Xadrez Verbal Podcast #218 – Virada de 2019 para 2020

O podcast do Xadrez Verbal está de volta, com tudo da política internacional que você precisa saber e nem sabia que precisava! Depois de um programa em formato “plantão” semana passada, o programa de hoje é no formato habitual. Quer dizer, quase, já que são três giros de notícias, para cobrir tudo que aconteceu no mundo nos últimos trinta dias, desde o final de 2019 até hoje. Quer mais? Uma semana na História recheada, Economia com a professora Vivian Almeida, peões da semana e dicas culturais fecham mais um podcast do Xadrez Verbal!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Dicas do Sétimo Selo e links

Site da Editora Contexto

Filmografia de Federico Fellini

Série Jornada nas Estrelas

Documentário Prohibition

Nerdologia História A vida de Isaac Asimov e a robótica

Livros Fundação, de Isaac Asimov

Livro Silmarilion, de J. R. R. Tolkien

Filme Entre Facas e Segredos

Filme A Lavanderia

Fronteiras Invisíveis do Futebol #20 – África do Sul

Fronteiras Invisíveis do Futebol #63 – Uganda

Xadrez Verbal #126 – Rio Nilo, Oriente Médio e América Latina

Fronteiras Invisíveis do Futebol #7 – Nigéria

Matéria A guerra do Santos: 50 anos de uma viagem histórica – A guerra civil (parte III)

Coluna A morte de um dos fiadores do acordo com o Irã

Thread sobre a morte do Sultão de Omã

Reportagem India’s Left University Fights Back, por Subin Dennis

Coluna Vamos fazer exatamente o que Putin deseja

Coluna O reconhecimento cada vez menor de Taiwan

Música de Encerramento Creo, por Callejeros

Playlist das músicas de encerramento do Xadrez Verbal no Spotify

Canal do Xadrez Verbal no Telegram

Minutagem dos blocos, cortesia dos financiadores do Xadrez Verbal

  • 00:04:00 – Giro de Notícias #01
  • 00:27:30 – Coluna Aberta: Continente Africano
  • 01:10:55 – Efemérides: O Mês na História
  • 01:22:20 – Match: América Latina
  • 02:24:00 – Giro de Notícias #02
  • 02:49:50 – Xeque: Brexit e Europa
  • 03:31:40 – Gambito da Dama: Fórum Econômico Mundial 2020
  • 03:43:25 – Giro de Notícias #02
  • 04:05:25 – Peões da Semana
  • 04:06:55 – Sétimo Selo
  • 04:12:40 – Música de Encerramento

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.
Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

41 Comentários

  • Filipe e Matias,

    Simba em Swahili significa Leão. Para os curiosos, recomendo o primeiro episódio do Babel Podcast, que é sobre este idioma. Se não me engano, “Rafiki” é “Amigo” e por aí vai… O episódio deles é muito legal!

    Link: https://babelpodcast.com/2019/06/16/episodio-1-swahili-2/

    Abraços.

    • Aproveitando … sobre o clube de futebol homônimo … na verdade existem vários clubes na região suahili da África com esse nome (pelo mesmo motivo que existem vários clubes mundo afora que adotam temido Rei da Selva como mascote).

      O Simba Sports Club, da Tanzania, fundado em 1936 (citado por vocês), o Simba FC, de Uganda, fundado em 1968, além de um outro Simba FC, atualmente na segundona do Ruandão.

      • Uma correção – o Rally Dakar este ano foi realizado na Arábia Saudita – mais uma jogada dos sauditas para tentar sair do isolamento e falar que está “abrindo” o país.

  • Hola Mati e Filipe!

    Feliz año nuevo y muito sucesso para vocês!

    Sobre el Piraña (Piñera), se me permiten una manifestacion: SACO WEA QL CTM!

    Ese señor chamou seu primo Andres Chadwick, para liderar a proposta constitucional de Chile Vamos… que cara de raja!
    Es el presidente con el peor nivel de aprovação desde o retorno da democracia, increibles 6%!

    Saludos a todos!

    VAMOS WANDERITO!

  • Queria agradecer vocês por reforçar minha ideia de cursar história, aos conhecimentos adquiridos em forma de “entretenimento” e por me tranquilizar durante o dia 17 enquanto eu me tremia da cabeça aos pés esperando a nota do enem (nada como escutar sobre times egípcios que nunca ouvi falar jogando campeonatos aleatórios para se desconectar do mundo)

    um bj na bochecha dos dois

  • Eu tô RELINCHANDO com o Matias cantando funk!
    Fiquei muito interessado na história de Angola quando vocês falaram sobre a “Betina de Angola”, adoraria um Fronteiras sobre o assunto.
    Vou deixar o link do meu blog, se puderem dar uma força fico mais do que grato!

  • Adoro teu trabalho Felipe! Da uma passadinha no meu site quando der, há algumas coisas de certa relevância (ou não).

  • Diogo Maia de Carvalho

    O Silmarillion é o meu livro da vida. Sou apaixonado pela obra do Tolkien. Recomendo todos os livros dele, inclusive aqueles que não fazem parte do Legendarium, que é o conjunto de lendas e mitos do qual pertencem O Hobbit, Senhor dos Anéis e outros.

  • Ingrid Pontes da Costa

    Olá Filipe e Matias!! Acompanho o programa desde o nª 7, quando o Pirula o recomendou, vi os para trás e continuo acompanhando desde então! Nos meus 2 anos de casamento (13 anos de relacionamento) com meu digníssimo marido (homem lindo!) Bruno Leonídio, ele tornou-se o mais novo ouvinte do Xadrez Verbal, de tabela!

    Sempre quis comentar algo aqui mas nunca soube o que falar, mas acho que sei o que falar hoje (finalmente!!!): o aNIme que o Rei Leão copiou chama-se Kimba, o Leão Branco, conhecido no Japão como Imperador da Selva, escrito por Osamu Tezuka, em 1966, que é um grande e famoso escritor japonês que revolucionou a animação japonesa e fez diversos clássicos que conhecemos por aqui.

    E sou colega de trabalho do Ibsen, que mandou o doce para vocês e que vocês mencionaram no minuto 3.13. Trabalhamos lado a lado e, quando comecei na empresa (ele começou uma semana antes) e eu mencionei o Xadrez Verbal (eu falo de vocês para deus e o mundo – já até postei no meu LinkedIn), a gente faz competição de quem ouve o programa primeiro e, quando vocês falaram dele, mandei mensagem pra ele pelo Whatsapp na hora kkkk E sim, estou chateada por vcs não terem falado das contribuições dele para o programa e nem da esposa dele.

    Estou fazendo 30 anos no próximo dia 21/01. Rola mandar um abraço para mim? Sou fãzona de Cavaleiros do Zodíaco 🙂

    E eu ouço o NerdCast apenas quando Filipe aparece 🙂 Ele fica melhor com você!

    Sugestão: vocês poderiam fazer um compilado de todas as músicas de encerramento? Estou querendo rever algumas que eu não anotei e quero pesquisar mais sobre as bandas.

    Um imenso abraço e SIIIIMMM ESTAVA COM SAUDADES!! XADREZ VERBAL FOREEEEVEEERRR!!!

  • Sobre a fuga do ex CEO da Renault do Japão. A fábrica de instrumentos e equipamentos fonográficos já se pronunciou. Segue o link
    http://www.tenhomaisdiscosqueamigos.com/2020/01/17/apos-fuga-de-brasileiro-yamaha-pede-que-pessoas-nao-entrem-em-cases-de-instrumentos/

  • Só pra falar sobre o brexit, eu estava morando em Santa Catarina na época quando foi anunciado o Brexit, desde então, já morei em 4 cidades em 3 estados diferentes.
    Agora aqui em Brasília, assisto o final dessa novela.

    Britânicos são incriveis.

  • Buenas!

    Longe de mim querer ensinar pronúncia de italiano pra ninguém, mas baseado nas aulas de que todos tivemos com o Silvio Lancellotti nas manhãs de domingo dos anos 80 e 90 … a pronúncia de “Foggia” é semelhante àquela de “Ghiggia”, ou seja, algo como “Fódjia” (e não “Fóguia”) … mas entendo que isso possa despertar a 5a série em alguns ouvintes, então vá lá … rsrs.

  • Jaime Fassin Jr, biologo de Londres.

    Grande Matias e Filipe.

    Feliz 2020 com muitos podcasts.

    Quanto a situação da aplicação do estatos de residente de europeus morando no UK é muito facil. Existe um app do homeoffice (apple e android) onde a pessoa baixa e preenche online as informações pedidas. Tira as fotos dos documentos e faz o upload no proprio app. O.resultado vem por email. Ai vc emprime e pronto. Bem simples. Tanto para o pre settle.quanto.pra.settle state.

  • Eita, comeram essa bola mesmo? Dakar foi embora da América latino está correndo na Arábia Saudita.

  • Alexandre Gnipper Trevisan

    Eu pensava que o Rei Leão tinha sido inspirado em Hamlet. Há quem diga que depois de Shakespeare e Ibsen nossa civilização ocidental não criou nenhum história original.

  • Senti falta de falarem da morte do historiador Jean Delumeau.

  • Salve salve Matias e Filipe! Como filho de motorista de ônibus e um busólogo, venho esclarecer que é sim muito difícil de segurar um ônibus no braço. Mesmo hoje em dia, que temos direção assistida em diversos veículos, ainda é controlar um veículo com 17t em movimento o que torna a tarefa bem complicada. Nos idos das décadas de 80 e 90 era bem mais complicado segurar um veículo desses no braço, o que realmente conferia aos motoristas uma robustez braçal digna de crossfit. Meu pai, mesmo no auge de seus 1,67m, dispõe de uma força braçal muito grande devido aos mais de 30 anos dirigindo esses veículos. Queria aproveitar o comentário e testar se a crush ouve o Xadrez Verbal e mandar um beijo para a Ulli Cabral que é professora de história na rede pública de Belo Horizonte e perguntar para ela, quando será nosso próximo encontro? Diga que estou ansioso por tal evento e tentem, por favor, amolecer o coração da mesma! Lhes deixo os meus mais sinceros abraços e digo que fizeram muita falta nesses dias, mas aproveitei para ouvir muitos programas passados. Abraços!

  • A entrevista com a Isabel dos Santos não seria na RTP em vez de BBC ?

  • Pessoal.

    O Akon tem também um marca de frigoríficos onde produzem o Bakon.

    Abraços

  • Ótimo programa como sempre.

    Primeiramente, se austrália é um continente é questionável pelo que eu me lembre nossos livros didáticos brasileiros só consideram existir 6:

    Europa, Asia, America, Oceania (onde está a australia) Africa e Antardita!

    Segundo, um vide muito interessante sobre como os camelos foram usandos para tentar colonizar o Oeste Dos Estados Unidos:

  • Olá Phillippe e Matias,

    Meu nome é Leonardo, sou do Recife. Sou ouvinte do programa desde 2017 e sou programador.

    Fiz um programinha que compila todas as recomendações culturais de vocês e exibe em um site num formato fácil de usar. Essa página é atualizada semanalmente com as novas recomendações.

    Mantendo a temática do podcast, o site é o seguinte: enpassant.tk . (não coloquei como link porque o email de vocês filtra)

    Caso queiram ler o comentário, mandem também um abraço para minha amada conje Carol.

    Abraços e parabéns pelo conteúdo,
    Leonardo Brito.

    PS Estou mandando essa mesma mensagem por vários meios porque da outra vez vocês não viram!

  • Obrigada pelo elogio ao meu nome, agradeço quando qualquer um acerta de primeira. Duvido que a inspiração de meu amafo progenitor tenha vindo da moeda nigeriana, mas é um fato inútil interessante para jogar conversa fora hahaha espero que o desempenho da Naira africana se saia melhor nos próximos dias! De Nayra para Naira ✌

  • Olá Filipe e Matias!
    A Austrália tem uma longa história envolvendo plantas e animais invasores. Além dos camelos introduzidos para transporte, raposas e coelhos foram levados para que os britânicos pudessem se divertir caçando.
    O caso dos coelhos é dramático. Em 1859, um britânico chamado Thomas Austin soltou 12 casais de coelhos em sua propriedade e nas décadas seguintes eles se reproduziram loucamente chegando a MEIO BILHÃO, e devastaram a vegetação local. Os australianos tentaram contê-los de diversas formas além da caça. Construíram não uma, mas várias cercas ao longo do país, sem sucesso. E depois tentaram introduzir um vírus para dizimar os coelhos, o que inicialmente diminuiu bastante sua população mas em pouco tempo eles se recuperaram e se tornaram resistentes ao vírus, continuando a ser um problema para os australianos até os dias de hoje.

  • Filipe e Matias,

    Fiquei muito feliz com as referências à língua suaíle, já que estou estudando ela desde o ano passado. Quanto a essa língua, vale observar algumas coisas:

    Vocês citaram a língua como “kiswahili” e também como “swahili/suaíle”. Em português o nome seria suaíle, mas é comum que se escrava swahili (como é usado em inglês e alemão, por exemplo). Kiswahili é o nome da língua em suaíle. O prefixo ki- indica, entre outras coisas, idiomas. Outras línguas seguem o mesmo padrão: kireno é português, kiingereza é inglês, kijerumani é alemão etc. Esse padrão de prefixação é comum em línguas bantu. Por exemplo, a língua zulu é, em zulu, isiZulu. O mesmo vale em línguas da região Congo/Angola: kicongo é uma língua do povo bacongo; kimbundu é a língua dos ambundu etc.

    Muitos dos nomes do filme Rei Leão são palavras comuns em suaíle. “Simba” é o nome do animal leão. Por conta do colonialismo inglês e alemão, algumas palavras suaíle chegaram ao português, nem sempre com o significado original. Por exemplo, “safari” é “viagem”, sem qualquer referência específica a caçar ou ver animais selvagens.

    Abdias Nascimento em “O genocídio do negro brasileiro”, escrito, salvo engano, na década de 1970, defendia que suaíle e iorubá fossem também ensinados nas escolas brasileiras, como forma de conhecimento, reconhecimento e valorização da cultura afro-brasileira e fortalecimento das relações Brasil-África.

  • O Matias tava engasgado com muitas piadinhas de gosto duvidoso kkk.

  • …e agora acabei de descobrir que inclusive o Olodum tbm tinha gravado tal cançao antes de virar o hino sulafricano, em 1989, hehe 🙂

  • Olá Filipe e Matias!
    Dessa vez vou fazer um comentário como aluna linguista e não aluna cineasta do Filipe. Ucraniano e russo são realmente muito próximos do ponto de vista linguístico e léxico – claro que há algumas palavras que são diferentes, como “obrigado”, que é spasiba em russo e dyakuyu em ucraniano. O alfabeto tem as mesmas 33 letras nas duas línguas, só que há 4 letras que diferem entre as duas somente na grafia, a mais emblemática sendo o “i” (os ucranianos usam o nosso “i” enquanto que os russos usam o famoso N ao contrário, ou “И”). Mas na minha vivência de um mês dando aula na Ucrânia, eu diria que as duas línguas são mais próximas do que o nosso português e o português de Portugal. Nunca tive problemas em me comunicar lá com meu russo, e nunca fizeram cara feia quando eu agradeci em russo e não em ucraniano. É claro que tudo isso não serve nem de perto de desculpa para a mega gafe da juíza sem noção que vive na Guerra Fria ainda. Era só pra falar um pouco sobre a proximidade bem grande das duas línguas. E já que estamos falando de PI, há uma diferença na grafia de “Donbass”: em ucraniano a palavra é escrita com um “s” só (Донба́с) mas em russo, é escrita com dois “s” (Донба́сс). Mais um sinal de que o poder de Putin domina até a nossa grafia transliterada. 😉
    Beijos e obrigada pelo conhecimento infinito e piadas infames!

  • Sobre a efeméride do massacre dos índios americanos, tem um treco do filme “o último samurai” que mostra um pouco sobre isso.

    • Lucas Henrique de Melo Falcione

      Olá Filipe e Matias!
      Gostaria de parabenizá-los e agradecer pelo excelente programa que apresentam. Sou ouvinte desde o início de 2019 e com certeza foi a melhor indicação cultural do meu professor de atualidades Machado, abraço para o grande homem hahaha. Minha visão de mundo definitivamente mudou após virar ouvinte assíduo desse podcast, e agora é muito mais ampla, pautada em fatos e diversificada. Também gosto muito do Repertório, afinal, traz entrevistas que fogem do lugar comum.
      Gostaria de fazer apenas uma breve correção na fala do Filipe em relação às usinas nucleares vs. usinas a carvão na Alemanha. Não sei se foi um mero descuido, mas vale o comentário: ele disse que as nucleares poluem bem menos que as movidas à carvão, mas na realidade as nucleares não emitem qualquer tipo de gás poluente ou de efeito estufa como nas outras, e nesse aspecto poderia ser considerada uma fonte de energia 100% limpa. Porém em apenas dois pontos poderia ser taxada como prejudicial para o meio ambiente: há alguns quilos por ano, mas há, de lixo nuclear que não possui outro destino a não ser o armazenamento e também a poluição térmica, assim como é chamada, a elevação da temperatura das águas de rios, lagos ou oceanos utilizadas para o resfriamento da usina, e não, não tornam-se radioativas pois não entram em contato com o combustível nuclear.
      Novamente muito obrigado por esse excelente, e gratuito, trabalho que nos prestam com a melhor revista semanal de política internacional em formato podcastal desse país.

  • Lucca Piccirillo Duarte e Pimentel de Toledo

    Filipe e Matias., lembro de vocês todos os dias, pois trabalho tomando o Café Odebrecht, e logo me vem a mente o Filipe falando “Odebrechtquistão”.
    Agradeço também por um programa de alguns anos atrás, onde vocês mencionaram uma entrevista da Mirtha Legrand com o Macri, onde este passou vergonha pro não saber quanto era a aposentadoria.

  • Queridos Matias e Filipe, primeiramente gostaria de dizer que há mais de um ano me tornei um ouvinte e disseminador ávido do Xadrez Verbal, não perdendo se quer um programa (e confesso que me senti relativamente perdido no recente recesso de vocês).

    Sempre ouço as menções aos comentários de outros ouvintes, mas nunca me encontrei em uma posição de acrescentar a vocês ou aos ouvintes do podcast algo de útil.

    Estagnado na mesma posição, venho humildemente por meio desse pedir um par de ósculos e amplexos advindos dos dois, pois no próximo programa que sai dia 24 de janeiro será meu aniversário e eventualmente interromperei as comemorações para me munir um pouco de política internacional.

    Gostaria também de mandar um beijo para meu querido amigo Guilherme Cavalheiro, quem me apresentou o podcast, mas que eventualmente se afundou em conteúdos relacionados apenas ao mercado financeiro.

  • Sobre o rip-off da Disney: Kimba, o Leão Branco (no original japonês, Janguru Taitei, “Imperador da Selva”) foi criado por um dos grandes mestres do mangá e do anime Tesuka Osamu e conta a história de um filhote de leão branco chamado Kimba que perde o pai, o rei leão branco Panja, na África Oriental. A Disney pegou esse conceito e misturou com a trama de Hamlet para fazer O Rei Leão.
    Quando o desenho foi lançado, perguntaram à viúva do Tesuka se ela tomaria alguma ação legal e ela disse que não, pelo contrário, que com certeza seu marido ficaria honrado em saber que a Disney se inspirou em uma obra dele. E que ele, o próprio Tesuka, se inspirou muito nas obras antigas da Disney para desenvolver seu estilo e criar seus mangás, por isso não seria legítimo querer uma briga judicial acusando a Disney de plágio.

  • Olá Matias e Filipe!

    Como têm passado!?

    Sobre o caso de Angola, permitam-me fazer uma errata sobre algumas algumas informações:
    -José Eduardo dos Santos foi Presidente de Angola entre 1979-2017 e foi nosso segundo presidente, nosso primeiro presidente foi António Agostinho Neto (1975 – 1979), vale lembrar que todos os 3 Presidentes nesses quase 40 anos pertenciam e pertencem ao MPLA, partido no poder.

    P.S# Sou vosso fã da forma como comunicam e se preocupam com as notícias no mundo.

    Um abraço

  • Matias e Filipe

    Por favor, gravem podcasts com maior tempo de duração. Costumo ouvi-los enquanto faço os afazeres domésticos e aparentemente meu trabalho é enorme e o XV muito curto. Mesmo ouvindo aos poucos, sempre ouço tudo até segunda-feira e fico carente durante o restante da semana. Nem o Fronteiras tem dado conta da falta que sinto de vcs. Quem reclama do XV ser longo tá reclamando de barriga cheia.

    Por favor, mandem um abraço pro meu grande amigo Felipe Oliveira, reconhecido cosmólogo e caiçara mais lindo do Brasil.

    Forte abraço

  • Olá Filipe e Matias! Primeiramente, gostaria de agradecer a vocês pela qualidade da companhia, à qual tenho o prazer de ter desde setembro, quando, ao me mudar para a Alemanha, passei a acompanhar vocês regularmente, interessado em saber mais sobre o que (e por que) acontece neste mundão. Hoje acompanho também o Fronteiras, e já utilizo a frase (provavelmente não de minha autoria) “quem tem um bom podcast, não está sozinho nunca”.
    Faço mestrado em Engenharia Ambiental na Universidade de Stuttgart (cidade sede das montadoras Mercedes-Benz e Porsche, além de outras gigantes alemãs), e gostaria de contribuir com alguns comentários sobre a mudança na matriz energética alemã.
    1) A afirmação do Filipe de que “energia nuclear polui menos que carvão” é simplória (tenho certeza de que eles sabe disso) e pode confundir os ouvintes, por isso me atrevo a comentar. Em termos de poluição atmosférica, de fato uma usina nuclear é uma fonte desprezível, uma vez que se baseia na fissão do urânio enriquecido, e não em um processo de combustão, como acontece numa usina de carvão. Por outro lado, o resíduo nuclear gerado e acumulado diariamente é um passivo ambiental perigosíssimo à vida, cujo tratamento se limita apenas a varrer para baixo de um tapete de concreto.
    2) A Alemanha ainda possui grandes reservas de carvão, porém elas se encontram a uma grande profundidade do solo, tornando mais cara sua extração do que sua importação. Hoje o país importa carvão de diversos países, inclusive da América do Sul, sendo a Colômbia um dos principais exportadores.
    3) A Alemanha possuiu um sistema bastante organizado (jura?) de separação de resíduos sólidos (vulgo “lixo”), e todo lixo que não possa ser reciclado ou destinado à compostagem terá como destino incineração com cogeração de energia (!!!). Em meados da década de 2000 foi proibida a utilização de aterros sanitários para destinação de resíduos sólidos sem tratamento prévio. Hoje apenas as cinzas geradas na incineração terão os aterros como destino.
    4) Stuttgart é considerada a cidade com a pior qualidade de ar da Alemanha. Fatores geográficos (a cidade é um buraco rodeado por pequenas montanhas) e a alta atividade da cidade contribuem para os (relativos) maus índices. Hoje existe uma discussão acalorada na cidade em função da possível medida a ser tomada pelo governo local, que cogita proibir carros movidos a Diesel na cidade.
    5) O possível e provável cenário de uma Alemanha exportadora de tecnologia limpa para geração de energia, brilhantemente pontuada pelo Filipe, pode ser uma alternativa ao país para compensar uma possível perda de protagonismo no setor automobilístico para a China, que hoje está à frente no desenvolvimento de carros elétricos, estes que em pouco tempo serão a única frota permitida em diversos países da Europa.

    Um forte abraço!!

  • André L Barbosa (Sonecão)

    Sr.s Filipe e Mathias, tudo bem?

    Devido a algumas recomendações ao longo dos episódios de vosso podcast, a locadora do N vermelho entendeu meu gosto sobre seu arquivo e recentemente me recomendou este documentário em 4 episódios de 1 hora, chamado “Por dentro da Mossad”.

    Dei uma chance, já que se tratava de espionagem, história e oriente medio, o que pode dar errado nessa combinação.

    Achei bem interessante! São entrevistados ex-integrantes da Mossad de diferentes níveis de agentes de campo a ex-diretores isto é intercalado com imagens e fotos reais destes em disfarces em suas ações ao longo da carreira. Não sei se já recomendaram, mas se não digo que vale as 4 horas.

    E se lerem este comentário por favor mandem um beijo meu pra Nathalia(minha lindinha) o amor da minha vida e mãe dos meus 3 lindos filhos, para os meus 3 filhotes Pedro(7) Beatriz(5) e Lulu(4). Beijos pra vocês também!

    Grande abraço, continuem com o ótimo programa.

    André L. Barbosa , vulgo Soneca(ão) o @me_sonics.

    Aqui o link para facilitar a vida da moça que sempre nos ajuda, mas desculpa esqueci o nome! Sou péssimo com nomes!
    https://www.netflix.com/title/80244929

  • Olá Filipe e Matias
    Só não entendi a história do Jeffrey Epstein no programa. O “suicídio” dele foi em Agosto de 2019.
    Aliás, aproveito pra recomendar o Podcast The Mysterious Mr. Epstein, no qual eles contam da vida dele e todas as teorias de conspiração em torno da sua morte.
    Abraços.

  • Um abraço de Wellingto, NZ! 😀
    Ps: foi feriado e a cidade fica em festa durante 2 semanas.

  • Muito bom! Só quero saber se vocês assistiram a nova série da plataforma de streaming “ascensão : império otomano” e o que acharam. Parabéns pelo excelente trabalho!

Deixe uma resposta para Matheus Peres Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.