Xadrez Dominical (21) – Domingo de Lembrança

Caros leitores e amigos, em homenagem aos fiéis leitores e seguidores, estou fazendo uma pequena promoção na página do blog no Facebook; caso você tenha participado, é muito importante que veja este link no Facebook.

Caros leitores,

Hoje, nos países da Comunidade das Nações (muitas vezes conhecida pelo termo em inglês, Commomwealth), se celebra o Domingo de Lembrança. É uma data rotativa, que ocorre no domingo mais próximo do dia 11 de Novembro, dia do armistício que encerrou as hostilidades na Primeira Guerra Mundial. A data é muito importante no Reino Unido, já que a Primeira Guerra Mundial foi a primeira vez que as ilhas britânicas estiveram ameaçadas em séculos, além do imenso número de mortos, mais de um milhão, somando todos os países da Comunidade. Por isso, o tema de hoje é focado em filmes, documentários, livros e música sobre a Commonwealth e a Primeira Guerra Mundial. O símbolo da data, uma papoula vermelha, é usado em lapelas, exibido em praça pública e em diversos tipos de eventos, que seguem algumas tradições como, por exemplo, dois minutos de silêncio. Você pode ver algumas fotos da celebração do dia no futebol inglês, certamente o evento mais popular do país, aqui neste link.

sundayPrimeiro, documentários. Para um panorama geral do conflito, não posso recomendar o suficiente a série The Great War and the Shaping of the 20th Century, que conta com Judi Dench na narração, Liam Neeson, Ralph Fiennes, Jeremy Irons entre outros grandes nomes. São oito episódios de cerca de uma hora cada. Assistam, e tem legendas em português na net; caso prefiram, este canal tem todos os episódios no Youtube, em inglês. Já sobre o foco principal do post, uma das batalhas mais sangrentas da Primeira Guerra Mundial foi a Batalha de Galípoli, lutada na Turquia, e sua data é, hoje, o dia dos veteranos na Austrália, já que a maioria das tropas envolvidas eram da Oceania, os Anzacs. Um documentário turco, de 2005 (que eu achei quando pesquisava o Xadrez Dominical sobre a Turquia), batizado simplesmente de Gallipoli, é muito bom, contando tanto a perspectiva britânica quanto a turca. Infelizmente, no caso, achei apenas em inglês.

Agora, livros. O motivo da papoula vermelha ser usada como símbolo do dia é a sua presença no poema In Flanders fields, escrito pelo militar canadense John McCrae durante a batalha de Ypres, em 1915; você pode ler a versão traduzida aqui. Outra fonte literária sobre a guerra em uma perspectiva inglesa é o livro Cavalo de Guerra, editado no Brasil pela Martins Fontes, que inspirou recente filme de Steven Spielberg. Livros que não sejam literários? Recomendo, para um panorama geral dos eventos que levaram ao conflito, Sleepwalkers, de Christopher Clark, e o “manual” Primeira Guerra Mundial, editado em português pela Nova Fronteira, em capa dura e um “livrão”.

livrãoFilmes. Temos o citado Cavalo de Guerra, dirigido por Spielberg e indicado a seis Oscars. Sobre a citada Batalha de Gallipoli, recomendo o filme australiano de mesmo nome, dirigido por Peter Weir e estrelado por um jovem Mel Gibson. O clássico épico Lawrence da Árabia, vencedor de sete Oscars, sobre a vida de T. E. Lawrence, oficial britânico que luta no Oriente Médio e tenta organizar os povos locais em um levante árabe contra o Império Turco-Otomano (se você nunca viu esse filme, assista). Passchendaele, um filme canadense de 2008 sobre as tropas canadenses na batalha de mesmo nome, também chamada de Terceira Batalha de Ypres.

gallipoliE, finalmente, meu favorito, Feliz Natal, produção multinacional que conta a história de um soldado alemão, um soldado escocês e um soldado francês no Natal de 1914, quando os soldados fazem uma trégua não oficial, em desobediência às ordens superiores; existem provas, inclusive, de um jogo de futebol entre alemães e britânicos, disputado na Terra de Ninguém, a área entre as trincheiras inimigas. Foi indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Música. No man’s land (Green fields of france), de Eric Bogle, talvez seja a mais conhecida na folk music, regravada por dezenas de artistas. Bogle compôs a música enquanto visitava cemitérios militares e viu a quantidade de jovens enterrados ali; é claro que a música tem um clima “anti guerra” com essa inspiração. 1916, da banda britânica Motörhead, é uma balada triste, sobre a história de um tommy (apelido dos soldados ingleses) de 16 anos que foi à guerra.

Finalmente, resgato a batalha de Paaschendale, tema e título de música do Iron Maiden, longa, com muitos detalhes, diferentes tempos, que conta também a história dos mortos britânicos. Recomendo acompanhar tanto 1916 quanto Paaschendale com as letras.

Gostou? Não gostou? Tem mais dicas? Comente!

*****

Acompanhe o blog no Facebook e no Twitter e receba notificações de novos textos e posts, além de outra plataforma de interação, ou assine o blog com seu email, na barra à direita da página inicial.

Anúncios

3 Comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s