Xadrez Verbal Podcast #240 – Colômbia, Europa e Pacífico

Chegando mais um Xadrez Verbal no seu feed! Primeiro, demos um giro pelo velho continente, com a nova polêmica do Brexit, referendo na Itália e a situação em Belarus. De lá fomos para a bacia do oceano Pacífico, com a sucessão do Abe Shinzo no Japão, as relações exteriores da China, a assinatura dos acordos do Oriente Médio em Washington e as campanhas eleitorais nos EUA. Finalmente, tudo o que aconteceu na nossa quebrada latino-americana, desde as queimadas no Brasil até os protestos na Colômbia, passando por impeachment no Peru e denúncias na Bolívia e na Venezuela. Além disso tudo, nós giramos pelo mundo, a quinzena na História, economia com a professora Vivian Almeida, peões da semana e dicas culturais fecham mais uma edição da sua revista de política internacional em formato podcastal!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Dicas do Sétimo Selo e links

Documentário O dilema das redes

Livro Nada de novo no front, de Erich Maria Remarque

Filme Nada de novo no front

Filmografia de Walter Matthau

Filme Dois velhos rabugentos

Filme October 1

Filme El bonarense (Do outro lado da lei)

XVII Conferência de Segurança Internacional do Forte de Copacabana (24 e 25 de setembro de 2020)

Vídeo Música e o Xadrez Verbal

Matéria Espanha aprova lei que obriga ensino sobre ditadura franquista nas escolas, por Carlos E. Cué

Coluna na Gazeta do Povo Um mês de referendos e a distorção no Congresso brasileiro

Coluna na Gazeta do Povo Índia, China, Rússia e a Tríplice Aliança da Grande Guerra

Fronteiras Invisíveis do Futebol #12 – Cuba

Coluna na Gazeta do Povo Bahrein e Israel: um preâmbulo para um acordo com os sauditas?

Matéria Mozambique’s jihadists and the ‘curse’ of gas and rubies, por Joseph Hanlon

Livro The Pinochet file: a declassified dossier on atrocity and accountability, por Peter Kornbluh

Relatório da Humans Right Watch sobre a Bolívia

Músicas de encerramento:

All alone the watchtower, com Jimi Hendrix

54-46 Was My Number, com Toots & The Maytals

Playlist das músicas de encerramento do Xadrez Verbal no Spotify

Canal do Xadrez Verbal no Telegram

Minutagem dos blocos, cortesia dos financiadores do Xadrez Verbal

  • 00:04:10 – Giro de Notícias #01
  • 00:18:40 – Coluna Aberta: Velho Continente
  • 01:03:00 – Efemérides: A quinzena na História
  • 01:13:30 – Match: Bacia do Pacífico
  • 02:21:15 – Giro de Notícias #02
  • 02:40:30 – Xeque: América Latina
  • 04:18:20 – Gambito da Dama: Inovação
  • 04:29:10 – Giro de Notícias #03
  • 04:39:20 – Peões da Quinzena
  • 04:42:15 – Sétimo Selo
  • 04:57:40 – Música de encerramento #01
  • 05:01:40 – Música de encerramento #02

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.
Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

47 Comentários

  • Boa tarde meus caros!

    Poderiam comentar sobre a morte da RBG e o desenrolar político depois disso? Muito obrigado!

    • Muito provavelmente o que vai acontecer é que os Republicanos vão tentar e conseguir apontar um novo membro para a Supre Corte, visto que os democratas vão falhar em conseguir os 4 votos Republicanos necessário para impedir a aprovação, convencendo somente Lisa Murkowski, Susan Colins e talvez Mitt Romeney. Isso por sua vez vai ser um tiro no pé dos Republicanos visto que os Democratas muito provavelmente vão formar um Trifecta no Governo Federal após 2020 e vão retaliar expandindo a Suprema Corte.

  • Deixando uma pequena correção quanto a sucessão da presidência da República no Brasil, que foi usada pra comparar com a escolha do primeiro-ministro do Japão.
    Muita gente tem essa concepção incompleta de que, saindo o presidente e o vice, assume o presidente da câmara (depois o do Senado, depois o do STF).
    Essa sucessão tá prevista no artigo 80 da Constituição e é usada, digamos assim, para tempos mais comuns (viagens das autoridades, doença ou outro motivo que impeça temporariamente o exercício das funções).
    No caso de vacância do cargo, por impeachment ou renuncia do presidente e vice, o presidente da câmara (ou os outros que citei, na impossibilidade desse) assume o cargo interinamente, mas precisa colocar eleições em 90 dias (isso está no artigo 81 da Constituição).
    Sendo a vacância nos dois primeiros anos do mandato, são chamadas eleições diretas, sendo nos dois últimos, eleição indireta pelo Congresso Nacional.

    Fico feliz de poder contribuir com alguma informação nesse sempre excelente cast. Abraços a vocês.

  • Tem um canal do YouTube que passa os Honest trailers com legendas e as letras de tela em português. O nome (pouco original) é Trailer Honesto.

  • Oi Filipe. Ruby pode ser na fabricação de lasers e em aplicações que exijam alta dureza. Mas seu uso mais comum é colocar encantamentos de fogo em equipamentos de jogos de RPG. Abraços.

  • Relato de um fã. Olá Filipe e Matias suave? Acompanho desde 2014 o canal Xadrez Verbal do you tube, e escuto o podcast desde o início. Eu sempre apreciei a geopolítica, e quando descobri o Xadrez Verbal foi aquele “Boom” na cabeça. Com 27 anos e sem muita perspectiva de mudança de área de trabalho, já estava me convencendo de que seria um proletário em um emprego qualquer, mas fiz um vestibular em 2017 para bacharel em geografia na Uepg, aliás, saudações ferroviárias fantasmagóricas. Fui na contra mão, me achei “velho” pra cursar uma universidade, mas digamos que, depois de “velho” tirei o monstrinho da geopolítica de dentro de mim. E vcs indiretamente me ajudaram, conhecer o trabalho de vcs foi aquele empurrão que precisava, parte da culpa de eu ter chegado ao quarto e último ano é de vcs.
    Vou entregar o TCC com temática geopolítica e futebol, tentarei trazer o esporte bretão para a análise da geografia. No mais um abraço do Diego, grande fã, continuem com o trabalho incrível e ajudando a inspirar novos interessados por geopolítica;

  • Parabéns pelo excelente trabalho! Estou usando meus tempos de procrastinação para ouvir antigas edições do xadrez verbal e do Fronteiras invisíveis do futebol. Vcs fizeram até minha namorada Giulia (que não gosta desses assuntos) se entreter.

    Queria dizer que quando a professora Vivian Almeida falou sobre o leite condensado (contextualizando sua origem), eu imaginei que ela desenvolveria sua argumentação falando sobre a classificação NOVA (do NUPENS-USP) e os ataques recentes que ela vem sofrendo por parte do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). A indústria de alimentos ultraprocessados (ou seja, alimentos que minha vó chama de porcaria) está mexendo as peças para revisar o Guia alimentar para a população brasileira (2014) e retirar a orientação de evitar esses alimentos ultraprocessados…ela argumentou para um aspecto mas amplo de descobertas e não comentou sobre o ocorrido. De toda forma, gostei muito dessa edição!
    Um beijo nos seus peritôneos!

  • Um adendo quanto a figura do Suga Yoshihide, o novo primeiro ministro do Japão, apesar de ser o braço direito do Abe, Yoshihide tem claras diferenças do seu antecessor.

    Ele sempre insistiu que Abe deveria focar na política econômica do que a reformar o Artigo 9 da Constituição, também foi o responsável por “apagar os incêndios” de várias declarações polêmicas e manter Abe na “coleira”, ou seja, apesar de compartilhar sim algumas visões, Yoshihide tem uma abordagem muito mais pragmática.

    Isso se reflete em vários campos, exemplo: política de imigração; ele é favorável a mudanças para resolver o problema na força de trabalho em declínio do país, economia; apesar de seguir a política Abenomics, Yoshihide é mais flexível em relação ao um corte da taxa de juros.

    Enfim, veremos como será o curto mandato dele na prática e uma última observação, é paira uma sombra da possibilidade dele aproveitar essa popularidade inicial, para dissolver o parlamento e convocar novas eleições, para obter um termo completo como primeiro ministro.

    • Estava procurando mais informacao a respeito do posicionamento do Suga a respeito do Artigo 9, obrigado pelo comentario!

      Alem disso, vi ele falando sobre suas prioridades nesse governo; combate a covid-19, fazer o possivel pra aquecer a economia e as Olimpiadas.

      Se ele ficar apenas um ano no governo, como e previsto, nao vai ter muito tempo pra fazer muito, mas se as coisas correrem bem, ele ja ganha uma credibilidade. Mas quem sabe ele nao ganha um mandato inteiro!

      Alem disso, tem gente que chama ele de “tio Reiwa” por ter anunciado a nova era!

  • Fala pessoal!

    Esqueci de agradecer na semana retrasada pela recomendação de Hotel Ruanda. O engraçado é que em 2018 meu professor de geopolítica do cursinho tinha recomendado, em 2019 no nerdologia “Ruanda 1994” o Filipe havia recomendado novamente, porém foi só em 2020, com recomendação no podcast mesmo que eu finalmente tirei a preguiça do corpo e assisti esse filmaço que já entrou no meu top 5.
    Além disso, aproveito a deixa para agradecer por terem tocado All Along the Watchtower do Hendrix. O problema de Hendrix é que após escutar uma música, fica difícil não querer escutar todas dele logo em sequência. Uma coisa curiosa que mexe um pouco comigo é que no dia que o Hendrix morreu, 18/09/1970, o Black Sabbath estava lançando o Paranoid, que bom, tá aí até hoje figurando como trilha do programa.

  • Olá Filipe e Matias
    O Sultão Suleiman, citado nas efemérides, é conhecido no oriente como Suleiman, o Legislador.
    A transliteração usada para Suleiman na língua portuguesa é Solimão, divergindo da transliteração hebraica que é Salomão. Solimão tem relação com o sobrenome e, em alguns casos, primeiro nome de alguns lusófonos mas não tem relação com o Rio Solimões. O nome do rio vem dos povos que viviam em suas margens, os Yurimáguas, chamados de sorimões por cronistas portugueses. Sorimão e Solimão derivam da palavra solimum do latin, referência ao veneno usado nas pontas das flechas e dardos usados pelos nativos.

  • Respeitosamente, faço uma indagação a respeito das queimadas no Pantanal. Foi levantada a hipótese de que essas queimadas estão sendo usadas como método para abrir pasto para o gado, mas então quer dizer que pecuaristas são donos dessas terras? Porque há também reservas ecológicas que estão sob fogo… Mesmo sob a perspectiva desenvolvimentista, podem os pecuaristas avançarem sobre terras da União para abrir pasto?

    Reitero que faço essa indagação com respeito e ingenuidade porque moro no Sul e não conheço a realidade do Norte e Centro-Oeste porque nunca visitei essas regiões e não as estudei profundamente.

    • Walinson, vou pedir licença aqui pra comentar um pouco (de orelhada) sobre sua pergunta. A resposta é: legalmente, não. Assim como, legalmente, os agropecuaristas não podem colocar fogo nas reservas legais dentro das suas propriedades rurais, por exemplo. O problema é justamente a ilegalidade, o crime. Qual o interesse em se colocar fogo em uma reserva ecológica que é patrimônio da união? Bom, se a reserva pegou fogo, por que a gente vai continuar mantendo aquela área como reserva? Não é melhor dar ela pro INCRA distribuir pra agropecuaristas? Eu creio que seja essa a lógica por trás. Isso quando o incêndio não chegou na reserva ecológica por acidente/incompetência. A realidade da má proteção ao meio ambiente, inclusive do ponto de vista legal, é que as invasões de reservas e o desmatamento são sempre premiados com a legalização futura. Vem sempre um “novo” código ambienta e fala: não pode mais desmatar, mas o que já foi desmatado até aqui, tá legalizado. E isso é um enorme estímulo pro continuo desrespeito à lei. Como consequência, eu, que moro em Rondônia, já tem 1 mês que não sei a cor do céu. Nesse exato momento, a fumaça é tanta que eu não sei se tá nublado ou se tá um céu de brigadeiro aqui. Espero ter ajudado.

  • Excelente episódio como de costume. Nas recomendações de musica faltaram citar que o album Paranoid do Black Sabbath também fez 50 anos dia 18, mas como já toca War Pigs ao decorrer do episódio, vamos considerar como homenagem hahah, abraços!

  • Excelente programa, como é de lei. Só queria fazer umas correções sobre o caso Brianna. A fonte é a reportagem do NYT, no especial em 2 episódios do podcast the daily de semana passada.

    O Filipe falou da questão dos “no knock warrants” e, de fato, essa é uma das principais discussões envolvendo o caso. Contudo, apesar de ter sido pedido um no nock no caso, o juiz só aprovou a busca na casa da brianna com um “yes knock” (não sei se é assim q fala).

    E aqui vem um dos pontos em discussão: os policiais disseram que bateram e anunciaram que era a polícia, enquanto o namorado da brianna disse não ter ouvido nenhuma vez tal anúncio. De todos os vizinhos ouvidos, apenas 1 disse ter ouvido a polícia se anunciando e apenas 1 vez. Então, na prática, pode ter sido mesmo um no knock.

    E aqui vem a 2ª correção: aquele não era o apartamento do namorado da brianna, mas o da própria brianna.

    E, por que a polícia foi invadir o apartamento e por que o namorado da brianna atirou?

    O namorado anterior da brianna era um traficante de drogas que estava sendo investigado pela polícia, tendo inclusive fotos dele saindo do apartamento da brianna com uma mala (que poderia significar que ele guardava dinheiro ou drogas ali).

    Contudo, a brianna havia terminado com esse namorado e voltado pro seu anterior, que era um bom moço.

    Como o namoro anterior não havia terminado em bons termos, ao ouvir as batidas fortes na porta e o indício de arrombamento, sem ter ouvido (provavelmente por não ter sido falado) que era a polícia, o namorado da brianna atirou achando que era o ex entrando ali.

    Só pra dar um contexto da tragédia. Além do racismo e da desídia homicida da polícia, teve uma certa medida de má sorte no ocorrido também…a história toda muito triste.

    • Só mais uma observação: o principal problema do no knock é que a pessoa pode não saber que é a polícia entrando e reagir. Vc junta isso com o porte de arma praticamente liberado e tá dada a receita da tragédia.

      Uma outra medida simples que poderia ser adotada, copiando o Brasil, é a proibição dessas buscas em residência no período noturno.

      Se alguém arromba a sua porta no meio da noite, a primeira coisa que se pensa é: é um ladrao.

      Já durante o dia, creio que essa possibilidade de ser um ladrao e não a polícia ficaria bem mais remota, reduzindo a possibilidade de reações acidentais que precipitam tragedias.

  • Pena que só falaram do referendo italiano depois que eu já votei(pelo correio) mas acho que não teria mudado meu voto.

  • Leandro Dorval Cardoso

    Parabéns pelos programas, meus caros! Vocês são presença assídua na caixinha de som durante os afazeres domésticos por aqui. Gostaria de pedir que mandem um beijo para minha esposa, Thayse Letícia, doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSCAR, e sugerir uma pequena correção: sempre que vocês falarem “os Estados Unidos”, o verbo deve estar no plural. Por exemplo: “Os Estados Unidos cancelaram vistos de estudantes chineses…”, e não “Os Estados Unidos cancela…”. Se o artigo (nesse caso “os”) está presente, o verbo fica no plural. Seria singular se não houvesse artigo: “Estados Unidos cancelou vistos de estudantes chineses…”. A mesma coisa vale, por exemplo, para “Alagoas”: “Alagoas elege novo representante…”, mas “As Alagoas elegem novo representante…”. Chatices gramatiqueiras. Grande abraço!

  • Fiquei me perguntando, se fosse aqui no Brasil, será que Paulo Mendes da Rocha seria um senador vitalício? Afinal ele ganhou o Pritzker em 2006 e tem diversas obras conhecidas internacionalmente. Sendo totalmente clubista, acho que eu até gostaria dessa ideia.

  • Olá Filipe e Matias!! Programa excelente como sempre! Só gostaria de recomendar sobre o assunto “Floresta em pé gera mais lucro que floresta derrubada” o vídeo “Quanto vale o veneno de uma jararaca?” do canal do biólogo mais amado/odiado do Brasil, o nosso querido Atila Iamarino, que trata de uma forma sensacional o que estamos perdendo simplesmente por não estarmos investindo em pesquisa nas florestas brasileiras. Um forte abraço!!

  • Olá Filipe e Matias, tudo bem?

    Sou ouvinte desde 2017 pelo menos, e os conheci por indicação de um professor mto gente boa, torcedor da grande Portuguesa… o grande Mário Manuel Mendes Jr.

    Queria fazer um comentário a respeito do bloco sobre os incêndios que estão devastando o pantanal matogrossense e a amazônia.
    Moro em Rosario na Argentina desde janeiro deste 2020 e sou estudante de medicina da UNR (a máquina de moer gente). Um dos limites da cidade é o rio Paraná – parte essencial que escoa a produção de grãos e demais produtos agrícolas da região, da minha varanda inclusive, vejo a movimentação desses cargueiros de diferentes bandeiras e tamanhos.
    Há uma grande região de pantanal por aqui, que já tem uns bons 4 meses, todo dia infelizmente vejo também da minha varanda, focos de incêndios que devastam os humedales del Paraná. Alguns dias a fumaça é tão intensa, que invade a cidade e parece aquele orvalho da manhã, mas são as fumaças causadas por esses incêndios, que inclusive, foi reportada até na capital Buenos Aires.As mídias da região dizem que esse ano já se extrapolou o número de hectares queimados em relação a outros anos. Dizem também que eles são causados por donos de terras que devastam as áreas naturais e todo seu bioma para a criação de pastos para a pecuária… alguma semelhança com o nosso pantanal? Pois é…

    Um abraço, se possível, aos grandes prof… Mario, Thiago, de literatura, e ao Pacheco de matemática, que sempre tinha excelentes dicas culturais tão boas quanto as de vocês.

  • Sobre o caso da invasão das ilhas do mosanbique…. o Brasil ou portugal, poria se meter no caso? Por mosanbique falar português?

  • Olá Filipe. Sobre algoritmos de recomendação, existe uma anedota de que uma rede de farmácia recomendou a uma jovem que ela comprasse fraldas e outros itens, dando a entender que ela estaria grávida, com base no que ela já estava comprando. O pai da moça ficou revoltado, exigiu desculpas da rede. No final das contas, o pai que teve que pedir desculpas, por que a filha realmente estava grávida. Então, se o algoritmo do YouTube lhe recomendou um vídeo sobre cirurgia ocular, é melhor você fazer um teste de gavidez.

  • Luis Eduardo Reis da Silva

    Olá Matias e Filipe, ótimo programa como sempre!

    Sobre a relação da Disney com a China, um dos próximos filmes do universo cinematográfico da Marvel será Shang Chi: A Lenda dos Dez Anéis, personagem que será interpretado pelo ator sino-canadense Simu Liu, devendo trazer uma parte maior das artes marciais nos filmes de super heróis, já que o personagem vem da época dos filmes de kung fu. Neste filme o vilão será o Mandarim (interpretado por Tony Leung Chiu-Wai), que depois das criticas relacionadas ao personagem em Homem de ferro 3, teve um curta no Blu-Ray de Thor 2 chamado “Todos saúdam o rei” (que está disponível no Youtube, tem em partes e inteiro) onde um homem vai visitar o personagem de Ben Kingsley (falso Mandarim) para avisa-lo que o verdadeiro Mandarim não gostou nada do que ele fez. No filme o protagonista deve ser filho do vilão (segundo especulações), substituindo o personagem literário Fu Manchu, pai de Shang Chi nos quadrinhos, que é uma representação estereotipada e negativa da cultura chinesa.
    Dito isto, como o vilão e o herói do longa são chineses não deve gerar tensões no país; no entanto, a Disney pode optar por utilizar a versão do Mandarim presente na série animada Iron Man: Armored Adventure (no Brasil se chama somente Homem de Ferro: A Nova Série Animada e, se não me engano, ainda está na Netflix e tem duas temporadas, mas logo deve sair pois o Disney+ estreia em novembro), nesta animação Tony Stark é um adolescente e enfrenta um Mandarim também mais jovem chamado Gene Khan, que é descendente de Gengis Khan (acho que nos quadrinhos também), na série essa descendência é tratada de forma mais forte, destacando que ele é o último Khan. A animação mostra eles procurando os outros anéis, isso porque o primeiro Mandarim os usou para conquistar o mundo todo, mas seus filhos não eram dignos de todos e ele escondeu nove anéis pelo globo com testes temáticos como coragem, temperança, sabedoria, etc (nós quadrinhos ele encontra todos de uma vez de um alienígena dragão, longa história). Desta forma, eles poderiam deixar só o herói como chinês e o vilão com aspectos mais mongóis, para tentar agradar o mercado chinês; porém não há confirmação disso, é só um chute meu.

    Obrigado pelo conteúdo, o trabalho que vocês fazem é incrível!!

  • Filipe, apenas uma correção: você disse várias vezes que estava “colando” as informações, mas na verdade o Xadrez Verbal é uma prova em dupla e com consulta. Abraços

  • Felipe Madeira Alberto

    Ainda sobre o United States Postmaster General o cargo é super legal, mas ainda não supera o cargo mais legal dos correios do mundo, o de Carteiro do Fim do Mundo dos correios argentinos, na agência do Parque Nacional Tierra del Fuego em Ushuaia.
    Além do bigode estilosíssimo (que lhe rendeu um selo próprio, que é colocado nos passaportes dos turistas) ele é uma figura super simpática (assim como a maioria dos patagônios) e que não tenta subverter eleições;

  • Olá mais uma vez Filipe e Matias, eu ri da parte, (que creio que era pra ter sido cortada) de vocês consultando o Google pra completar as informações sobre a greve de policiais lá na Argentina.
    E na hora da quinzena na história me ocorreu que vocês perderam bola ao não fazer uma versão desse bloco no programa com o Átila, mas com notícias sobre biologia ou medicina. Seria algo até bom para marcar a transição entre o giro de notícias e o estudo de caso.

  • Muito legal… Durante o pião pela nossa quebrada latino americana, qnd falavam sobre a greve dos policiais em Buenos Aires, o trecho do minuto 197:00: ao 197:27 me pareceu muito que era para não ter entrado na edição final. Ao perguntar quais foram os termos do fim da grave, pois na matéria que o Filipe estava usando como fonte não havia a informação, a naturalidade do diálogo que se seguiu entre vocês foi demasiadamente delicada a ponto de o Mathias ter deixado passar na edição.
    Pelo menos foi essa impressão que eu tive, o que foi muito bacana, não me perguntem o pq.

    Um beijo nos vossos respectivos Latíssimo do dorso, desde São Sebastião, litoral norte de SP

  • Baita programa!

    O Nada de Novo no Fronte (Im West nichts neues) é um livro espetacular, e ainda melhor que o filme. E para os incautos que estão aprendendo esse idioma do capeta, o alemão que o Remarque usa é bem mais fácil de entender do que a média dos clássicos germânicos.

    Grande abraço!

  • Bom dia Matias e Filipe!! Tudo bem?

    A algum tempo estou pensando em um comentário feito por vocês sobre a política externa brasileira em relação as negociações entre o Mercosul e a União Europeia.

    Me dei conta que tudo o que o Governo Brasileiro quer é que dê errado mesmo.

    Segue a linha de raciocínio.

    Se a União Europeia mantiver o acordo de livre comércio (que seria exatamente o que o agronegócio medieval e a elite de exclusividade brasileira deseja) e restringir as cooperações econômicas (que ajuda na retórica do governo de que os europeus fazem um complô contra o próprio Bolsonaro), então isto seria tudo o que o Bolsonaro quer!!

    Por este ponto de visão, e levando em consideração que este governo já demonstrou que o Mercosul não é sua prioridade, está tudo correndo as mil maravilhas para o Governo Brasileiro em relação ao acordo Mercosul-União Europeia.

    O que vocês acham!!

    Abraço a todos e parabéns mais uma vez pelo trabalho de qualidade e relevância!!

  • Pra quem é ateu você está sabendo muito sobre São Francisco de Assis … Parabéns … espero que no próximo dia 04 de outubro (dia de São Francisco ) suas orações sejam atendidas … abraços. ..

  • Tô tão acostumado com XadrezVerbal de 5h que eu nem sei mais como seria quando voltar ao de 2h. Por mim continuava assim, bem longo, mesmo sem pauta. Podia o ficar o Filipe e o Matias lá, fazendo uma mesa redonda da rodada, conversando sobre alguma receita, ou comentar sobre as dicas culturas que passaram

  • Olá Filipe e Matias! Admiro demais o trabalho de vcs, escuto o xadrez há anos, perdi as contas já de quando comecei, acho que foi em 2015… Faz um ano que estou tendo uma experiência nômade na Europa, junto (e graças) ao meu companheiro Rafael de Almeida que está cursando um mestrado itinerante Erasmus Mundus em Cinematografia (direção de fotografia pra cinema). São 2 anos em 3 países diferentes. Moramos em Dublin, Budapeste e agora estamos em Tallinn. Quiz compartilhar isso aqui, pois, vcs são nossa companhia constante e sempre comemoramos quando vcs abordam alguma notícia do país em que estamos no momento, na Hungria aconteceu bastante, por exemplo. Quero aproveitar pra contar que no último sábado, 26/09, fizemos um bate-volta a Helsinque, pois, devido a segunda onda as fronteiras da Finlândia fecharam novamente nesta segunda se não me engano. Era potencialmente a última brecha para fazermos essa viagem este ano e valeu a pena! A travessia do Báltico é feita num navio que é praticamente um cruzeiro, e é um grande shoping center flutuante, mas foi uma experiência bastante única pra nós que nunca tínhamos entrado em algo dessa dimensão antes. Em Helsinque visitamos a fortaleza Suomenlinna e lá vimos o submarino Vesikko, que esteve ativo durante a Segunda Guerra, e se não estiver enganada, vcs o citaram em alguma edição recente não foi? Sei que não pude deixar de lembrar de vocês claro. Não fosse a pandemia poderíamos ter visitado também seu interior, porém ele está temporariamente fechado. Desculpem o textão, eu tenho tendência a me empolgar escrevendo. Deixo aqui um chêro pernambucano pra vcs e quero pedir outro pro Rafa que me carregou nessa aventura pelo velho continente. \o/

  • Olá, Filipe e Mathias! Esse é meu primeiro comentário aqui no blog. Sou um historiador e professor de história muito fã do podcast de vocês. Queria que mandassem um beijo para a minha esposa, Isabella (Bella), que acompanha indiretamente o podcast quando eu ouço na tv aqui de casa. Quem sabe com a menção ela se engaje também, haha. Um abraço para vocês.

    Obs.: Sou muito fã do Mathias, mas seu rosto é mais conhecido que o dele. Inconscientemente eu sempre achei que ele fosse parecido com o Pirula, por conta da voz grossa e porque uma vez assisti o vídeo que você gravou com ele e com o Icles, do LeituraObrigahistória e História FM (que, inclusive, foi meu veterano). Espero não ter ofendido o Mathias.

  • Com a invasão do Azerbaijão em Artsakh, recomendo o vídeo do Evan Hadfield (filho do astronauta Chris Hadfield) sobre a história dos armênios na região:

    • Deixo um trecho, porque infelizmente a maioria dos documentários do Evan, não são legendados em PT:

      (…) o povo de Karabakh entende um mundo onde a força pode tirar tudo em um instante, eles são indígenas desta região e
      provavelmente vivem por aqui há mais de dez mil anos esta área do cáucaso, são tão apróximadamente associados à sua grande Armênia, em quase todas as línguas da terra não importa se você os chama (…), eles estão aqui há tanto tempo, que o antigo testamento os trata como antigos, armênios lutaram com a Babilônia, eles lutaram Pompeu Magnus e Alexandre de Macedônia eles lutaram com Genghis Khan, Tamerlan e os Mamelucos tremiam antes dos otomanos e a Rússia Stalinista, toda a sua história é uma história de morrendo para que outras pessoas possam viver e dentro desse mundo de guerra a região de Karabakh é o único lugar onde eles nunca foram completamente expulsos de suas terras bem em outros lugares da região que carrega seu nome exílio e genocídio têm expulsou-os de suas casas ancestrais no Karabakh eles nunca saíram de verdade as pessoas aqui se chamam de burros porque eles são tão teimosos ninguém lhes diz o que fazer nem mesmo mãe armênia a UE não os reconhece como um nação, a Rússia não os reconhece como uma nação que os EUA não os reconhecem como uma nação, mas eles ainda estão aqui e se você quiser para removê-los você vai precisar de algumas armas poderosas, infelizmente o Azerbaijão possuem essas armas, e eles não estão com medo de usá-las porque eles também pensam que a terra é deles, e eles gastaram mais dinheiro do que a Armênia jamais sonhou, em convencendo os governos do mundo que eles estão certos (…)

  • Oi, Filipe, vi essa reportagem sobre o secretário-geral da Liga Árabe sobre o acordo de Abraão e a visão da influência da Turquia e Irã no Oriente Médio e lembrei de vocês.
    https://www.thenational.ae/world/mena/aboul-gheit-uae-israel-deal-halted-certain-annexation-of-palestinian-land-1.1084995

  • Olá Filipe e Matias! A respeito dos conflitos na Republica Democrática do Congo é interessante ter em vista que a região que possui denuncias de abusos e violências diversas é a mesma região inserida no trafico dos minérios de conflito, mais especificamente do COLTAN, Columbita e Tantalita, que são matéria prima pra produção de chips e placas de alta tecnologia, a maior parte das jazidas estão embargadas pela comunidade internacional o que não impede que os traficantes revendam em outros mercados vizinhos principalmente em Ruanda.

  • Olá de novo, adiantando uma pergunta sobre o tema do próximo programa. Afinal de contas, a Armênia e o Azerbaijão ficam na Europa ou na Ásia?

  • Olá, meus caros

    Gostaria de comentar sobre o que vocês disseram no último Xeque, ao falar da Argentina. O Filipe brevemente brincou que os argentinos têm um “fetiche por dólar”. Pois bem, já que eu estudei economia isso me incomodou um pouco. A questão não é que os argentinos insistam em acumular dólar por um simples flerte com essa moeda. Mario Henrique Simonsen, no seu manual de macroeconomia nos ensina que a moeda têm 3 funções: 1) Meio de troca; 2) Reserva de valor; 3) Unidade de conta, quando uma moeda é fraca (como é o caso do peso argentino) ela vai se deteriorando, e o BC do país vai perdendo sua credibilidade. A primeira etapa de um país com uma inflação descontrolada é que o público deixe a terceira função (unidade de conta): Todos nós sabemos +/- determinar quanto custa um produto que gostamos, mas quando os preços estão muito voláteis, é mais preciso apontar o valor em *dólar* (por exemplo, aí está o ps5, 500 doletas). O segundo passo é o população fugir da moeda para não perder o valor ao longo do tempo, esse é o caso dos argentinos nesse momento – quem tá guardando peso, em casa ta perdendo diariamente para a inflação e no banco também ta perdendo por falta de opções de títulos com boa taxa de retorno, taxas e impostos. Logo, a única solução racional é trocar pelo dólar – e veja, a moeda americana não é moeda aqui nos nossos países, é um ativo monetário, assim como o ouro é um ativo. No último caso, que eu não sei se já atingiu nossos hermanos, é o abandono completo da moeda nacional, sequer utilizando-a como meio de troca; aí é sinal que a inflação corroeu completamente essa moeda, e seguramente a política monetária foi mal feita. Não vou dizer que o Fernandéz ta fazendo isso, né, mas ele tá almejando esse destino.
    Enfim, então não se trata que a Argentina tenha “fetiche pelo dólar”, é muito mais um endêmico “flerte pela inflação”,

    *Tava pensando, será que alguém se candidata pra fazer um placar dos peões/ peões promovidos aqui no site?

    Um grande abraço,
    Pedro Pouchuq

  • o trabalho de vocês só melhora a cada dia, parabéns
    por favor, Matias ou Filipe, mandem um abração para minha namorada, que amo tanto quanto esse podcast, o nome dela é Jullie Catherine

  • Pingback: Xadrez Verbal Podcast #240 – Colômbia, Europa e Pacífico – Tudo Podcast

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.