto que pode ser exportado” e que “quando generais entram em uma região, não espere que diplomatas os recebam calorosamente”.

Rouhani coloca que a violência de hoje é uma consequência da criação da Al-Qaeda e do Talibã, em um claro contexto de que tais grupos foram frutos dos EUA. E que o erro de armar grupos para combater outros continua a acontecer; “a repetição desse erro, apesar das custosas experiências, é de deixar perplexo”. Rouhani, então, coloca sua tese na mesa: o Oriente Médio está cansado de guerras, mas apenas o Oriente Médio sabe como é isso; portanto, cabe ao Oriente Médio e suas lideranças “que não são nem pró nem anti-Ocidente” cuidar de seus problemas. O “fardo da responsabilidade” para conter a violência e o terrorismo é deles, não de “líderes de coalizão”.

Continua, para colocar o Irã como um líder regional, um “país estável” na região e faz a primeira crítica, pesada, ao Estado de Israel: “Se nós tivéssemos uma maior coordenação e cooperação no Oriente Médio, milhares de palestinos inocentes em Gaza não teriam sido vítimas da agressão do regime Sionista”. E esse é o tom da segunda metade do discurso de Rouhani. O Irã é um país líder da região, estável, menciona as eleições do país e, mesmo assim, sem justificativa, a população do país sofre sanções. E sanções que privam as pessoas até de remédios diminuirão a confiança do povo na “cooperação segura”.

Segue então para a conclusão, de que o Irã está pronto para uma solução negociada envolvendo “certos princípios e valores” iranianos sobre a transparência do programa nuclear do país. Cita a Ação Conjunta de Genebra como parte importante desse processo e demonstração da vontade iraniana de cooperar. Nesse contexto, lembro ao leitor que, ontem, Rouhani e David Cameron se encontraram em Nova Iorque, para discutir ações conjuntas contra o EI; foi a primeira vez que chefes de Irã e do Reino Unido se encontraram desde 1979. Rouhani encerrou afirmando que alerta, novamente, que abordagens erradas levam apenas ao extremismo e que é sua “sincera esperança” deixar um mundo melhor para gerações futuras.

O que já foi dito sobre o Irã aqui no Xadrez Verbal? O pronunciamento, na íntegra, em inglês em PDF, está aqui. No período noturno, o Xadrez Verbal publicará o terceiro texto do dia, comentando os discursos de Shinzo Abe, Primeiro-ministro do Japão, e de Herman Van Rompuy, Presidente do Conselho da União Europeia.

*****

Para ficar informado, você pode checar a programação do debate no site da 69ª Sessão da Assembleia Geral da ONU; notícias e releases no site da Assembleia Geral da ONU; e assistir aos pronunciamentos e demais coberturas no site oficial das Nações Unidas UN Web TV.

*****

Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

*****

Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Facebook e no Twitter e receba notificações de novos textos e posts, além de outra plataforma de interação, ou assine o blog com seu email, na barra à direita da página inicial. E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Anúncios

2 Comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s