Xadrez Verbal e Átila Iamarino – Especial Coronavírus #04

Quarto programa sobre a pandemia do covid-19 com o biólogo e virologista Atila Iamarino para trazer uma perspectiva diferente ao noticiário internacional. Aqui você terá, gratuitamente, as principais notícias sobre a pandemia e um estudo de caso sobre Israel, junto com as análises do que está funcionando, o que não está e quais as lições para o Brasil!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Dicas do Sétimo Selo e links

Site da Editora Contexto

Graphic novel A Arte de Charlie Chan Hock Chye, de Sonny Liew

Canal do Xadrez Verbal no Telegram

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.
Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

18 Comentários

  • Olá, queridos! Peço que mandem um alô pro professor e ecólogo Davi Pantoja, meu amor, ao qual apresentei o Xadrez Verbal e agora acompanha mais do que eu! Quero também lhes indicar a página https://fora.global/ onde tem várias análises históricas e políticas de qualidade, e se for viável, por favor divulguem…

  • Matheus S. Nascimento

    O Matias tava meio lento no inicio do progama. Talvez não seja a melhor opção tomar cerveja logo antes de gravar o progoma; ou talvez seja a melhor opção.

  • Matias, Atlia Iamarino sempre me lembra a Tamarindo ( ai o link fica a sua criatividade)……. Excelente trabalho de vcs

    Obrigado

  • Aquele podcast: delicioso, gostoso e cremoso da quarentena ❤

  • Vocês são maravilhosos individualmente, agora juntos é apelação.

    Queria aproveitar pra perguntar pro Atila como fica a situação dos imunossuprimidos. Eu passei por um transplante hepático há mais de 20 anos, aos 12 (hoje tenho 33), intervivos (meu pai foi doador). Eu tinha uma colangite esclerosante auto-imune, basicamente meu fígado se atacava, ou meu corpo atacava meu fígado, nunca sei direito esses pormenores. Hoje em dia tomo seis remédios por dia, dois quais 2 são imunossupressores (Tacrolimus e Azatioprina), 1 é imunossupressor pelo quadro auto-imune (Prednisosa, a famosa cortisona), 1 é precaução contra o aumento de pressão arterial causado pelo Tacrolimus a longo prazo (Besilato de Anlodipino), 1 é diurético para combater o acúmulo de líquido causado pela Prednisona (Espironolactona) e 1 não tem nada a ver com isso tudo, é pra tireoide, porque eu tenho tireoidite de Hashimoto pra combinar com meu sobrenome materno.

    Desde que acompanho o Atila nos canais por aí – desde a participação dele no Xadrez Verbal, que foi quando o conheci de fato – venho me preparando pra enfrentar o corona, que é só mais um dos vírus com os quais eu tenho que ficar atenta (dengue e febre amarela são muito piores pra mim porque atacam o fígado). Até agora o que me parece é que eu vou ter que esperar a vacina chegar, e saber se ela é “tomável” pra mim (imagino que será, pois as da Influenza eu tomo sem problemas), antes de sair de casa. Hoje ouvi um comentário do Fernando Reinach no podcast “Luz no fim da quarentena” sobre estudos que estão rolando entre RS e SP pra verificar a imunidade de rebanho (a boa, não a babaca) na população, e fiquei mais esperançosa que a minha quarentena não se estenda por tanto tempo. Rola isso mesmo? Estou me iludindo?

    Obrigada por tudo, lindos maravilhosos.

  • Olá, caros! Percebi que afora um comentário ou outro no Twitter, essa é a primeira vez que deixo algo no site do Xadrez Verbal… Vou me atentar pra fazer isso com maior frequência.

    Tenho uma pergunta pro Átila. Há algumas semanas têm circulado estudos que indicam que o novo coronavirus pode ser transmitido por contato com as fezes de alguém infectado. O aparecimento de sintomas gastrointestinais por um percentual bem pequeno de pessoas diagnosticadas (e esse ser um sintoma dos que aparecem no começo) pode ser um sinal de por qual via a pessoa se infectou? Ou não existiria relação de causa e efeito nisso?

    Parabéns pelo belo trabalho e, aos três, um forte abraço!

  • Caros,
    parabéns pelos episódios!
    Gostaria de deixar aqui uma pergunta para o Átila: você conhece um estudo que está sendo feito em Montreal com um medicamento chamado colchicina, para tratamento da Covid-19? http://www.colcorona.org

  • Gustavo Boveto Masquetto

    Bom dia (boa tarde, boa noite),

    Primeiro lugar parabéns pelo trabalho, sempre.

    Sou motorista de aplicativo no interior do Paraná, em uma cidade de 400 mil habitantes. Alguns casos já estão confirmados, inclusive com mortes onde eu moro. Para trabalhar utilizo máscaras de pano, as janelas do carro estão sempre abertas, não deixo passageiros sentarem no banco da frente, passo álcool 70 a cada hora no carro e também deixo álcool em gel sempre disponível dentro do veículo. Existem mais precauções que devo tomar para continuar rodando com os aplicativos que trabalho ou o melhor mesmo é desligá-los e esperar a “normalização”?
    Muito obrigado.

  • O Matias esqueceu de comentar sobre o primeiro pronunciamento da Rainha Elizabeth em 1940, na época princesa, onde ela fala sobre o distanciamento das crianças de seus entes queridos durante a guerra. Link para referência:

    Mau, ouvindo enquanto caminho 5kms para o escritório no centro de Tóquio pq esqueci um script rodando e agora preciso enfrentar esse estado de emergência a pé >.<

    Abraços e beijos

    Mau

  • Acho muito legal o trabalho que vocês estão fazendo em relação ao COVID-19 e concordo com as opiniões de vocês em relação a ficar em casa e se isolar. Entrando, acho importante mencionar questões referentes a saúde mental durante esse período. Muitas pessoas estão conseguindo levar isso de maneira positiva porém há muitas outras pessoas sofrendo e não sabem como expor essa situação e pedir ajuda. Como vocês tem milhares de seguidores, vocês seriam um bom meio de comunicação para expor esse assunto e podem, talvez, ajudar muita gente.
    Não sou profissional da área e não entendo muito à respeito porém caso vocês achem legal falar sobre isso no programa, e queriam alguma indicação, o Alan criador do Mindfullness Funcional (www.mindfullness.com.br) está fazendo um trabalho super legal em relação a isso.

  • que pena que esse barulho de notificacao do slack/whatsapp/whatever estragou a experiencia para mim =/ foi MUITO dificil escutar esse episodio

  • Bom lusco-fusco, meus caros!

    Sou um ouvinte relativamente novo, mas, ainda, de antes da era comum ou AA (antes de Átila).
    Xadrez Verbal e o Fronteiras Invisíveis são dois programas fantásticos ! parabéns!

    Matias disse que precisa de um rima para introdução do Átila, deixo aqui minha sugestão:
    “Átila Iamarino, o homem que badala (ou badalou) o sino” por ter sido ele quem alertou, aqui no Brasil, sobre a seriedade e consequências do vírus e também um brincadeira com o personagem da época da peste negra (verdadeiro ou não? não sei. lembro de monty python), que passava recolhendo os mortos “bring out your dead ….”

  • Não é exatamente um pergunta, mas se o Átila puder comentar/analisar um pouco a questão dos testes no Japão, gostaria muito de ouvir a opinião dele.
    Saiu esses dias aqui no Japão uma declaração de uma associação médica onde, entre vários alertas sobre os riscos da covid19, o preconceito contra os profissionais da saúde e a situação atual do sistema de saúde japonês, estão também criticando o sistema de testes PCR realizados em drive-thru. Na declaração eles levantam dúvidas (argumentos) se ao realizar cada teste com cada pessoa também se trocaria de máscaras, luvas, óculos e roupa de proteção e desinfetariam aqui e ali etc, a fim de evitar a infecção no próximo paciente e que só pra fazer tudo isso levaria entre 30min e 1h. E por fim questionam os especialistas que apoiam a testagem em massa dizendo. Nessa parte do documento pude sentir uma grande resistência mesmo.
    Além desse pronunciamento, o que eu tenho lido e visto nos noticiários japoneses é que o governo não quer realizar mais testes para não lotar e sobrecarregar os hospitais de uma vez só (se não me engano, caso der positivo, o governo deve internar a pessoa, mesmo ela estando somente com sintomas leves) e que a precisão do teste PCR é baixa e não muito confiável (essa mesma associação diz ser cerca de 70%).
    Com o aumento do número de infectados em Tóquio e a insatisfação do povo acumulando, alguns programas de tv e comentaristas tem criticado e questionado o número baixo de testes, principalmente comparando com a Coréia do Sul. Essa declaração/pronunciamento saiu em resposta a esses programas e comentaristas.
    Sinceramente, não sei até onde o governo realmente acredita que esse sistema de testagem vai dar certo (o sistema de saúde está por um triz e apesar de ter sido declarado estado de emergência, muitos não estão podendo parar de trabalhar)…. ou se é simplesmente birra porque a Coréia do Sul está sendo um exemplo de testagem em massa (espero que não).

  • Olá Filipe, Matias e Átila; em um determinado ponto do programa o Átila mencionou que existem vacinas de alguns tipos de coronavirus para cachorros, será que não é possível adaptar essas vacinas de cachorros para o Sars-Cov-2 e então para humanos?

  • Olá, Filipe, Matias e Átila!
    Excelente programa, como sempre. Só quero fazer uma correção: coelho (tenho uma coelha de 10 anos) não é roedor, é da ordem dos lagomorfos, assim como as lebres (são também da mesma família, a leporidae).
    Um aceno a distância.

  • Percebo que estou cumprindo bem meu papel de doutrinadora doméstica quando, na live do Átila do dia 12 de abril, entro na sala com a minha filha de 11 meses no colo e pergunto “Cadê o Átila, filha?” e ela aponta para a TV.
    Abraço de longe meu e da Letícia para vocês três. Parabéns por mais esse excelente trabalho.

  • Pingback: Política Internacional - Pílulas da Garagem | Dragões de Garagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.