Xadrez Verbal e Atila Iamarino – Especial Coronavírus #29

Programa de número 29 sobre a pandemia da covid-19 com o biólogo e virologista Atila Iamarino para trazer uma perspectiva diferente ao noticiário internacional. Aqui você terá, gratuitamente, as principais notícias sobre a pandemia e um estudo de caso sobre a África do Sul, junto com as análises do que está funcionando, o que não está e quais as lições para o Brasil!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Dicas do Sétimo Selo e links

Especial Coronavírus #08 – Estudo de caso Vietnã

Especial Coronavírus #17 – Estudo de caso Navios

Filme Entre facas e segredos

Filme Jornada nas Estrelas VI: A Terra Desconhecida

Música de encerramento Edelweiss (Filme A Noviça Rebelde)

Canal do Xadrez Verbal no Telegram

Minutagem dos blocos, cortesia dos financiadores do Xadrez Verbal

  • 02:13:00 – Estudo de Caso: África do Sul e variantes
  • 02:35:00 – Música de Encerramento

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.
Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

19 Comentários

  • Primeiro, a explicação do Atila no estudo de caso foi muito boa e triste, a situação de Manaus já está tão complicada… não sei como eles vão sobreviver a isso. Espero que as mobilizações sociais consigam amenizar os efeitos da incompetência do governo. Em algum nomento o Filipe disse que um dos motivos para acompanhar a política externa é porque não podemos cometer todos os erros, bom…temos o governo federal
    Não tinha percebido que usar variante “país X” tem as mesmas problemáticas de “vacina chinesa”, podendo ser xenofobico por estigmatizar um povo. Muito obrigado, o programa sempre me faz abrir os olhos.

    Momento fora de contexto do Xadrez Verbal:
    “Por mim injeta todas” -Filipe, 2021

    Dica Cultural: Escutem os programas antigos, é bom lembrar o que estava acontecendo em 2015, ver as previsões que se realizaram…recomendo

    Ps. Desculpe o textão

  • Parabéns pelo excelente trabalho!
    Gostaria de saber porque o canal do YouTube não está sendo atualizado.
    O último vídeo como Átila no canal é o #25.
    Tenho acompanhado pelo Spotify.

    • THAIS NASCIMENTO FRANCA

      Sim. Eu fiquei sem assistir os números 26, 27 e 28. Quando eu vi o 29 notei que tinha algo errado. Agora baixei aqui pra escutar tudo…

  • lucaspinheirofre@gmail.com

    o que aconteceu com o termo “top”?

  • Alvaro Carnielo e Silva

    Olá Filipe, Matias e Átila,

    Muito bom o episódio dessa semana. Quero expor minha indignação de que vocês não falaram corretamente a notícia da vacina de Cuba.
    A manchete deveria ser. “A manchete desta semana é sobre a nova vacinas que todos querem ver Cuba lançar”
    (ok, eu sei, não resisti aos impulsos da 5° série)

    Muito obrigado pelo programa informativo de vocês.

    Att,
    Álvaro Carnielo e Silva

  • Mais um argumento para a obrigatoriedade da vacinação. Deixar parte da população suscetível ao vírus implica em dar tempo para novas mutações. Isso é pedir para aparecer novas variantes resistentes. Seria o equivalente a tratamentos interrompidos com antibióticos. Gostaria de saber se o Atila concorda com essa análise.

  • Parabéns pelo episódio, explicações e como sempre como parte dos problemas vem da ignorância do ser humano e também da omissão. Quero deixar meu comentário sobre escolas. Aqui na Espanha, em Sabadell, as aulas voltaram em Setembro 2020, já que o ano letivo começa sempre em Setembro. Na última semana, a classe do meu filho ficou de quarentena já que um aluno testou positivo. Pelo que observo nos e-mails, o contato por aqui entre alunos e professores é baixo, mas existe.
    P.S. Deixei um tweet sobre a variante brasileira (5 serie)
    Abs

  • O pesquisador meu ídolo do “teu cu” é Maurício, não Marcelo.

  • Àtila, queria as referências dos artigos que você se baseou para o estudo de caso da África do Sul. Particularmente, o estudo da Novavax que mostra menor eficácia em voluntários reinfectados e o do cultivo da variante vírus na presença de anticorpos. Parabéns sempre!!!

  • Olá Filipe, Matias e Átila!

    Primeiro quero agradecer a todos vocês por produzirem o melhor podcast deste planeta. Sou fã incondicional e ouvinte assíduo já há vários anos. Tive a honra de ter uma mensagem lida pelo Matias ano passado e agora espero poder ter a minha mensagem considerada por você, Filipe.

    Em um episódio passado, ao comentar que algum país planejava reabrir os colégios, você mencionou que em todos os países que abriram escolas, “deu ruim”. Entendo a complexidade do tema e os riscos que envolvem a reabertura dos colégios, mas tenho um comentário e uma sugestão sobre isso.

    Vivo na Colômbia há 5 anos e sou professor de Matemática em uma escola de Bogotá. Ano passado, em setembro, o Ministério da Educação deu a autorização para que o nosso colégio fosse a primeira instituição educativa a reiniciar as aulas presenciais na Colômbia. Fizemos parte de um bem sucedido plano-piloto, seguindo um protocolo de prevenção rígido com o lavado constante das mãos, uso de máscara e visor, desinfeccção frequente das instalações, distanciamento e isolamento imediato de todo o grupo de estudantes quando confirmado algum caso de covid na familia de um aluno. Terminaos o ano de 2020 sem nenhum caso de contágio dentro da escola, nem de alunos nem de trabalhadores. Todos os casos positivos na counidade escolar se deram fora do colégio, em outros espaços. Aos poucos, outros colégios foram reabrindo, também com sucesso no controle dos casos dentro das instituições.

    A Colômbia atingiu um segundo pico de casos em dezembro e janeiro, e todos estavam temerosos com a reaberturas dos colégios em fevereiro, na volta às aulas. Entretanto, é importante observar que o aumentos dos casos se deu durante os meses em que as escolas estavam fechadas, de férias. Por isso acho que é possível que se criem planos e estratégias para que as crianças possam retornar aos seus colégios e às suas rotinas de interação social, às atividades de educação física, ao convívio do ambiente escolar, fatores tão importantes para o desenvolvimento da sua saúde integral.

    E aqui é onde entra a minha sugestão: que se debata isso em algum episódio, que se analizem diferentes estratégias, planos, modelos e alternativas pra que a volta às aulas presenciais seja uma realidade depois de um ano de confinamento. É incrível como na América Latina nossos governos se esforçam para por em prática protocolos e estratégias de reabertura de shoppings, cinemas, micaretas e jogos de final de Libertadores. Mas deixam em último plano a Educação. Será que realmente não dá pra reabrir as escolas?

    Tenho a convicção de que o que faz os casos aumentarem não são os colégio abertos, mas o não seguimento dos protocolos, indicações e medidas sanitárias.

    Um grande abraço com admiração pelo trabalho de vocês,

    Sthefano

  • Eu estou indignado com vocês. Não é possível! Como assim, COMO ASSIM?, o ti-ge-lão acontece em Tampa (!) e ninguém faz um trocadilho sequer? Francamente, senhores…

  • Olá, Filipe, Matias e Átila!

    Primeiramente, gostaria de agradecer pelo excelente episódio. Sei que estamos nessa rocha vagando no espaço-tempo e que tudo está difícil, mas torço para que vocês continuem tendo pique para manter esse “periódico do coronga”, que está incrível!
    Ademais, Filipe, te mandei um e-mail chamado “Palestra Digital- Cursinho Pré-Vestibular FADI- Sorocaba/SP”. Quando puder, dá uma lida, por favor!

    Abs!

  • Olá, amigos. Tentei deixar um comentário, mas ele não aparece aqui de jeito nenhum.

  • Parabéns, amigos. Mais um brilhante programa xadrez viral.

    Um recado especial para o Átila, mas que serve pra todos nós. Essa pandemia praticamente nos obriga a rever alguns conceitos como: democracia, liberdade e autoritarismo.

    Medidas de autoridade, que colocam o interesse coletivo acima do interesse individual, são frequentemente vistas como medidas autoritárias, não democráticas, distantes de um ideal liberal que, convenhamos, não existe na prática em lugar nenhum.

    Ter a capacidade de implementar medidas sociais como as adotadas pela China por exemplo, com a colaboração da população, não revela um caráter ditatorial, falta ou ausência de democracia. Claro que o regime tem sua parte nisso, mas ele é diretamente responsável pela capacidade de planejamento e trabalho coletivo, pela construção de um senso de solidariedade que sobrepõe a individualidade liberal, permitindo que esses países tenham mais sucesso no combate ao vírus.

    Medidas similares são alvos de protestos nas ditas democracias liberais, causando milhares de mortes diárias. Mortes evitáveis. Mortes nas camadas mais pobres e marginalizadas das populações. Mortes nem um pouco democráticas.

    Acredito que se uma medida contribui para o bem coletivo, para o melhor convívio social, para a proteção de toda a população e principalmente das camadas mais vulneráveis, não pode, ou não deveria, ser lida como autoritarismo. Isso é liderança, e uma liderança humanitária e democrática.

    Beijos nos vossos cérebros privilegiados.

  • Conheci o podcast de vocês ano passado em uma live do Átila sobre o Coronavírus e hoje o Xadez Verbal é meu podcast favorito. Me tornei ouvinte assídua tanto do especial com o Átila como também do formato regular. Agora só falta terminar de maratonar o Fronteiras (sou da turma que não gosta de futebol e ouve mesmo assim).

    Muito brigada pelo excelente trabalho e pela dose de sanidade semanal nesse momento tão maluco em que vivemos.

    Gostaria de pedir um abraço, pois dia 12 de fevereiro é meu aniversário.

    Abraços

  • The imunização de rebanho is coming
    Mas ta demorando mais que o inverno

  • Muito bom!!
    Obrigado pelo conteúdo!!

  • Pingback: Xadrez Verbal e Atila Iamarino – Especial Coronavírus #38 | Xadrez Verbal

Deixe uma resposta para THAIS NASCIMENTO FRANCA Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.