Fronteiras Invisíveis do Futebol #80 – Venezuela

Nosso penúltimo programa sobre nossos vizinhos nesse ano de Copa América! Cruzamos a fronteira norte e vamos até a Pequena Veneza, ou Venezuela, país de rica História e de colonização complicada. Sabia que alemães estiveram ali no século XIV? Passamos também pela independência do país, com a liderança de Simón Bolívar e o passado compartilhado com a vizinha Colômbia, como a batalha de Boyacá. Vamos do fim da Grã-Colômbia para a Venezuela independente, com o bloqueio de 1902 e a descoberta de fartas reservas de petróleo, as maiores do mundo confirmadas hoje. As várias constituições, os golpes e as crises que fazem parte da História vizinha. E toda essa História é acompanhada do futebol venezuelano, desde suas origens até os dias de hoje, com destaque para a Copa América que foi realizada no país. E, além disso tudo, o programa conta tanto com uma participação especial do jornalista Paulo Fávero e com a estreia da coluna da enciclopédia ambulante Ubiratan Leal!

Referências no programa

Livro O bloqueio da Venezuela em 1902: suas implicações nas relações internacionais da época, de Ana Maria Stuart

Documentário A Revolução não será televisionada

Dissertação Os donos do campo e os donos da bola: alguns aspectos da globalização do futebol, de Paulo Miranda Favero

Música de encerramento Caballo Viejo, de Simón Díaz

Sigam no twitter: Xadrez Verbal; Matias Pinto; Ubiratan Leal; Paulo Favero

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa.

Assine um dos feeds do Fronteiras Invisíveis do Futebol e não perca nenhum programa: feed RSS, feed do iTunes e feed Player.FM, feed Deezer e feed Pocketcast

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, confira o restante da programação aqui.


assinatura

Filipe Figueiredo, é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.


Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.


Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.


Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

botãocursos

Anúncios

16 Comentários

  • Olá Filipe e Matias!! Gostaria de informar que aqui na pequena cidade de Västeras na Suécia também conseguiram falir um Mc Donalds. Porém ainda existem várias lojas em funcionamento e devido à grande imigração de refugiados de guerra para a Suécia, o Mc Donalds local se adaptou e não serve exatamente a mesma comida de todo o resto do mundo. Por lá você encontra hoje em alta o Mc Kebab, Mc Tabule e Mc Falafel.

    Aproveitando pra cobrar quando teremos um Fronteiras sobre a Suécia ou sobre os países nórdicos!!

  • Bom dia senhores. Apenas uma correção ao Matias, a cidade que abriga a Marinha no estado de Mato Grosso do Sul se chama Ladário e não Laudário. E uma observação sobre o programa da Bolívia, o Matias poderia ter indicado pratos da rica culinária boliviana, como Pollo com Queso, Saltenha, Sopa de amendoim e frango, empanadas, o refresco mocochinchi. Grande abraço de um Corumbaense fã dos programas de vocês e saudações alvinegras.

  • Um adendo ao programa anterior. Quem nasceu em Tocopilia, o diretor franco-chileno Alejandro Jodorowsky, o cara que é protagonista do documentário Jodorowsky’s Dune, quando ele relata que ele criou uma obra prima maior que o Star Wars, antes de George Lucas fazer.

  • Foi dito no programa sobre os 3 Times que tem vantagem no confronto direto com o Brasil, que no caso são Noruega, Paises Baixo e Hungria.

    Acontece que todos os 3 já ganharam do brasil em copas, ficou faltando informar que a Hungria eliminou o Brasil na copa de 54 com show de Sandor Kocsis

  • Olá Filipe e Matias! Muito bom esse programa, e muito positiva a introdução da 4a coluna do podcast (faz sentido que “O Livro” faça a ponte entre “O Mapa” e “O Campo”) – parabéns Ubira Leal

    No mais, deixo como adendo um podcast feito pela BBC explorando a derrocada venezuelana, para quem domina o idioma dos inventores do jogo: https://www.bbc.co.uk/programmes/p051zkj8

  • Arthur Adriano Lobo

    Olá Filipe e Matias. Sobre a origem do uniforme Venezuelano tem um artigos na Wikipédia em castelhano, vou deixar os links aqui. Abraços daqui da Água Rasa, ZL, São Paulo-SP!
    https://es.m.wikipedia.org/wiki/Selecci%C3%B3n_de_f%C3%BAtbol_de_Venezuela

  • Olá galera, queria lembrar do não mencionado Alejandro Moreno que fez carreira na MLS e hoje é um comentarista de destaque na ESPN UK e também fala do futebol dos países ammericanos.

  • Olá, pessoal! Parabéns pelo podcast fantástico. Sempre recomendo aos amigos fãs de futebol e/ou história e sempre usando como fonte de informação. Queria só fazer uma pequena correção sobre os países que têm vantagem sobre a seleção brasileira: todos eles derrotaram o Brasil em Copas do Mundo. A Hungria, inclusive, tem duas vitórias sobre nós em mundiais. A primeira foi nas quartas-de-final de 1954: vitória por 4 a 2 na famosa “Batalha de Berna”. A segunda foi na primeira fase em 1966: 3 a 1. Abraços!!

  • Triunvirato é o nome dado a qualquer período onde três pessoas tão dando um tempo antes de irem para o “resta um” de verdade.

  • o @ClubeDoRemo foi campeão da pequena taça do mundo em 1950 na Venezuela. Portanto foi o primeiro Campeão Brasileiro do Certame.

  • Fabiane Marcondes

    Olá, passando aqui só para dizer que aprendo muito com vocês. Sempre detestei futebol, achando um esporte estúpido e fútil. Vocês me fizeram mudar de ideia. Continuo não gostando de futebol, mas mudei minha opinião sobre ele. Aproveito para pedir um episódio sobre o Zimbábue. Recentemente li um livro da escritora Rutendo Tavengerwei, que tem como pano de fundo a situação política do país no início desse século e fiquei curiosa sobre o o país. Beijos!

  • Pessoal, me desculpem o textão! A Venezuela me traz muitas memórias afetivas. Como já disse sou fã de vocês, já ouvi todos os Fronteiras.

    Uma vez peguei um Uber com um motorista Venezuelano. Fomos conversando e aí lembrei de uma musica de tempos atrás quando fui a Venezuela (Em 1994, saindo de Roraima, eu tinha 13 anos, cruzamos o País de fora a fora, que já era bem militarizado antes do Chavez, com postos de checagem controlados pela guarda nacional, o que me impressionou a época! ) que tocava em todo lugar. Era um chiclete nos ouvidos. A música é horrível por sinal! Daí resolvi cantar 🎶, pra que?! para o meu espanto, o cara chorou! ficou emocionado ao lembrar de sua terra natal e possivelmente pela minha interpretação que com certeza eu piorei o que já era ruim! Depois, ainda mostrei no Spotify que eu tinha a música. Ele não acreditava. Brinquei: – acho que você foi corno (cabron) e ao ouvir essa musica lembrou de alguém! Ele riu, se riu. Primeiro é verdade e segundo já superou! E Era mesmo, coitado! Kkkkk Ele falou que estava feliz em Brasília. E gostava do Brasil, mas óbvio sentia falta de seu País. E ainda que sua família estava espalhada por Chile, Argentina e EUA. Espero que um dia as coisas melhorem, Um País cheio de belezas naturais (lindíssimo), um povo acolhedor e muito simpático. País que tenho ligações afetivas familiares. Minha avó morou lá e um tio com nacionalidade Venezuelana fez a vida como garimpeiro por décadas, juntou uma grana, comprou maquinário e teve seus bem confiscados pelo chavismo, nunca viu um centavo e hoje vive em situação precária! Ah, também é um País de lindas mulheres, por sinal o País com mais títulos de Miss Universo.

    P.s: a música é da cantora Diveana, chama-se “Me falta todo”. Deveriam ter colocado nas dicas culturais no final, kkkkk

  • Caros Matias e Filipe!
    Meu nome é Rodolfo e sou de Santo André. Primeiramente gostaria de agradecer pelo podcast (e pelo Xadrez Verbal também), que é um companheiro fiel das minhas viagens diárias no transporte público da nossa grande selva de pedra. No começo do ano vocês também ouvi muito vocês enquanto eu montava um quebra cabeças de Mapa Múndi de 4000 peças, que está agora pendurado na parede do meu quarto (com Kosovo e tudo hahaha).
    Gostei bastante do quadro do Ubiratan, uma vez que amo curiosidades inúteis, porém úteis. Foi assim que puxei papo com a minha namorada e talvez eles ainda sejam parte ativa das nossas conversas quando nos encontramos.

    Só gostaria de perguntar o por quê vocês sempre param o terceiro quadro por volta do início dos anos 2000. Já estamos quase em 2020 e muita coisa relevante já aconteceu nesse período, inclusive coisas que tem impacto muito forte nas temáticas abordadas semanalmente no programa do Xadrez Verbal. Quando vi que o programa seria sobre a Venezuela, imaginei que vocês iriam pelo menos até a morte do Chávez, mas fiquei um pouco desapontado por irem somente até a tentativa de golpe contra ele.
    Sei que o intuito do Fronteiras é ser mais factual que o Xadrez e que o podcast já é bastante longo. Também sei que ao cobrir fatos mais atuais vocês correm o risco de serem acusados de posicionamento político por alguns ouvintes. Mas acho que enriqueceria muito o Podcast incluir pelo menos os eventos mais importantes das últimas duas décadas.

    Novamente, muito obrigado pelo podcast e fico no aguardo e um Fronteiras sobre o Império Ultramarino Inglês ou das possessões norte-americanas. Ia pedir do País Inuit ou Groelândia, mas acho que o programa seria muito curto hahaah

    PS: manda um abraço para o Porpeta, amigo meu que ouve vocês direto de Melbourne

  • Realmente o McDonald’s de Porto Seguro é sucesso no verão. Gostaria que mandassem um salve p os caras do grupo do bolão que me indicaram o podcast e me fez viciar: Márcio Lima, Leandro Barros e Akiles Cruz.

  • Olá Filipe e Matias!

    Finalmente terminei de ouvir todos os episódios, foram 3 meses ouvindo durante o trajeto de 40 km até o trabalho e de volta pra casa. Já é um costume ouvir podcasts e livros em velocidade 1,5 x, e aqui vai uma curiosidade: Toda vez que eu volto para a velocidade normal no fim de cada episódio (para ouvir a música de encerramento) parece que vocês estão bêbados!

    Um outro comentário é que na cidade onde moro, São José dos Campos, um McDonalds faliu também na década de 80.

    Gosto muito do Podcast e gostaria muito de ouvir mais sobre os países do sudeste asiático!

    Obrigado!

  • Pingback: Xadrez Verbal Podcast #197 – Porto Rico, Ásia e Europa | Xadrez Verbal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.