Fronteiras Invisíveis do Futebol #52 – Austrália

O continente australiano recentemente lembrou dos 220 anos do início da colonização britânica, feita inicialmente com colônias penais. Vamos ver essa História, a descoberta do ouro e a autonomia do país, marcado por uma política de racismo institucionalizado.
Também conhecemos os diversos campos, incluindo a variante local de futebol e a importância do esporte para as comunidades de imigrantes. De fato, a Austrália é um dos poucos países que chama o futebol como conhecemos de “soccer”. Fechamos o programa com a independência, no século XX, e o papel das guerras mundiais na formação do país. Que, em breve, talvez seja uma república!

Referências no programa

Filme Mad Max

Documentário November 16

Música Down Under, do Men At Work

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa.

Assine um dos feeds do Fronteiras Invisíveis do Futebol e não perca nenhum programa: feed RSS, feed do iTunes e feed Player.FM, feed Deezer e feed Pocketcast

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, confira o restante da programação aqui.


assinatura

Filipe Figueiredo, é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.


Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.


Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.


Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

botãocursos

6 Comentários

  • Como sempre, um excelente programa. Parabéns pelo alto grau de qualidade da publicação.

    Acredito que vale acrescentar uma breve passagem histórica sobre a relação da política do White Australia com os jogos olímpicos e com o movimento pelos direitos humanos.
    Na famosíssima fotografia em que os atletas estadunidenses Tommie Smith e John Carlos aparecem erguendo os punhos em riste durante a cerimônia de entrega de medalhas da prova dos 200 metros rasos nas olimpíadas de 1968, o atleta australiano Peter Norman pode ser visto ocupando seu posto no segundo lugar no pódio enquanto ostenta a insígnia do “Olympic Project for Human Rights” junto ao peito. Inclusive, foi de Norman a sugestão para que os atletas afro-estadunidenses dividissem o par de luvas durante a execução do hino nacional.
    No entanto, apesar do gesto bonito, segundo a matéria da rede CNN “The third man: The forgotten Black Power hero”, ao retornar à Austrália, o atleta passaria a “ser tratado como um pária”. Embora jamais tenha sofrido sanções oficiais, sua permanência no pódio durante o protesto de seus companheiros levaria ao fim da carreira profissional de Norman após os Jogos Olímpicos do México. Apesar de ter alcançado o índice olímpico, o corredor não foi selecionado para a equipe australiana de atletismo para os jogos de 1972 e, mesmo 30 anos depois, em 2002, ele não esteve entre as personalidades que receberam a honraria de carregar a tocha durante os jogos de 2002 em Sydney.
    De fato, o governo australiano só se posicionou oficialmente sobre caso em 2012, com um pedido formal de desculpas e uma mensagem de reconhecimento de seus esforços em prol da luta pelos direitos humanos que diz: “(o parlamento australiano) pede desculpas a Peter Norman pelo tratamento recebido por este após seu retorno à Austrália e pela falha em reconhecer por completo seu papel inspirador antes de seu infeliz falecimento em 2006.”
    Sobre o ostracismo de Norman em sua terra natal, John Carlos declararia anos mais tarde: “Enquanto nós estávamos sendo massacrados, Peter teve de enfrentar um país inteiro e sofreu sozinho.”

    E pra completar, uma pequena barrigada: ao contrário do que a maioria das pessoas acredita, Mel Gibson não é Australiano, mas novaiorquino. O ator/diretor é nascido na pequena cidade de Peekskill, NY e sua família só se mudou para Sydney quando este já tinha 12 anos.

  • Olá Filipe e Matias! Parabéns por mais um ótimo programa, com a escolha mais acertada da musica de encerramento.

    Já que foi citado Nauru, ela faz parte de uma das mais recentes controvérsias envolvendo a Austrália. Lá em Nauru funciona um centro de detenção para onde a Austrália manda imigrantes que chegam em barcos ilegais e solicitam asilo, já que a politica migratória ainda é bem dura. O The Guardian publicou documentos que mostravam abusos contra eles, inclusive sexuais, e já houve uma rebelião em 2013 que danificou seriamente o local.

    Por que Nauru aceita este empreendimento? O país depende fortemente da Austrália, muitos nauruanos enviam divisas para lá e há um acordo de, se a ilha afundar devido à mudanças climáticas, a população de Nauru possa se mudar para a Austrália.

    Ps: havia outros centros de detenção em outras ilhas, como Christmas, Cocos e até na Papua Nova Guiné

  • Mariana Sena - PE

    Oi, gente!
    Ótimo episódio como sempre!
    Queria sugerir um fronteiras sobre o Iraque, principalmente abordando a época que a seleção estava sob o domínio do Uday Hussein.
    Abração

  • Fala galera, show de bola o episódio!

    Um detalhe que faltou, uma outra lenda do futebol Brasileiro jogou no futebol Australiano!
    Entre 2008–2009 jogou no Perth Glory o nosso glorioso Amaral, isso, ele mesmo, o “volantão” de farol baixo. Na época eu estava na Aussieland, e lembro que a imprensa fez algumas matérias sobre ele. Um abraco!

  • Espetacular programa. Apenas mudaria a música de encerramento. Apesar de Men at work ser ótimo, acho que a banda australiana mais adequada para a temática discutida no programa seria Midnight Oil, que se celebrizou pelo ativismo social e ambiental. A música “Dead Heart” seria adequada.

  • Olá.
    Sou professor de História (dois anos sem exercer a profissão).
    Vejam só.
    Estava escutando o Xadrez Verbal Especial Coronavírus #06, o que faz um estudo de caso sobre a Bélgica. E comentaram sobre o Congo e o Fronteira Invisíveis do Futebol #25.
    Pesquisando encontrei esse Fronteiras aqui que fala da Austrália, e moro em Sydney faz 2 anos e resolvi tecer uns comentários sobre esse Podcast.
    Antes gostaria de falar que encontrei o Xadrez Verbal depois que o Átila Iamarino comentou sobre vocês no YouTube. E continuo escutando diversos Podcasts do Xadrez Verbal pois entendo que aqui encontro um trabalho honesto.
    Finalmente sobre esse Podcast. Muito bom. Parabéns. Aprendi muita coisa que não conhecia sobre a parte política da Australia. Principalmente sobre as relações exteriores e a colônia.
    Realmente aqui tem vários animais bizarros (e nem estou falando dos marsupiais e do ornitorrinco). Porém em áreas urbanas não existem bichos peçonhentos não. Isso encontra mais na área rural, fora de centros urbanos.
    Aliás, aqui é realmente um puro deserto, muito seco e frio – O ar aqui vem gelado da antártica. Só mais para a região sudeste e a Tasmânia que encontramos mais “verde”.
    Lembrando do restaurante famoso (que serve gastronomia Mexicana/Texana), aqui não existe muito a comida típica australiana. Aqui a gastronomia oriental é muito presente. Aliás, os chineses estão aqui desde o princípio juntos dos ingleses. Tem monumentos em agradecimento aos chineses aqui relembrando de fatos históricos onde o povo chinês foi importante no desenvolvimento e crescimento da região.
    Quando comentado sobre a rivalidade entre clubes do leste e oeste de sydney isso se deve muito aos imigrantes. Aqui em Sydney pode-se dizer que os australianos moram nos chamados eastern suburbs e em north sydney.
    Nos subúrbios do oeste encontramos muitos indianos e árabes. Essa separação é muito clara. Com certeza a rivalidade está aí. Agora a violência, infelizmente é algo que ainda se entende ser lugar comum no futebol (dentro e fora de campo). Coisa que não se vê no Cricket.
    Sobre esportes que só encontramos aqui, tem a bizarrice chamado netball ( https://netball.com.au/ https://pt.wikipedia.org/wiki/Netball ). Um basquete com a cesta sem tabela e sem poder andar com a bola. Só vendo para acreditar.
    Para finalizar gostaria de comentar sobre o exército. Primeiro que a troca com os EUA se faz presente nas ações de guerra em que os americanos estão envolvidos, certamente também a Austrália estará lá. Realmente aqui muita coisa nos faz relembrar dos ANZACs. Não apenas o ANZAC day (que foi no último sábado), ou a ponte ANZAC, ou Avenida ANZAC, ou os monumentos.
    Algo engraçado, já que é muito raro ver o exército pelas ruas aqui.
    Na verdade o exército apareceu nas ruas aqui recentemente, graças ao coronavírus. Uma das ações de lockdown foi que os australianos que voltaram de overseas tem que ficar 4 semanas em hotel quando chegaram antes de ir para casa. A segurança é realizada pela polícia e o exército.
    Enfim, sobre como estamos lidando com o corona recomendo acessar esse link que é atualizado diariamente:
    https://www.health.gov.au/news/health-alerts/novel-coronavirus-2019-ncov-health-alert/coronavirus-covid-19-current-situation-and-case-numbers
    esse também tem um gráfico bem interessante:
    https://www.health.gov.au/resources/publications/coronavirus-covid-19-at-a-glance
    Bem, parabéns mais uma vez pela série Fronteiras Invisíveis do Futebol.
    Até o próximo comentário.
    Obrigado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.