Xadrez Dominical (20) – Turquia

Caros leitores e amigos, em homenagem aos fiéis leitores e seguidores, estou fazendo uma pequena promoção na página do blog no Facebook, caso queira participar, veja aqui.

Caros leitores e amigos,

O tema do Xadrez Dominical de hoje, motivado por este post da semana, é Turquia. O corte cronológico é a data da fundação da República da Turquia, em 1923, então, aspectos, por exemplo, do império turco-otomano ou da Primeira Guerra Mundial estão fora.

Filmes. O cinema turco ainda está engatinhando, ao menos em divulgação. Exemplo disso é que nenhuma produção exclusivamente turca sequer competiu pelo Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Recomendo três filmes. O primeiro é Do Outro Lado, que foi laureado no Festival de Cannes de 2007. O filme é um ótimo exemplo da essência do cinema turco contemporâneo: produções em parcerias turco-alemãs que tratam da grande comunidade de turcos e seus descendentes que moram na Alemanha. Tema parecido com o de A Viagem da Esperança, uma produção suíça sobre turcos que desejam migrar para o país em busca de melhores condições; o filme ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1990 (como produção suíça). Finalmente, o meu preferido dos três, o que eu mais recomendo: Era uma Vez na Anatólia é um filme exclusivamente turco, que mistura drama com suspense. Dos três, é sem dúvida o filme mais “comercial”, embora sem perder qualidade.

Ainda no tema da comunidade turca na Alemanha, um documentário que fala sobre isso é Based Down South; infelizmente, não encontrei legendas em português para ele, que conta a história de jovens turcos que cresceram na Alemanha, mas vão para Istambul e se sentem um tanto deslocados. Outro aspecto importante da sociedade turca, além desse intercâmbio com a comunidade que vive na Alemanha, é, sem dúvida, o futebol. Seus clubes são quase organizações políticas e suas torcidas tem imenso peso no cenário local. Exemplo disso é o clube Besiktas, que é, em seu estatuto, tricolor: preto, branco e vermelho; no entanto, o clube só voltará a usar o vermelho quando os territórios perdidos pelo império otomano forem recuperados, em uma demonstração das raízes nacionalistas do clube. Outro exemplo é o vindouro documentário Istambul United, que aborda os protestos locais de 2013 e como a dimensão que tais protestos tomaram se deve à inédita união das grandes torcidas da cidade. Caso queira entender o cenário local e como isso afeta a sociedade turca, recomendo o episódio da série The Real Football Factories International, com legendas em português.

Musicalmente, peço desculpas, por não ter muito para indicar, e peço que, caso conheça, comente aí embaixo. Literatura. É impossível não citar Orhan Pamuk, vencedor do Nobel de Literatura em 2006, único Nobel do país, autor de Meu Nome é Vermelho, Museu da Inocência e o livro que rendeu seu Nobel, Neve.

Orhan Pamuk_museu

Gostou? Não gostou? Tem mais dicas? Comente!

*****

Acompanhe o blog no Facebook e no Twitter e receba notificações de novos textos e posts, além de outra plataforma de interação, ou assine o blog com seu email, na barra à direita da página inicial.

Anúncios

One comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s