Xadrez Verbal Podcast #134 – Europa, Oriente Médio e Peru

Uma era se encerra. Pedro Pablo Kuczynski torna-se o primeiro líder sul-americano cujo mandato se iniciou e foi encerrado enquanto existe o podcast do Xadrez Verbal. O Peru agora passa por um momento de crise política e indecisão, mais um reflexo das políticas do Odebrechtquistão. Com a renúncia de PPK, vão com ele um mar de trocadilhos.

Além da situação peruana, fazemos um tour pela Europa, de Londres até Moscou, de Sarkozy preso a Putin reeleito. Também vamos ao Oriente Médio, onde Israel, para surpresa de ninguém, admitiu que atacou um possível reator nuclear sírio em 2007. Também falamos onde se informar sobre o escândalo do Facebook, giramos pelo mundo, a semana na História, peões e dicas culturais fecham mais um podcast do Xadrez Verbal!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Dicas do Sétimo Selo e links

Documentário Virunga

Canal Físico Turista, do Caio Gomes

Perfil da Tatiana Dias no Twitter

Viracasacas #53 Futebol & Resistência com Matias Pinto

Livro La Garganta Poderosa

Música Você Foi Embora da Graforréia Xilarmônica

Playlist das músicas de encerramento do Xadrez Verbal no Spotify

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.
Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

Anúncios

33 Comentários

  • Quem nunca PPKou que atire a primeira pedra.
    Lamentavel perda para os nossos trocadilhos.

  • O Peru não terá PPK na Copa do Mundo. Será que ele vai murchar e ficar caído no campeonato. Vai ser necessário muito apoio, consolo e estímulo à autoestima do Peru, e torcer que apareça alguém que reaqueça seu ânimo e permita que ele se levante e alegre novamente!

  • Quanta onça!
    Desse jeito a Venezuela terá muito mais onças que Amazônia, Pantanal e Mata Atlântica juntos!

    P.S.: As onças da Venezuela são rycas, são douradas, enquanto as daqui apenas se pintam de amarelo.

    P.S.2: Brincadeira a parte, acredito que mais de 90% dos ouvintes, assim como eu, não conhecemos a fundo essas unidades de medida “excêntricas” do Reino Unido/EEUU. Acho que cabe traduzir para o sistema métrico pois eu só entendi que é onça a sair pelo ladrão, mas não consigo ver isso em toneladas de ouro.

  • Olá, parabéns por mais um excelente programa!

    Gostaria apenas de fazer duas correções e uma observação:

    – A primeira correção é sobre a definição de Peão Isolado no xadrez. Um peão isolado é assim chamado quando não há peões da mesma cor nas colunas adjacentes, ficando assim sem suporte de peões aliados, ou seja, isolado;
    – A segunda é sobre a promoção de peões. Foi dito que pode-se promover um peão para uma rainha “caso ela já tenha sido descartada”. Na verdade pode-se promover para qqr peça (exceto para outro peão ou rei), tenham ou não sido capturadas. Inclusive existe uma partida jogada por um GM em que determinado momento haviam SEIS damas no tabuleiro!!!

    E a observação é apenas sobre a nomenclatura. Apesar do nome em inglês ser QUEEN, convencionou-se chamar a peça de DAMA nos países lusófonos. Obviamente isso não altera o entendimento e não vejo problema em chamar a peça de rainha. Mas em algum momento chegará um chato de galochas e dirá que “mimimi rainha não existe” “mimimi jogador de xadrez não chama de rainha”…

    Grande abraço a vcs e continuem fazendo programas maravilhosos!

    • Subscrevo sobre a bagunça enxadrística ou, como diziam as crianças mais legais que passaram a adolescência no tabuleiro, sobre a capivarada.

      Aliás, podiam chamar a seção de erratas do programa de “Capivarada”. Fica a sugestão.

      Parabéns pelo trabalho!

    • Programa sensacional como sempre! Subscrevo os comentários enxadrísticos do colega 😁
      Como curiosidade, acrescento que a rainha chama-se Dama em português por causa da notação das partidas, já que a abreviação “R” já corresponde ao Rei.

  • Felipe, me tira uma dúvida. Porquê partidos de extrema direita recebem destaque, mas alguém ser eleito por partidos comunistas é visto como algo normal? E,

  • André Felipe Mendes

    Pessoal, quem sou eu pra corrigir vocês, mas só gostaria de fazer um singelo comentário sobre duas terminologias enxadrísticas. O Filipe comentou que o peão isolado é quando tem um peão na frente dele e ele não consegue se mover. Na verdade esse termo designa um peão que não possui peões aliados nas colunas adjacentes, então ele fica isolado em relação aos outros peões. Andrés Philidor cunhou o termo. Outro comentário é a respeito do peão promovido. Filipe comentou que a promoção do peão consiste em resgatar uma peça já descartada. Na verdade consiste em transformar aquele peão em qualquer outra peça, que não seja o Rei. Temos muitas partidas no xadrez que terminam com mais de uma rainha em um dos lados. A partida jogada em 1959, no Torneio de Candidatos, entre Fischer x Petrosian, relatada no livro “Mis 60 Mejores Partidas”, de Bobby Fischer (partida 16), termina empatada e em um determinado momento ambos os jogadores dispõem de 4 damas (ou seja, não precisou que uma fosse descartada).

    Obrigado por mais um programa interessantíssimo, pessoal. Um grande abraço!

  • Como sempre excelente o programa! Devo agradecer pelo serviço prestado, nos ajudando a acompanhar o cenário internacional de uma maneira tão agradável.
    Gostaria de fazer apenas um remarque que acredito que aumentaria muito a qualidade do programa, seria um trabalho junto a professora Vivian Almeida para a gravação do cambito da dama em ambientes com menos ruídos, pois os áudios em alguns episódios, como o dessa semana, chegam a um nível de incomodo muito grande.
    No demais, continuo um grande fã do trabalho de vocês! Grande abraço!

  • Olá, é a primeira vez que comento por aqui.

    Parabéns pela produção. Tenho ouvido todas as semanas nos últimos meses. Assim como relatados por outros ouvintes, me acompanha ao lavar louça e outros afazeres domésticos.

    O programa me ajudou bastante a sistematizar as informações internacionais. Sempre gostei de assuntos militares e agora, vou agregando outras informações.

    O fim dos trocadilhos do PPK vai gerar saudades: a história da mão invisível que faz o peru crescer foi demais!

    Quanto a questão da professora finlandesa de capoeira é só uma demonstração da diversidade cultural. Nossos judocas medalhistas nas Olimpíadas, em pouquíssimos casos foram de origem japonesa. O melhor exemplo é a Rafaela Silva…

    Abraços e Parabéns pelo Trabalho!

  • passando pra dizer 2 coisas:
    1: politica internacional é como uma creche q algumas crianças tem armas nucleares
    2: agora q eu coloquei em dia o ep do fronteiras invisiveis do futebol da russia parte 1.
    mas vcs n facilitam lançando o programa logo q eu consegui tirar alguma coisa da lista de podcasts atrasados

  • Programa muito bom! Não sabia sobre a situação atual da Líbia, muito triste.
    E o Matias tem toda razão, o trânsito daqui de Floripa é horroroso, que ver nas ruelas que passa ônibus e só pode passar um carro por vez, daí coincide de vir um carro de cada sentido e, depois, um tem q ceder e dar a ré para dar passagem para o outro.Sobre as pontes, são usadas como campanha eleitoral, depois de eleitos os caras só enrolam e não fazem nada, além de servir para desviar dinheiro público com a desculpa das reformas delas.
    Gostei do quadro da prof. Vivian, agora churrasco de melancia é forçar a amizade hehe cenoura assada e abacaxi ficam bons 🙂

    • Sim, aqui o trânsito é terrível. O problema das pontes é onde construir outras, já que em outros lugares a distância pro continente é maior, isso quando não é em local com praia ou protegido ambientalmente.

  • Fernando Copercini

    Vladimir Putin está no poder há tantos anos e eu nunca ouvi a voz dele.

  • Comentário rápido, só pra avisar de um pequeno deslize que foi citar a pronúncia luso fônica de James (tanto para Jaime quanto para Tiago) mas não o fizeram para Elizabeth que seria Isabel

  • Oi, pessoal! Excelente programa, como sempre.
    Sobre Floripa, como ex-habitante da ilha (e olha q sou apaixonada por aquela cidade), o trânsito é realmente um inferno. A mobilidade de Floripa é o único contra da cidade, mas é um baita contra.
    Ademais, estou passando só pra fazer uma pequena precisão, ja que é o segundo programa que vcs falam isso: os EUA não estão bloqueado o mecanismo de solução de controvérsias da OMC, ‘apenas’ a escolha dos membros do órgão de apelação. Isso significa q uma disputa pode ser iniciada e inclusive resolvida até chegar em nível de apelo por meio de consultas e dos painéis (meio que a primeira instância do sistema). Isso não significa, claro, que não tem.sérios problemas envolvidos com esse bloqueio do órgão de apelação. Por enquanto ele ainda está funcionando, ainda que com menos juízes, mas em breve ele pode ser paralisado. Os EUA alegam estar fazendo isso pra forçar uma reforma no sistema,que de fato tem alguns problemas principalmente devido ao papel que alguns estudiosos dizer ser ativista que o OAp tomou nos últimos anos diante da estagnação dos rounds de negociação. Até que ponto essa agenda estadunidense é legítima ou não, aí a discussão é outra. Mas o fsto é que o sistema de resolução de conflitos ainda está funcionando, ainda que ameaçado, e mesmo que o OAp paralise, ao menos os dois procedimentos iniciais (consultas e paineis) ainda podem ser acionados.

    Falando nisso tudo, seria muito legal fszer uma coluna de direito internacional. Mesmo que não dê pra ser semanal, devido à disponibilidade da prof. Ana Luisa, ao menos uma vez por mês poderia rolar, né? Fica a sugestão 🙂
    Peço desculpas pelo comentário longo.

    Abraço!

  • aí quando é q vcs vão participa d uns eventos, seminários ou palestras?
    to loco pra tira uma fota com Felipe

  • Marta Rodrigues Martins

    Eu não tenho nenhuma maturidade para ler esse título do podcast. Não tenho. Ri horrores enquanto esperava terminar de baixar. Vocês estão de parabéns, esse podcast é sempre magnífico

  • GABRIEL COSTA OLIVEIRA

    Olá, um grande abraço a todos, melhor programa da internet . Sobre o último fronteiras, uma prova da grande mistura entre norte e nordeste brasileiros e que muitos bairros como os de Belém levam o nome de fatos históricos nordestinos. Canudos, por exemplo é o nome de meu bairro em Belém.
    Gostaria muito de ver um fronteiras sobre o Pará e a grande revolta da cabanagem

  • Flávio Gurgel Paulino Murta

    Excelente podcast mais uma vez. Abraços do ouvinte provavelmente mais próximo do Equador do Xadrez, 0°0’17″N (Macapá/AP).

  • Parabéns pelo programa. Sobre a morte do rinoceronte, a principal causa de morte desses animais não é a caça esportiva e sim a caça para o tráfico do seu chifre que chega a ser vendido por US$ 250 mil.

  • Uma pequena correção quanto ao Sudan, ele não foi o último rinoceronte branco macho vivo, mas o último da sua subespécie, os rinocerontes brancos do norte, Ceratotherium simum cottoni (não sei colocar itálico aqui). Existem os rinocerontes brancos do sul, Ceratotherium simum simum, felizmente mais abundantes que a outra subespécie. Não deixa de ser um triste marco para a diversidade genética do planeta, mas não é (ainda) o fim dos rinocerontes brancos.

  • Olá Felipe e Matias, sou fisioterapeuta e apaixonada por História. Ouço o programa todo domingo, junto com meu marido que é biólogo e igualmente fã do trabalho de vocês.
    Aproveito o espaço aqui pra passar uma informação, esse artigo do The Intercept Brasil que fala sobre a nomeação de John Bolton e um fato curioso: uma mega treta entre ele e o diplomata brasileiro (hoje aposentado) José Maurício Bustani, que presidiu a Opaq até 2002, quando foi sumariamente destituído por insistência do governo americano. Bustani conta que chegou a ser ameaçado pelo próprio Bolton, que ordenava sua renúncia insistentemente. A motivação: os trabalhos da Opaq ameaçavam os planos da invasão ao Iraque. Leiam o artigo e entendam.
    Abraço e até domingo. Com ou sem PPK. rsrs
    https://theintercept.com/2018/03/28/trump-jose-bustani-john-bolton-iraque/

  • Parece que vivemos na época da censura total de novo; não dá nem para falar sobre o que acontece aqui no Brasil com a negociação dos votos para o processso de impeachment do presidente. Uma vergonha. Apesar de tudo, ótimo programa! Parabéns! De Itabira/ MG, terra de Carlos Drummond de Andrade e da Vale.

  • Caros, vou encher o saco de vocês por mais uma correção de política colombiana.

    O Gustavo Petro não é nem de perto afim do partido de la U do presidente Santos. Ele é um independente que militou na guerilha do M19 e agora está de segundo na intenção de voto detrais do candidato do Uribe (Iván Duque)
    O partido de la U não tem candidato, mas muito provavelmente vai apoiar a Germán Vargas Lleras do partido Cambio Radical ou na final apoiaram o Duque.

    Se os senhores vão fazer algum informe sobre as eleções na Colômbia eu poderia muito humildemente ajudar um pouco. Sou colombiano e acompanho de maneira relativamente atenta as eleções para presidente do meu pais.

    Abraço e disculpem pelo meu portuñol

  • melhor titulo e subtitulo de podcast ever!!!

  • Parabéns pelo programa! Sempre sensacional! Melhor companhia possível para corridas e academia!

    Sobre o tom dos tweets da Embaixada Russa no Reino Unido: será que isso é algo institucionalizado dentro do Ministério das Relações Exteriores de Moscou?

    Pergunto isso porque me espantei com o tom não muito diplomático da resposta do Embaixador russo na Austrália, Grigory Logvinov, a uma reportagem do jornal The Australian (o qual não tenho o link, portanto não li, infelizmente).

    https://australia.mid.ru/web/en/home/-/asset_publisher/DbqAcLJPvgJD/content/comment-of-the-ambassador-of-the-russian-federation-to-australia-grigory-logvinov-another-rusophobic-lie-in-the-australian-?redirect=%2Fweb%2Fen%2Fhome%3Fp_p_id%3D101_INSTANCE_DbqAcLJPvgJD%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-2%26p_p_col_count%3D1%26_101_INSTANCE_DbqAcLJPvgJD_delta%3D5%26_101_INSTANCE_DbqAcLJPvgJD_keywords%3D%26_101_INSTANCE_DbqAcLJPvgJD_advancedSearch%3Dfalse%26_101_INSTANCE_DbqAcLJPvgJD_andOperator%3Dtrue%26p_r_p_564233524_resetCur%3Dfalse%26_101_INSTANCE_DbqAcLJPvgJD_cur%3D3&inheritRedirect=true

  • Racismo nas festividades de natal na Holanda – Blackface

    Apresento-lhes o Black Pete (Zwarte Piet), personagem negro que os holandeses acham legal se fantasiar nas festividades de natal:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.