Xadrez Verbal Podcast #302 – Oriente Médio, Ucrânia e Pacífico

Temos um acordo para a exportação de grãos ucranianos pelo Mar Negro! Também passamos pela crise política italiana e outras notícias da Europa, assim como as últimas notícias da guerra. Damos uma volta pelo Pacífico, com as últimas dos EUA, e também passamos pelo Oriente Médio, com a visita de Putin ao Irã. Além disso tudo, giramos pelo mundo, a semana na História, Economia com a professora Vivian Almeida, peões da semana e dicas culturais abrindo mais um programa da sua revista de política internacional em formato podcastal!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Em breve

Playlist das músicas de encerramento do Xadrez Verbal no Spotify

Canal do Xadrez Verbal no Telegram

Minutagem dos blocos, cortesia dos financiadores do Xadrez Verbal

  • 00:01:30 – Giro de Notícias #01
  • 00:14:55 – Coluna Aberta: Oriente Médio
  • 00:47:55 – Efemérides: A Semana na História
  • 00:54:30 – Match: Bacia do Pacífico
  • 01:34:45 – Xeque: Invasão Russa à Ucrânia
  • 02:20:30 – Gambito da Dama: Recessão Global
  • 02:30:50 – Giro de Notícias #02
  • 02:47:55 – Peões da Semana
  • 02:49:25 – Sétimo Selo
  • 02:56:15 – Música de Encerramento

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.
Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

12 Comentários

  • Boa tarde Pessoal. Antes de nada um abraço de um admirador do trabalho de vocês. Nesse episódio do Xadrez temo que tenha havido uma cãibra mental. Sempre vi o partido iraniano Mudjahedin-e-Khalk descrito como um grupo marxista que migrou para uma posição mais liberal/secular nos últimos anos, mas foi dito que ele era monarquista, informação que não consta nos meios que pesquisei, inclusive o site deles.

  • Sobre a Bayraktar, vale lembre seu CTO Selçuk Bayraktar é Genro do senhor Recep Tayyip Erdoğan.

    Family Business.

  • Olá a todos! Filipe, neste episódio e no da semana passada julgo que no respeitante ao partido à frente nas sondagens em Itália houve um equívoco, quem vai à frente são os fascistas “Fratelli d’Italia” liderados por Giorgia Meloni e não o “Forza Italia” de Berlusconi

  • Ótimo episodio!!! queria falar que acompanho vcs há uns 5 anos e não perco um ep, quero que vocês saibam que foram uma parte importantíssima na minha vida e que já indiquei pra vários amigos meus, faço humanas por culpa de vcs shuahus, um beijo no primeiro metacarpo do trapézio pro Matias e pro Filipe, e por último queria deixar uma pergunta, com 21 anos to mt velho pra começar no xadrez?

    • Nicolas, eu acredito que 21 anos são uma idade muito boa para começar a jogar xadrez! Sugiro acompanhar (e eventualmente entrar em contato com) a profa. Nabylla Fiori no Instagram (@nabyllafiori), ela é professora de xadrez e posta muitas coisas legais sobre o jogo. Assim como instrumentos musicais, idiomas e outros esportes, o que vai levar você a saber xadrez bem é a regularidade da prática… muitas coisas são possíveis de aprender a qualquer idade!

  • Salve Filipe e Matias! Sou natural de Teresina-PI e sou graduando em Engenharia Mecânica na Poli-USP e já tinha ouvido falar sobre o trabalho de vocês através dos Nerdologias de História, mas passei a acompanhar de fato os programas durante a pandemia com os Especiais Coronavírus com o Comendador Átila. Virei super fã de vocês e passo a semana inteira esperando por novos episódios. Em Setembro vou me mudar pra Lisboa pra fazer um intercâmbio de 2 anos pela USP no Instituto Superior Técnico (IST) da Universidade de Lisboa. Dito isto, gostaria de saber se vocês têm recomendações de podcasts sobre política e/ou notícias portuguesas. Saudações teresinenses de um Politreco que adora uns rolês no vão da FFLCH (apesar de que os desse ano estão bem aquém dos de 2019 hahaha)

  • Alexanndre Lennon

    Oi, gente!

    Só uma questãozinha pro Filipe, que acho que tá no limite entre uma cãimbra mental e um equívoco comum na nossa língua.

    No finalzinho do segundo Giro de Notícias, quando falava das notícias do Sri Lanka, o Filipe falou sobre dolo, pronunciando o primeiro “o” fechado. O recomendado pelos dicionários é o “o” aberto mesmo (dólo).

    Enfim, não é nada absurdo e acaba sendo um desvio comum (sei que é problemático falarmos de erros em pronúncia), tanto que há alguns linguistas que têm considerado falar “dôlo” adequado, quando fora de discussões jurídicas. Porém, como vejo que vocês aceitam bem algumas sugestões, resolvi tomar a liberdade de trazer um pouquinho desse esclarecimento.

    De todo modo, acho que a confusão deve vir de “doloso”, que, sim, tem a pronúncia fechada. Mas dolo, não. Aí seria aberto mesmo. Mas fica tudo a critério de vocês.

    No mais, obrigado pelo excelente trabalho de vocês. O Xadrez Verbal, desde o início da pandemia, tem sido,ininterruptamente, meu programa semanal.

  • Ignacio Harguindeguy

    Ola Filipe e Matias! A melhor técnica para aquecer o termômetro é esfregando a ponta na calça jeans, a fricção aquece e vc pode “escolher” a temperatura para nao exagerar. Recomendo usar o digital. Com o de mercúrio existe o risco de vc precisar de duas mentiras: uma q expliquea quebra do termômetro e outra q explique a calça cortada!
    Manda um abraço pra minha equipe de DM da MicroXisto: o Princival já é ouvinte, falta o Cremonesi!! Vcs são minha principal fonte de informação do mundo nas longas horas de estrada como eng agronomo! Beijo! (Ps, sou da turma da 5a q ri de todas as piadocas)

  • Salve Filipe, salve Matias!

    Quanto à Jasenovac, local do campo de extermínio mantido pela Ustaše, que o Aleksandar Vučić tentou visitar, o nome se lê Iasênovats (acho que, em português, ficaria mais ou menos assim, com o i um pouco prolongado, como em alemão). o c sem assento se lê como ts, o ć (que vem no final de muitos sobrenomes), como tch mais curto, indo prum t e o č um tch puxando mais para o ch, mais aberto. E não, vocês não têm obrigação de saber pronunciar todos os nomes de lugares e pessoas que citam no programa, isso seria trabalho para várias vidas.

    Abraço balcânico,

    Pedro Gryschek

  • Aristóteles Cardona Júnior

    Agora me escapa se vocês falaram de febre neste ou no episódio anterior. Mas a título de reforçar o conhecimento sobre isso, a definição de febre, em geral, é quando a temperatura supera os 37,8ºC. A nossa temperatura geralmente fica entre 35.3 to 37.7°C, em condições normais, assim como pode apresentar variações ao longo de um mesmo dia e a depender do local onde se verifica a temperatura. Um exemplo disso é uma possível pequena variação quando a aferição ocorre colocando o termômetro na boca, como aprendi não no curso médico, mas sim nos gloriosos episódios de Chaves

    Um forte abraço meu e da equipe do podcast Medicina em Debate, todos ouvintes do XV

  • Buenas meus caros historiadores,
    Sou ouvinte assíduo e gosto da quase neutralidade de vocês na maioria dos assuntos. Mas tenho notado isso meio desequilibrado ultimamente. Exemplifico: ao tratar das supostas motivações para o atentado contra o Shinzo Abe vocês elencaram suposta falta de “policiamento” político-ideológico. Do contrário, ao passar pelo giro do Pacífico, vocês têm “passado batido” há semanas sobre a crise político-econômica da Argentina, que hoje tem praticamente dois governos de esquerda em confronto (Alberto Fernández x Cristina Kirchner).
    De modo algum venho aqui pautar os comentários ou opiniões de vocês. Mostro apenas a percepção de um ouvinte frequente, que gosta do debate equilibrado e sem determinações político-ideológicas.
    Um grande abraço aos amigos.

  • Excelente a participação da Vivian durante o programa. Faço votos de que volte a ser realizado dessa forma no futuro, nem que seja com ela por um link ao vivo.
    No mais, a unica coisa que posso dizer que foi ruim no programa foi saber que vocês ainda tinham entre 13 e 15 anos em 99, enquanto eu já estava nos meus 20 anos, iniciando minha faculdade :b
    De qualquer maneira, parabéns e continuem o excelente trabalho!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.