Xadrez Verbal Podcast #206 – Assembleia Geral da ONU, Peru e Equador

O antigo Império Inca está em crise! Primeiro, o presidente do Peru dissolve o parlamento do país, que não aceita e vota a suspensão do presidente. Ele podia fazer isso? Quais os motivos? Dias depois, o Equador declara emergência nacional por causa dos protestos contra o fim dos subsídios aos combustíveis, medida adotada como parte do acordo de Quito com o Fundo Monetário Internacional. Antes disso fomos ao Velho Continente, com eleições austríacas e mais Brexit. Recapitulamos os principais pontos dos discursos na Assembleia Geral da ONU nos últimos dias, com destaque ao pronunciamento do Paquistão sobre a Caxemira. Além disso tudo, nós giramos pelo mundo, a semana na História, Economia com a professora Vivian Almeida, peões da semana e dicas culturais fecham mais um podcast do Xadrez Verbal!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Dicas do Sétimo Selo e links

Site da Editora Contexto

Filme Ad Astra: Rumo às Estrelas

Filme Bacurau

Livro China versus Ocidente: o deslocamento do poder global no século XXI, de Ivan Tselichtchev

Livro A Revoada dos Galinhas Verdes, de Fúlvio Abramo

Coluna Coluna Mais uma etapa na corrida armamentista entre Washington e Pequim

Estudo Acute transient psychotic disorder precipitated by Brexit vote, de Mohammad Zia Ul Haq Katshu

Fronteiras Invisíveis do Futebol #87 – Commonwealth

Jornal El Comercio

Matéria Equador prende quase 370 pessoas em dois dias de protestos antiausteridade, por Alexandra Valencia

Comunicado das Forças Armadas Equatorianas sobre o transporte público

I Semana de Geopolítica Os Novos Rumos da Geopolítica Mundial, FFLCH, USP

Podcast Week São Paulo

Música Encerramento Amazing Grace, por Jessye Norman

Playlist das músicas de encerramento do Xadrez Verbal no Spotify

Canal do Xadrez Verbal no Telegram

Minutagem dos blocos, cortesia dos financiadores do Xadrez Verbal

  • 00:05:25 – Giro de Notícias #01
  • 00:22:20 – Coluna Aberta: Europa
  • 00:35:35 – Efemérides: A Semana na História
  • 00:41:10 – Match: 74ª AGNU
  • 01:37:10 – Xeque: América Latina
  • 02:27:45 – Gambito da Dama: Vieses ideológicos na Economia
  • 02:38:10 – Giro de Notícias #02
  • 02:55:35 – Os Peões da Semana
  • 02:57:10 – Sétimo Selo
  • 03:09:15 – Música de Encerramento

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.
Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

Anúncios

34 Comentários

  • A China tem campo de concentração e execução de quem pensa diferente, um boicote mundial é urgente, não dá para colocar interesses comerciais acima dos mais básicos direitos humano, além de ser pragmaticamente errado, uma visão de curtíssimo prazo, sem a ditadura do PCC a economia chinesa seria maior.

    • Não existe princípios morais no capitalismo além de obter lucro. Não importa se a China faz isso enquanto tiver dando lucro para as grandes. A única coisa q pode fazer mudar esse cenário é as populações locais exigirem das empresas e governos pararem de fazer comercio com a China, mas ai essas populações locais estão dispostas a pagar mais carro em um produto feito de forma ética ?

  • Eu posso quebrar a cara bancando o vidente, mas…
    Eu acho que essa onda de protestos causados pelas crises politicas no Peru e Equador vai se alastrar pela America Latina numa vibe meio Primavera Árabe.

  • O Matias disse que subsidiar combustível reduz o custo de vida. É preciso uma lição básica de economia, o dinheiro do estado para subsidiar qqr coisa bem do próprio povo.

    • Não se o sistema tributário do país em questão for bem progressivo (e eu não sei se é o caso do Equador). Aí o dinheiro do estado, em sua maioria, vem das classes mais ricas e dos grandes grupos financeiro que, com o perdão da palavra, acumulam capital para um cacete. Então o dinheiro do povão não é tão afetado.

  • Sou ouvinte novo, acredito que desde o episódio 180. Acho que perdi sobre 1 ano da morte do Khamal Khashoggi quando fui tomar um cafezinho na cozinha.

  • Agradeço pelo programa! Concordo com a estranheza da menção à Buda na fala do Modi, mas há algum fundamento histórico e religioso. O budismo surgiu no que hoje chamamos de Índia, mais ou menos no século VI a.C, mas, devido às invasões muçulmanas, praticamente desapareceu dessa localidade, estando virtualmente extinto por volta do século XII. Apesar de sobreviver com muita força em outras localidades devido a várias ondas de expansão (China, Japão, Sudeste asiático,Tibet, Mongólia, etc), parte do pouco que restou do budismo na “Índia” foi incorporado aos cultos hindus, onde a figura do buda histórico, Siddhartha Gautama, foi interpretada como um avatar do deus Vishnu. Ou seja, vertentes do hinduísmo, mais particularmente do culto de Vishnu, aceitam a mensagem e a importância do Buda.

    A história do budismo é muito interessante, e mereceria talvez um episódio muito estranho do Fronteiras. Um fato curioso é que a história de Dragon Ball é inspirada no livro Viagem ao Oeste, de Wu Chengen, que narra a peregrinação do monge chinês Xuanzang à Índia para buscar ensinamentos na Universidade de Nalanda, que foi destruída durante as invasões muçulmanas.

    Um abraço!

  • Gostaria de agradecer a vocês pelos podcasts, tanto o Xadrez Verbal quanto o Fronteiras Invisíveis do Futebol, maravilhindos! Fico 8 horas por dia dirigindo por estradas e vocês viraram meus melhores amigos na minha empreitada de geógrafo mapeador de rodovias.

    Somos companheiros de casa, não inquilinos, da grande rodoviária (de interior) da FFLCH.

    Um beijo na bochecha esquerda de vocês!

    PS: posso contrabandear, se vocês quiserem/gostarem, os melhores pés de moleque do universo diretamente de Piranguinho-MG, capital mundial do pé de moleque.

  • Muito bacana a cobertura dos discursos da Assembleia Geral!

    Pontuo apenas que quando ouço o nome do Imran Khan, em vez de pensar no Star Trek, eu só consigo pensar numa releitura paquistanesa de um resgate político-administrativo das hordas mongois.

    Grande abraço!

  • Filipe, só uma correção, o míssel chinês é hipersônico não ultrassonico. E estou falando diretamente de Yantai na China onde essa semana foi inteira de comemoração dos 70 anos, pena que não posso anexar fotos ao comentário. E também gostaria de dizer que consigo acessar o site do xadrez verbal sem usar o vpn, o que não sei se é bom ou ruim, poderia ser um badge of honor set bloqueado pelo regime chinês hahahaha

  • Sobre o Equador … concordo totalmente com a opinião do Filipe de que o mais lógico seria retirar o subsídio gradualmente. O que só reforça minha suspeita de que, o verdadeiro Cavalo de Tróia não é a declaração do Estado de Exceção, mas sim a própria retirada dos subsídios. Era óbvio que, feito desta maneira, levaria a revolta, e eventualmente justificaria o EE. O que precisamos ver agora é se isso realmente vai trazer outras ações, e se isso vai demonstrar as verdadeiras intenções por trás do corte abrupto dos subsídios.

    Outra coisa … não me aprofundei muito, mas se no Equador, com subsídios, a gasolina custava, até semana passada (em dólar), mais ou menos o mesmo que custa hoje no Brasil (onde a carga tributária sobre combustíveis, e consequentemente o preço para padrões internacionais, são considerados altos), tem alguma coisa estranha na conta, não??

    Enfim … um abraço …

  • Fiquei emocionado ouvindo Amazing Grace na voz da fabulosa Jessye Norman. Sem muito o que acrescentar, fantástico por si só.

    Mas gostaria de sugerir um vídeo, muito legal, e conhecido até, com Wintley Phipps explicando muito didaticamente um pouco sobre a origem desta música em particular, e dos Negro Spirituals em geral. Vale a pena … são só alguns minutos:

  • Olá, poderiam postar os títulos dos artigos citados pela Vivian na coluna dela?

    • Igor Coura de Mendonça

      Opa, também adoraria que fossem descritos os artigos principais citados pela professora Vivian!

      Eu tenho dificuldade de ouvir a professora Vivian, não porque o conteúdo dela é ruim (muito pleo contrário), mas porque o áudio dela tem uma qualidade baixa, e ela trata os assuntos com didática de sala de aula: essas duas coisas exigem muita atenção da minha parte: eu tenho TDAH e atenção é um trem complicado….

      O resultado é que infelizmente eu pulo as suas colunas.

      Se eu pudesse ter acesso ao menos aos artigos ou eventuais pesquisas que ela citar, seria fantástico!

      Até um feedback para ela: eu percebo que ela cita teorias e termos de economia que para quem é da area são fáceis de compreender, mas quem não é sofrem um bocado. Uma sugestão seria, sempre que ela citar um termo econômico importante (digamos, “capital humano”), ela abrir um rápido parênteses para sugerir aos interessados procurar por aquele termo na Internet, nos livros ou com amigos economistas.

      Por exemplo, se a coluna dela for sobre discriminação de gênero, ela falar algo como “discriminação de gênero é objeto de estudo na economia via capital humano, e vocês que se interessam podem procurar mais sobre isso no Google”. Algo assim.

      Eu sou administrador público, e economia é muito relevante, mas minha formação em economia é incompleta. As formas como a Professora Vivian abordam economia são muito bacanas! Estou perdendo uma oportunidade aqui.

  • Igor Coura de Mendonça

    Políticas de subsídio ao combustível parecem uma boa ideia, mas são um veneno nas finanças públicas. Como o governo custeia parcela do preço de uma commodity, ele fica vulnerável à volatilidade dela: lembra muito a analogia que o Filipe sempre faz de “ganhar em Reais mas comer em dólares”. Nesse caso é algo como governo “arrecadando em reais mas gastando em dólares”.

    E a ideia parece à primeira vista promotora de igualdade, já que pessoas pobres também recebem o benefício no transporte público, na redução dos custos de itens consumidos e etc. Mas energia é única bem que quem produz muito é que utiliza mais: quem ganha mais com o subsídio são os grandes empresários e produtores.

    Então o FMI exige o fim do subsídio do petróleo de seus credores por esses dois motivos: é uma prática regressiva de gasto público (beneficia mais ricos que pobres) e é um gasto muito volátil (pra quem empresta e espera receber o pagamento no longo prazo tem que se preocupar com o Estado devedor não aumente seus gastos de maneira tão instável).

    Um Estado que subsidia petróleo deveria parar de fazê-lo sim. Isso é positivo e razoável.

    Agora: numa canetada zerar o subsídio é de uma insanidade que beira a surrealidade!!! Eu me pergunto inclusive se isso não tenha sido proposital! OU alguém forçou a presidência, ou a presidência quer causar essa onda de protesto. Porque se não tiver sido por chantagem, terá sido por burrice.

    Anuncia-se o fim do subsídio. Coloca-se um prazo e um programa de redução gradual, faz-se referendo, reduz-se o subsídio via projeto de lei… Alguma coisa além de contrato do FMI seguido de fim do subsídio. Que loucura!

  • Igor Coura de Mendonça

    Opa, também adoraria!

    Eu tenho dificuldade de ouvir a professora Vivian, não porque o conteúdo dela é ruim (muito pleo contrário), mas porque o áudio dela tem uma qualidade baixa, e ela trata os assuntos com didática de sala de aula: essas duas coisas exigem muita atenção da minha parte: eu tenho TDAH e atenção é um trem complicado….

    O resultado é que infelizmente eu pulo as suas colunas.

    Se eu pudesse ter acesso ao menos aos artigos ou eventuais pesquisas que ela citar, seria fantástico!

    Até um feedback para ela: eu percebo que ela cita teorias e termos de economia que para quem é da area são fáceis de compreender, mas quem não é sofrem um bocado. Uma sugestão seria, sempre que ela citar um termo econômico importante (digamos, “capital humano”), ela abrir um rápido parênteses para sugerir aos interessados procurar por aquele termo na Internet, nos livros ou com amigos economistas.

    Por exemplo, se a coluna dela for sobre discriminação de gênero, ela falar algo como “discriminação de gênero é objeto de estudo na economia via capital humano, e vocês que se interessam podem procurar mais sobre isso no Google”. Algo assim.

    Eu sou administrador público, e economia é muito relevante, mas minha formação em economia é incompleta. As formas como a Professora Vivian abordam economia são muito bacanas! Estou perdendo uma oportunidade aqui.

  • LUCAS DE ARAUJO LIMA TIMO RODRIGUES

    Caros Matias e Filipe, mais uma vez obrigado por manter esse excelente podcast, sou grande fã mas hoje vim cornetar.

    Senti falta de menção aos méritos alcançados pela atleta Allyson Felix no último mundial de atletismo. Quando soube dos fatos tive certeza que ela receberia o valoroso título de Peão (Peã?) Promovida desta semana. Por ser mais um evento de repercussão internacional que une um recorde mundial no esporte, política e direitos das mulheres achei que merecia uma menção no programa.

    E já que vim aqui encher o saco de vocês resolvi virar padrinho do programa.

    Abraço

  • Bom crepúsculo Filipe e Matias!

    Sou Pedro, geólogo e moro em Portugal faz 2 anos, mais ou menos o mesmo período em que sou ouvinte do Xadrez Verbal. Gostaria de parabenizar pelo excelente programa. Escuto enquanto corro nos treinos para a Maratona.

    Conforme disse, moro em Portugal faz 2 anos e desde então estava separado de minha cônje. Ultimamente ela veio morar aqui em Portugal, o que me deixou feliz, e passou a ouvir o Xadrez Verbal, o que me deixou um pouquinho mais feliz também. Acontece que ela ouviu o programa #205, em que não houve a coluna da Prof Vivian e de nenhuma outra mulher. A cônje, grande defensora da igualdade de gêneros, reclamou falando que o programa tinham vários entrevistados, sendo que todos eram homens e que não tinha nenhuma mina. Comentei que há a coluna da Prof Vivian, mas ela não quis saber. Como sou homem nunca tinha reparado nisso, inclusive vocês sempre pensam em colocar mulheres no programa, mas nesse específico não havia e eu fiz cara de presidente do Flamengo enquanto anunciava o senhor Waldemar como próximo treinador.

    Ia pedir um beijo para a cônje, Julia Vasques (que falou que vai ouvir outro programa) e um puxãozinho de orelha para ter mais minas no rolê.

    Grande abraço para vocês, continuem com o ótimo trabalho.

  • Resta saber se o tweet “impeach this” do trump foi com gráficos dos votos populares ou do colégio eleitoral, porque vale lembrar que ele perdeu no voto popular…

  • Leonardo dos Santos Costa

    Olá senhores! Uma pergunta meio off topic. Qual é o nome daquele filme, que o Filipe recomendou há um ano atrás, sobre um soldado (talvez dinamarquês) que, durante a Segunda Guerra, tem que entregar um documento sigiloso aos seus superiores enquanto é caçado pelo exército alemão e ajudado pelos moradores locais?

  • Haha um podcast de GEOpolítica e o contador de histórias quer zoar com a GEOgrafia. A Terra é nossa, ou seja, os inquilinos são vocês =P A propósito, gostaria de saber se vocês tem uma pesquisa sobre o público que ouve, gostaria saber se os outros ouvintes são mais ou menos do meu perfil ou se são tudo caviar…

  • Gostaria de agradecer aos sois hosts da melhor revista semanal de politica podcastal. E que após mais de 18 meses escutando o XadrezVerbal e influencia pelo mestrado e doutorada de minha esposa. Resolvi fazer ENEM novamente, após 15 anos de formado em Bacharelado em Administração, para cursar História! Acredito que é uma carreira que muito necessária nesta ultima era. Muito Grato novamente! e um beijo no osso pisiforme!

  • Importante lembrança da Batalha da Praça da Sé. Só faltou falar mais especificamente da Juventude do PCB – Na época chamada JC (Juventude Comunista), que impulsionava a ANL, e teve papel importantíssimo na resistência aos germes do fascismo no Brasil, principalmente entre os jovens trabalhadores e estudantes.

    Um abraço.

  • Walyson Velasco de Azevedo

    Prezados Matias e Filipe

    Chamo-me Walyson, brasiliense de nascença (sim, somos poucos mas existimos!) e me tornei assíduo ouvinte do Xadrez na edição #184 Sri Lanka. O motivo de escrever-vos é bem simples: na manhã deste último sábado, como dita o atual costume, estava ouvindo o podcast enquanto me atarefava em casa. Ainda durante a abertura do programa, o sr. Filipe mete o louco em resposta ao ouvinte Tiago Resende e diz que não aceita ser chamado de (esquerda) pós-moderno. Eis que surge a dificuldade: Miruna, minha companheira e esposa, num momento de indignação, exige de mim uma justificativa de “porque ser pós-moderno é algo ruim”. Como um pequeno contexto, a mulher é braba: romeno-alemã, acabou de entregar o doutorado na área de cultura, onde ela flerta bastante com literatura, fala sete idiomas (fluentemente), sendo quatro deles línguas maternas além de ser pintora e escritora nas horas vagas. Não sabendo a resposta eu mesmo, resolvi apelar para a fonte e agora todos queremos saber: porque ser pós-moderno é ruim?
    Ademais, abraço a todos os brasileiros em Giessen, na Alemanha. Em especial ao Gabriel Quaresma que eu sei que escuta o Xadrez também!

  • Sobre o Modi falar de Buddha:

    Buddha tambem esta presente no hinduismo, e e bem importante, alias, e o nono avatar de Visnu (Vishnu), o Mantenedor, vindo depois de Krisna (Krishna) e antes de Kalki. Kalki ainda esta por vir (no fim dos tempos), logo Buddha foi o ultimo que veio ate hoje. Esse Buddha e o primeiro de nossa era para o Budismo, o Shakyamuni Buddha, que se chamava Siddhartha Gautama. No entanto precisamos lembrar que “hinduismo” e uma construcao do seculo XIX (dependendo da interpretacao; no caso, falo do nome que os ingleses deram a um conjunto de tradicoes nativas); existe uma serie de praticas e crencas que compoe ramos dessa grande arvore que e o hinduismo. Inclusive, vale lembrar que hoje surgem grupos religiosos a torto e a direito, com suas proprias especificidades. Por exemplo, os movimentos (no plural) de nacionalismo hindu sao um exemplo de grupos que resignificam religiosidades nativas, misturam com ideas ocidentais e criam essas novas vertentes de movimentos morais, que as vezes se tornam religioes e as vezes se tornam apenas uma vertente ideologica de um coletivo. Dessa forma, rapidamente notamos que nao ha apenas uma visao ou sentimento a respeito de Buddha por parte da populacao hindu na India.

  • Saudações!

    Filipe, peço desculpas antecipadas por ser um estudante do Ensino Médio. Evito fazer algumas objeções na seção de comentários justamente por saber que sempre há pessoas mais especializadas em suas respectivas áreas do que eu. Porém, acredito que o que eu vou perguntar não vá ser de interesse de ninguém, porque é levemente irrelevante. Já pontuou aqui que sou fã do seu programa e ouvi todos os episódios.

    Pois bem, por ser mais uma curiosidade do que propriamente uma pergunta, vou ser sucinto. Tenho o hobby de ler sobre Psicanálise no meu tempo livre (Freud, Jung, Lacan), e notei que houve um lapso verbal da palavra “Coréia do Norte” por “China”. Ao fazer uma análise do caso, interpretei-o da seguinte maneira: vossa senhoria acredita que o desenvolvimento bélico da Coréia do Norte tem um apoio chinês (quase total, chuto), e que a Coréia do Norte é de alguma forma subalterna à China. E aí, acertei?

    Obs: Usted já deve ter dito isso em algum dos 200+ podcasts (do Fronteiras e do Xadrez) e eu não recordei.

    No mais, um abraço pra você e pro Mathias.

  • Olá Filipe e Matias! Sou (Edvanderson) professor de Geografia do IFC Araquari, e junto com outro docente, Daniel Freitas, realizamos anualmente aqui a Assembleia Geral das Nações Unidas. Caso tenha curiosidade, segue o cronograma e metodologia que realizamos enviarei no twitter o link https://drive.google.com/file/d/1Ffc70Re_DvyXfP9vQclNS_dYasFL_poY/view.

    O evento é um sucesso. Os alunos se empolgam e entram no clima dos países representados, aumentando o interesse dos mesmos pela geopolítica e a política internacional. Claro que adaptamos pedagogicamente, assim inserimos apresentações culturais e desafio gastronômico. Enfim, vale citar a grande contribuição do canal. Eu o Daniel somos ouvintes fiéis e só temos agradecer os dois últimos programas. Enviamos aos alunos os trechos que vocês comentaram da AGNU. Você poderia indicar também portais da internet que realizam a análise de todos (ou ao menos da maioria) dos discursos? Pode ser inglês…

    Continuem o bom trabalho! Se quiserem depois enviamos fotos do evento! Veja as fotos do ano passado: Digitem no google “simulado onu ifc araquari”.

  • Meu comentário, de que eu fiquei surpreso com a aparência do Matias, era pra ser um elogio kkkj é nois Matias. E também queria falar que eu achei um canal muito foda, e queria compartilhar aqui : Le Monde Diplomatique Brasil.
    O xadrez Verbal TB é incrível

  • Abraço a todos do Xadrez Verbal novamente!
    O Matias, ao falar do jogo Dudelange x Qarabag pela Liga Europa, disse que a bandeira que entrou em campo carregada pelo drone foi a da Armênia. Na verdade, foi a bandeira da República de Artsaque, que é o nome da república de facto de Nagorno – Karabakh (não reconhecida por ninguém da ONU).

    E pro Qarabag essa manifestação deve ter sido ainda mais dolorosa, pois o time é originalmente de Agdam, cidade dentro de agorno – Karabakh, que devido à guerra teve de se mudar para Baku.

  • Bom dia pessoal. Como vi acima, desde o ensino médio participei em minha escola de simulação das Nações Unidas. E eu só queria ter conhecido o podcast a tempo, como teria sido maravilhoso aproveitar essa quantidade de informação boa nos comitês. Recomendo a todos que puderem a participar, a experiência é demais. De todos os eventos que participei sai com a certeza de que faria RI, mas acabei seguindo a Economia (OMC era sempre meu comitê favorito haha).
    Outro ponto, é incrível como a questão equatoriana está sendo desinformada aqui no Brasil. Agradeço a vocês pela clareza na explicação da situação. Graças ao podcast tenho me tornado muito mais crítico em relação a notícias de política internacional. Obrigado Filipe e Mat e forte abraço!

  • Só uma observação: o Filipe se referiu ao preço do combustível no Equador falando “litro”, porém lá é vendido por “galão” (3,78 litros). Então, com o aumento de mais de 100%, U$2,30 e U$2,40 seriam os preços do GALÃO de diesel e gasolina. “Seriam”, porque no momento que escrevo aqui, me parece que já foi revogado o aumento.

  • Alguém tem o link do debate entre o ex-ministro e o professor sobre a questão do congresso? Não achei

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.