Xadrez Verbal Podcast #184 – Ucrânia, Sri Lanka e Kim com Putin

Uma Páscoa de violência no Sri Lanka, com centenas de mortos após uma série de atentados sincronizados. O que aconteceu, quem é o culpado, qual o contexto político do país e o que podemos aprender e debater com esse trágico evento, tudo isso você ouvirá aqui no programa. Fomos até Vladivostok, para o encontro entre Kim e Putin, com alfinetadas aos EUA. Também passamos pela Ásia e vamos até a Europa, onde a Ucrânia tem um novo presidente, a Espanha enfrentará eleições e outras notícias do Velho Mundo. Além disso tudo, nós giramos pelo mundo, a semana na História, Economia com a professora Vivian Almeida, peões da semana e dicas culturais fecham mais um podcast do Xadrez Verbal!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Dicas do Sétimo Selo e links

Site da Editora Contexto

Filme Il Grande Torino

Série de Mangás Lobo Solitário de Kazuo Koike

Filme Capitães de Abril

Xadrez Verbal #79 – Palestina, Gâmbia e Trump

Xadrez Verbal #182 – Sudão, caso Assange e eleições em Israel

Matéria do El País comentando a carta e o suicídio do ex-presidente peruano Alan García

Notícia da BBC Brasil O que esperar do inédito encontro entre Kim Jong-un e Vladimir Putin, de Andreas Illme

Matéria do Intercept Quando cristãos são atacados, muçulmanos e a esquerda precisam defendê-los, de Mehdi Hasan

Matéria da Reuters Exclusive: Sri Lanka was warned of threat hours before suicide attacks, de Shihar Aneez, Ranga Sirilal, Joe Brock, Sanjeev Miglani

Matéria da Follha Turco de movimento opositor é preso no Brasil após pedido de Erdogan, de Flávia Mantovani e Patrícia Campos Mello

Música de Encerramento Grândola, Vila Morena, de Zeca Afonso

Playlist das músicas de encerramento do Xadrez Verbal no Spotify

Canal do Xadrez Verbal no Telegram

Minutagem dos blocos, cortesia dos financiadores do Xadrez Verbal

  • 00:17:01 – Giro de Notícias #1
  • 00:31:10 – Coluna Aberta: Cúpula Russo-Norte Coreana
  • 01:01:00 – Efemérides: A Semana na História
  • 01:10:28 – Match: Eleições Ucranianas e Europa
  • 02:11:40 – Xeque: Sri Lanka
  • 02:40:29 – Gambito da Dama: Argentina e Classe Média
  • 02:53:18 – Giro de Notícias #2
  • 03:05:30 – Peões da Semana
  • 03:06:50 – Sétimo Selo
  • 03:13:05 – Música de Encerramento

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.
Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

43 Comentários

  • João Pedro Noronha

    Gente adoro o programa de vocês. Me ajudam a entender melhor o mundo (além de poder colocar mais umas coisas nas redações de filosofia ). Escuto todo sábado junto a minha mãe que ama também. Mandem um abraço pro pessoal do Instituto Federal do Tocantins que ouvem vocês por favor.

  • Assistindo a entrevista de Lula pra Folha/El pais logo depois de ouvir o episodio e parece que o Lula escuta o Xadrez Verbal, de tão por dentro que ele ta da politica internacional também.

  • Não acredito que não constou nas efemérides os 45 anos da revolução dos cravos. Meu irmão mora em Lisboa, me relatou um pouco das comemorações que ocorreram lá e eu garanti a ele que nesse sábado conversariamos mais pois o xadrez certamente iria tratar.
    Estou frustrado. Mas, tenho certeza que vocês terão boas indicações de leitura e/ou filmografia sobre o assunto.

    • Complementando a minha precipitação, tinha tanta certeza que seria tratado nas efemérides que desconsiderei a possibilidade de ter sido tratado em outro momento..
      Desconsiderem meu comentário.

  • Fernando Copercini

    As bandeiras da Coréia do Norte, da Rússia e dos Estados Unidos têm as mesmas cores. Qual vai ser o próximo país com quem Kim Jong Un vai dialogar? Seria a França?

  • Sou mestrando em História pela UFRJ (ex-FFLCH, como vocês) e estudo Portugal contemporâneo (as comemorações centenárias do Estado Novo, para ser mais específico). Queria parabenizar o Filipe e o Matias pelo podcast, sempre excelente, e que anima meus momentos de “relaxamento” enquanto jogo Europa Universalis IV. Adorei que vocês colocaram Zeca Afonso no final, sempre fico emocionado quando toca Grândola Vila Morena. Queria só complementar o que o Filipe falou sobre o Salazar. Salazar morre em 1970, e a revolução só vai ocorrer em 74. Quem assume em seguida como Presidente do Conselho de Ministro é o Marcello Caetano, que apesar da revolução e o reconhecimento quase que imediato por parte da ditadura brasileira (se não me engano era o Geisel) do governo revolucionário português, Marcello Caetano e outros membros da cúpula do regime, conseguem exílio aqui no Rio de Janeiro, dando aula de economia numa universidade privada. É importante notar que a revolução foi extremamente pacífica! Não houveram mortos, apenas feridos, por causa de uma escaramuça na sede do órgão repressor do regime. Recomendo o livro “O império derrotado”, de Kenneth Maxwell, que traz também a perspectiva da diplomacia americana vendo embasbacada a revolução americana, ou, como o chefe da delegação da CIA em Londres disse: “Quando a Revolução aconteceu em Portugal, os Estados Unidos tinham ‘saído para almoçar’. Foi uma surpresa total”.
    Em tempos como esses, de um anti-iluminismo no país, o programa de vocês é uma luz no fim do túnel.
    Quando for para São Paulo, espero poder pagar uma cerveja para vocês!

    Abraços!

  • Há anos ouço esse excelente podcast (desde 2016). Hoje, dia 27 de abril, estava ouvindo o episódio na cama e peguei no sono, porém comecei a misturar o áudio com sonho. Estava no últimos minutos do ep e enquanto vcs gravavam eu estava junto a vcs na casa do Mathias. Tinha umas 6 crianças (todas filhas dele) brincando e vcs falando ao fundo. Enquanto o Filipe falava eu conversava com o Mathias e vice-versa. Estávamos num quatro com papel de parede do Dragon Ball, vários brinquedos… Por mais que as crianças gritassem ou corressem pelo quadro o som não era captado pelo microfone (afinal o som era o do ep.) Ao final, ao som da música, uma das crianças veio falar comigo e conversar sobre política internacional, o Filipe e o Mathias falaram sobre o ep e quando a música acabou acordei.

    • Eu também já misturei sonho com o Xadrez Verbal… Na verdade, quando escuto de uma única vez, é muito provável que isso aconteça!

  • Olá Filipe e Matias! Gostei muito do novo episódio, e acho que posso contribuir com a parte sobre a semelhança entre os idiomas russo e ucraniano. Estive na Ucrânia no começo do ano passado por um mês, trabalhando como voluntária em Dnipro, como professora de inglês e alemão. O país é incrível, Chernobyl inclusive, e esse projeto, chamado GoCamp, é o maior projeto de trabalho voluntário do país, tendo como objetivo criar toda uma geração multilíngue (na escola primária onde eu trabalhei, pública, as crianças estudavam russo, ucraniano, inglês, francês, alemão e algumas até japonês). É fantástico, e traz para o país pessoas de todo o mundo (especialmente de países que não têm inglês como primeira língua e não são do chamado Primeiro Mundo, ao contrário do que eu imaginava) para ensinar crianças pelo país inteiro, em cidades pequenas do interior até cidades maiores como Dnipro. Conheci algumas pessoas fugidas da região do Donbass, e vê-se muitos soldados pelo país. Mas de resto, foi bem tranquilo. Sobre os idiomas, são muito parecidos mesmo, eu chutaria 95%. Algumas letras são diferentes (principalmente os “i”, que no ucraniano são sempre “i” mesmo, em russo é “и” ou “ы”) e algumas palavras (os nomes dos meses em russo são parecidos com os nossos, mas em ucraniano são totalmente diferentes; obrigado em russo é “spasiba” e em ucraniano é “dyakuyu”, em russo, manhã é “utro”, em ucraniano é “ranok”, café é “kavi” em ucraniano e “kofie” em russo, e por aí vai). Eu não senti uma rejeição da Rússia, da cultura e da história russas pelos ucranianos, pelo contrário… Eles abraçam como parte deles, falam russo e não fazem cara feia pra quem fala (meu caso). É um país fenomenal e altamente recomendável 🙂

    • ops, café em ucraniano é “kava” 😉

    • Obrigado pela explicação,, há um tempo deu uma barrigada nisso, participei de uma reunião com a finada Binacional Brasil/Ucrânia, Cyclone Space. E estava falando sobre um software que aceitava o alfabeto Cirillico e falei que ele poderia ser usado em russo. Na hora, eles fizerem uma cara feria e uma funcionária falou assim: Nós falamos ucraniano. Kkkkkk. Essa foi minha experiência com essa situação.

  • Olá meu caro Matias e Filipe. Primeiramente, queria agradecer a toda a equipe do Xadrez Verbal e a Central3 pela ótima qualidade do Podcast, principalmente aos protagonistas Filipe e Matias. Além de serem extremamente cativantes, o bom humor, a seriedade e a simplicidade são pivôs daquele que sem dúvida é o melhor podcast do Brasil (quiçá do mundo. Sou clubista mesmo no quesito podcast haha).
    Vocês estão sendo o motivo da minha dúvida entre continuar a batalha no vestibular para o curso de Medicina ou largar tudo, prestar para Relações Internacionais e tentar a carreira diplomática. De qualquer jeito, obrigado por me acompanharem nesse período que, com toda certeza, não é fácil para ninguém.
    Uma dúvida que me ocorreu durante a ajuda militar israelense em Brumadinho. Toda essa ação de Israel para com a população brasileira foi com o propósito eleitoral do Bibi? (Ou seja, na época para tentar abafar as denuncias de corrupção, ele tentou posar de bom samaritano?)
    A propósito, me sinto mais aliviado por não ser o único indivíduo que não gosta de Dragon Ball. Haha Um abraço de Campo Grande – MS.

    (Confesso que eu senti falta de um giro pela América do Sul neste programa)

  • Olá, Filipe e Matias! Sobre a notícia do pedido de extradição do governo turco direcionada ao Brasil e perseguições aos opositores de Erdogan, eu me recordei de um caso de um jogador de ascendência turca da NBA: o Enes Kanter, atualmente no Portland Trail Blazers, nascido na Suíça, de pais turcos e que sofreu retaliações do governo do país natal após críticas ao Erdogan e apoio ao Hizmet. Ele teve o passaporte turco cancelado, seu pai foi preso e Kanter chegou a ter um mandado de prisão expedido pelas autoridades turcas em 2017 e,em janeiro desse ano, optou por não participar de um jogo do Knicks, seu então time, em Londres com medo de ser assassinado por espiões. Eu tenho escutado o podcast regularmente desde fevereiro (inclusive tô amando o trabalho de vocês dois), então não sei se vocês chegaram a comentar algo sobre, mas fica aí o registro. Mais uma vez, parabéns pelo trabalho e um abraço fraternal daqui de Atibaia. 🙂

  • Caros enxadristas,

    Em primeiro lugar, parabéns pelo programa. Sou estudante do incrível (porém ainda pouco divulgado) curso de Línguas Estrangeiras Aplicadas às Negociações Internacionais do CEFET-RJ, ouvinte recente (pouco menos de um ano), mas já acompanho o XV regularmente.

    Sobre a questão russo-ucraniana, gostaria de relatar minha experiência nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Verão que aconteceram no Rio de Janeiro, em 2016:

    Trabalhei como “liaison officer” (uma mistura de assessor de imprensa, babá e negociador) para a empresa responsável pela transmissão oficial dos Jogos (Olympic Broadcasting Services) no Estádio Olímpico, sede do Atletismo em suas mais variadas modalidades.
    Durante os Jogos (Olímpicos, nesse caso), nossa equipe – que trabalhava em conjunto com o corpo de voluntários da Rio 2016, em especial, as pessoas que realizavam traduções e interpretações em diversos idiomas – enfrentou situações bastante complexas quando veículos de comunicação que não eram da Ucrânia buscavam entrevistar atletas desse país, pois não havia uma pessoa que realizasse tradução/interpretação diretamente do ucraniano. Havia, porém, uma voluntária que – por sua ascendência – desempenhava a função de traduzir do Russo para o Inglês.

    Entretanto, não foram poucas as vezes em que atletas, familiares, assessorias de imprensa e agentes se recusaram categoricamente a conceder entrevistas em russo. Segundo a intérprete, ela era questionada sobre a origem da língua na qual estava se comunicando e, ao dizer que sua família era da antiga URSS, as pessoas simplesmente encerravam a conversa e se dirigiam aos vestiários. Algumas, segundo ela, ainda faziam questões de “se despedir” com xingamentos.

    Isso, obviamente, causou diversos descontentamentos em jornalistas (em especial, do Brasil – leia: Globo – e estadunidenses), pois voltavam sem entrevistas que consideravam importantes (e repassavam o descontentamento em nós, “liaison officers” e na empresa como um todo).

    Já nos Jogos Paralímpicos, consegui fazer amizade com um membro da delegação ucraniana, que falava bem inglês e que se solidarizou com a situação e decidiu auxiliar nas traduções/interpretações de atletas 🙂

    Esse tipo de questão sobre língua foi bem recorrente, acontecendo sobre contendas de diversos outros países (por exemplo, atletas libaneses que se recusavam a dar entrevistas a veículos israelenses) tanto nas Olimpíadas quanto nas Paralimpíadas.

    Desculpem o relato enorme! 🤦

    Se puderem, mandem um abraço para a galera do curso de LEANI (acrônimo) do CEFET-RJ, porque garanto que MUITA gente escuta o podcast e certamente vão se amarrar em receber esse carinho.

    Abraço,

    Marcos Eduardo.

  • Jhonathan Willian

    Olá, sou de Varginha/MG, comecei a ouvir o podcast há mais ou menos um mês, por recomendação do meu amigo Caetano Mastroianni, que trabalhava comigo. Mande um salve pra ele, por favor.
    Eu gostei bastante da estrutura do podcast, que ajuda a me manter atualizado sobre notícias internacionais com a profundidade que não encontro em outras fontes. Além disso, estou muito atrasado no podcast Mamilos desde que comecei a ouvir vocês rsrs. Grande abraço!

    Curiosidade sobre Varginha/MG:
    Varginha presenciou um suposto incidente com extraterrestres em 1996. O caso ganhou notoriedade internacional e foi tão relevante que o Comandante da EsSA (Escola de Sargentos das Armas) determinou a instauração do Inquérito Policial Militar em 1997 sobre os fatos controversos, no qual foram ouvidos militares e ufólogos. (Fonte: Incidente de Varginha/ Wikipedia)

  • Olá meus queridos!

    O comercial mencionado na verdade era um exercício de uma faculdade de cinema da Alemanha, mas não era oficialmente uma propaganda da Mercedes. Apesar de ter ganhado prêmios de propaganda bem humorada, a Mercedes não gostou da propaganda atropelando uma criança.

    Segue uma das fontes que eu achei falando sobre isso

    https://m.dw.com/pt-br/comercial-que-mata-hitler-quando-criança-gera-polêmica-na-alemanha/a-17113645

    Abraços seus lindos!

  • Meninos, só queria dizer que adoro o programa de vocês! Já conhecia há um tempo, mas passei a ouvir com mais frequência no começo desse ano. Agora não perco mais nenhum episódio! Aliás, sou da História/FFLCH também, mas entrei em 2009. Vocês são de que ano? Talvez a gente tenha se cruzado nas rampas, rs. Ah, vocês podem mandar um abraço pra minha namorada (Luisa)? Tô tentando convencê-la a ouvir o Xadrez comigo. Até!

  • Aqui tem um bando de libertário, louco por ti, econômia!

  • Jurandir Vanderlei Santos

    Venho aqui sugerir que, quando forem referir-se a essa nova leva de políticos outsiders da política, utilizar o termo “político de startup”. Se não me engano, ouvi o Marco Gomes usando (me desculpem caso eu esteja tendo uma câimbra neural), e achei excelente!

  • Olá meus caros… Sou jornalista e produtor audiovisual, moro em Mogi das Cruzes, grande SP, mas sou caiçara de São Sebastião, SP. Amante das letras, da geografia da história da política, do mar e do universo náutico como um todo, principalmente no que se refere à Vela, (pra contextualizar o meu comentário). Sobre o comentário enviado pelo Adriano Plotzki, lido pelo Filipe, no último episódio, a respeito do primeiro navegador a circum navegar o globo, confesso que fiquei feliz em ouvir o comentário dele e um tanto quanto “incomodado” por vocês não o conhecerem (brincadeira), pois o Adriano, é o dono do maior canal sobre o mundo da vela, no YouTube brasileiro, e um dos maiores fomentadores desse universo no Brasil, tentando resgatar a rica cultura náutica brasileira, que se perdeu ao longo dos anos, não se sabe bem onde, como ou o porquê… Sobre ele ter convidado vcs a velejarem com “eles”, no plural, foi pq ele mora a bordo com a sua esposa, Aline Sena, que junto com ele toca esse projeto maravilhoso que é o canal chamado #Sal, do qual eu não perco um episódio, assim como não perco um Xadrez Verbal, desde quando o conheci há cerca de 2 anos.

    Um abraço e um beijo no Latíssimo do Dorso a vcs.

  • Olá caros Mathias, Filipe e demais envolvidos,

    Gostaria de parabenizar pelo grandioso trabalho que vocês fazem na curação do podcast. É uma das minhais principais maneiras de me informar sobre política internacional, e ouço religiosamente no meu pedal de 40 Km (ida + volta) da minha casa em Sleidinge até meu trabalho em Zwijnaarde, aqui nos Flandres belgas.

    Gostaria de mandar um beijos para minha esposa Gislene que é agente da aduana no porto de Ghent (também aqui na Bélgica), e que também ouve o podcast pedalando até o trabalho (e reclamando do Brexit).

    Um grande abraço,
    Antonio Ribeiro

  • Marcos Vinícius Foppa

    Prezados Mathias e Filipe,

    Apenas com relação à questão da extradição, gostaria de fazer uma pequena correção jurídica.
    Parece-me que mencionaram não extraditar o Brasil para países que apliquem pena de morte ou prisão perpétua.
    Contudo, a informação está equivocada, pois a Lei de Migração expressamente admite esta possibilidade, desde que o Estado requerente comprometa-se em comutar a pena em privativa de liberdade, respeitado o limite de 30 anos de cumprimento (art. 96, inciso III, da Lei 13.445/17). Isso porque este é o máximo admitido pelo Código Penal brasileiro quanto ao tempo de encarceramento (Código Penal, art. 75).
    Ressalto que mesmo antes da Lei de Migração já havia previsão similar no revogado Estatuto do Estrangeiro, e que a jurisprudência do STF é vasta neste sentido.
    No mais, não posso deixar de parabenizá-los pelo brilhante e inspirador programa.

    Um grande abraço.

    Marcos Foppa.
    Joinville/SC
    Analista do Ministério Público do Trabalho.

  • Eu e a Infanta Letícia agradecemos o abraço do programa passado, assim como as parabenizações vindas de toda a galera da Chancelaria pelo nascimento dela. Muito obrigada mesmo gente, é um momento de muita alegria para mim, mas também de difícil de adaptação e a companhia de vocês ajuda uma mãe a não surtar, hehe.

  • O Matias pode ficar tranquilo ao comparar Dragon Ball com Lobo Solitário, pois são dois mangás que não possuem uma “rivalidade” entre si, e Lobo Solitário é respeitadíssimo (por motivos óbvios). Se fosse Dragon Ball e Naruto as pessoas poderiam até ficar mais irritadas, porém…

    Aproveito o momento pra recomendar também o mangá “Marcha Para a Morte” do mangaká Shigeru Mizuki, um mangá meio autobiográfico sobre a segunda guerra, pois o autor lutou nela e perdeu um braço em combate. Tem uma edição brasileira do mangá que saiu pela editora Devir, recomendo bastante.

  • Gabriel Narciso Pareja

    Sério, preciso duma luz que só vocês podem me dar!
    O atual governo está usando isto para conseguir votos?
    Eles estão querendo apoio do “cidadão de bem que acha que Yeti bom é Yeti morto”?
    Eles querem uma desculpa para mobilizar tropas em direção à China?
    Está rolando algum evento hindu tipo o “primeiro de abril”?
    Querem educar a população contra notícias falsas nas eleições usando um exemplo prático?
    Estou sem entender esta, por enquanto:

    https://mobile.twitter.com/adgpi/status/1122911748829270016

  • Um exemplo claro do racismo cultural que foi mencionado no episódio:
    Robinson – notório advogado do Brexit – tirou uma foto com o Ederson Moraes do Manchester C. pra se promover com um token de imigrante pró-Brexit… Só pra depois tomar uma invertida bonita do goleiro!

  • Oi Felipe e Matias! Ouço o podcast religiosamente já faz dois anos e nunca mandei mensagem, mas dessa vez preciso agradecer: nesse final de semana representei o USP Debate no Campeonato Mundial de Debates em Língua Portuguesa, em Lisboa. O campeonato teve participantes de muitos países lusófonos e o Xadrez Verbal me salvou em vários temas como por exemplo Belt and Road Initiative, Moçambique, questão nuclear e com exemplos internacionais para argumentos de todas as naturezas. Com a ajuda de vocês, consegui vencer na categoria de iniciados e trazer o título mundial pro Brasil!

    Abraço, Alice

  • Guilherme Castilho

    Olá caros Mathias e Filipe.
    Sobre essa questão sobre a palavra mulato eu também ouvi a Mary del Priore falando sobre a origem dela no podcast “Presidente da semana” sobre o Nilo Peçanha.
    Aliás, nesse episódio inclusive achei bem polêmico algumas coisas que ela falou sobre o racismo no Brasil da época.

  • Com toda certeza Jesus não comemorava o natal. Ele chamava esse dia de “aniversário”.rsrsrsrsrs

  • Com toda certeza Jesus não comemorava o natal. Ele chamava esse dia somente de “aniversário”.rsrsrsrsrs

  • Alexis Petri Costa

    Filipe, Matias, achei um tempo para fazer um pequeno survey sobre a questão entre a França e os blocos do Franco CFA. Saiu alguns episódios defasado, bem na hora que o Luigi di Maio acerta uma, mas espero que agregue à discussão. Link: http://bit.ly/FGV_Invest22
    Como sempre, parabéns pelo programa. Abs

  • Sobre a Venezuela. O Presidente que a mídia da esquerda classificou como “MODERADO” (MUITAS, muitas aspas nisso) disse em relação ao tanque que atropelou diversas pessoas que: “Ninguém mandou entrar na frente dos tanques”.
    A cara da esquerda latino-americana, hipócrita, autoritária e amoral (no pior sentido maquiavélico possível).
    https://www.elpais.com.uy/informacion/politica/hay-ponerse-delante-tanqueta-dijo-mujica-incidente-venezuela.html

  • Caio Otávio Augusto

    Olá caros Filipe e Matias,
    Apenas gostaria de agradecer imensamente pelo trabalho de qualidade impecável, que vocês promovem toda semana. O programa ajudou-me a ingressar no curso de Farmácia da UFBA. Ouço os senhores desde 2016, e desde então os episódios vem sempre melhorando, inclusive as piadas do Sr. Matias.
    Abraços 🙂

  • Está analista econômica é uma diversão só, usou uma definição genérica de governo populista para colocar dentro dele o surgimento de partido de direita e mesmo tempo queria colocar a Cristina Kirchner.

    Usar da falácia do espantalho é muito bom de se ver na prática e divertido.

  • Opa! Me mandem um salve no programa. Escuto vocês percorrendo de mountain bike as trilhas da Serra de Calçada na região de Brumadinho e Nova Lima, em Minas Gerais.

  • Olá, Filipe e Matias! Eu também fiquei curioso sobre a evangelização católica em Sri Lanka. Aproveitei, então, que um missionário filipino está em missão na capela onde eu sou voluntário. Nós já havíamos conversado bastante sobre o catolicismo na região, então imaginei que ele soubesse me responder com melhores detalhes, a resposta dele foi a seguinte.

    O contato do país com o Cristianismo vem desde o Cristianismo Primitivo, a fé cristã chegou à ilha de Ceilão pelo etíope convertido por São Filipe, acontecimento referido em Atos dos Apóstolos. A referência mais antiga à presença de cristãos em Ceilão data de 535, e deve-se a um mercador alexandrino. Segundo ele, a comunidade era constituída majoritariamente por persas que ali moravam, com um presbítero ordenado na Pérsia e um diácono.

    Porém, com a chegada dos portugueses à região, foi levado o Catolicismo moderno. A evangelização, em contraste à realizada no Brasil, foi feita por missionários franciscanos, dominicanos e agostinhos. O catolicismo fora muito bem recebido pela população local e não sofreu perseguição das autoridades, o Sri Lanka na época se dividia em três reinos. Todavia, com a chegada dos holandeses e eventuais acordos entre os flamengos e as autoridades nativas, os católicos passaram a ser perseguidos e exterminados. Isso gerou uma grande quantidade de mártires, entre eles o beato José Vaz, santificado pelo papa Francisco há 4 anos. Ele se fez passar por escravo para poder entrar em Ceilão, onde teve por costume visitar as casas católicas, a fim de assegurar o acesso aos sacramentos. Em 1694, chegou a conseguir permissão da parte de um dos três reis, que havia entrado em desacordo com os holandeses, para reconstruir as igrejas católicas nos arredores da cidade. Até 1711, quando veio a falecer, converteu cerca de 30 000 cingaleses.

    Desde então, não existem mais relatos de missões portugueses à região, esse papel fora substituído séculos mais tarde pelos próprios filipinos. Hoje há um grande fluxo de missionários filipinos para a região, afim de manter a fé católica entre a população.

    Como fonte e referência bibliográfica, ele citou o livro Dicionário de História Religiosa de Portugal.

  • Gabriel Quaresma

    Sobre a notícia do “poema” neonazista, em alemão a cor marrom (braun) está fortemente associada ao partido nazista (o marrom era cor do uniforme do partido). Já o sufixo “-au” pode ser tanto uma ilha fluvial quanto uma região alagadiça. “Braunau am Inn” ficaria algo como “banhado marrom junto ao rio Inn” ou “banhado nazi junto ao Inn”

    Saudações da chucrutelândia

  • João Leonardo Silveira

    Olá Filipe e Matias,meu nome é João Leonardo,primeira vez que comento,acompanho o Xadrez Verbal desde o começo de 2016,sou grande fã,ontem vulgo dia 2 de maio foi meu aniversário,nasci exatamente no mesmo dia e ano do suicidio do Justin Fashanu,e um tema semelhante ao que vocês abordaram nos ultimos podcasts,sobre exposição,já que Justin foi acusado,mas até hoje não tem provas,manda um abraço,só estudande de Análise e Desenvolvimento pela Policamp,aqui de Campinas,mas sou gaucho,e torço para o maior do Sul,O GRANDE COLORADO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.