Fronteiras Invisíveis do Futebol #46 – Trégua de Natal

Mais um Fronteiras Invisíveis do Futebol, especial para você ouvir durante as celebrações de Natal. O tema do programa de hoje é a trégua de Natal de 1914. Não sabe do que se trata? Não conhece o clipe de Paul McCartney? Vamos contar o que foi e como, mais uma vez, o futebol e o esporte ajuda a explicar a sociedade e a História.

Falando em História, se era uma trégua, era uma pausa no que? Na Primeira Guerra Mundial, um dos maiores conflitos da humanidade. Vamos explicar as principais origens e desdobramentos da guerra e por qual motivo tivemos uma trégua apenas em 1914. Então, prepare a comilança, reúna a família, encha os copos e dê play no seu podcast de História preferido!

Referências no programa

Livro A Primeira Guerra Mundial, de Lawrence Sondhaus

Livro World War I, de Hp Willmott

Filme Feliz Natal

Filme Sem Novidade no Front

Música O Tannenbaum, versão de Vince Guaraldi Trio

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa.

Assine um dos feeds do Fronteiras Invisíveis do Futebol e não perca nenhum programa: feed RSS, feed do iTunes e feed Player.FM, feed Deezer e feed Pocketcast

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, confira o restante da programação aqui.


assinaturaFilipe Figueiredo, é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.


Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.


Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.


Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

botãocursos

Anúncios

10 Comentários

  • Muito foda esse podcast !! sou muito fã de vocês!

  • Sobre as derrotas da armada britânica na IGM, temos que lembrar da batalha de Gallipoli quando as tropas britânicas (ANZAC) foram escurraçadas pelo exército otomano no evento que criou o mito de Mustafá Kemal (depois Ataturk) que teria pedido aos seus soldados que morressem naquela batalha. A vitória otomana espalhou uma onda de otimismo no Império e no seio dos Jovens Turcos que acreditavam que poderiam vencer a Guerra e voltar a ter um império multicontinental. Alguns autores dizem que foi desse sentimento de onipotência que veio a martelada para a execução do genocídio armênio… excelente programa, como sempre!

  • Sobre o enfrentamento entre Itália e Império Austro-Húngaro na Primeira Guerra Mundial, uma das grandes consequências foi a anexação de parte do Tirol pelos italianos. O Tirol é uma região nos alpes, entre Itália e Áustria, que possuiu cultura própria e sua população fala tanto o alemão quanto o italiano. Hj ele está dividido entre a Itália (Região do Trentino-Alto Ádige) e Áustria (Estado do Tirol). A região italiana ainda é dividida em duas províncias, Bolzano e Trento, sendo que em Bolzano a imensa maioria da população fala alemão. Trentino-Alto Ádige é uma região que possuiu uma grande autonomia dentro da Itália, e atualmente possui o segundo maior PIB per capita na velha bota.

    A introdução acima é pra falar sobre a grande imigração de Italianos e “Italianos” no Brasil. Um percentual significativo dos italianos que vieram ao Brasil eram na verdade tiroleses, ou seja, Austo-húngaros, pois a anexação deste território pela Itália só ocorreu em 1918, quando a grande imigração para o Brasil já havia ocorrido. Simplificando a história da perda de identidade dos tiroloeses italianos, o governo brasileiro classificava de italiano todo imigrante que falava italiano, enquanto isso na Itália o fascismo de Mussolini que reprimiu essa característica regional e tentou impôr à força a italianização da região, que acabou refletindo aqui no Brasil, portanto essa cultura foi sendo esquecida aos poucos e com o tempo os tiroleses falantes de italiano acabaram se incorporando na cultura dos demais imigrantes italianos com que dividiam as novas terras.

    Descobri essa história toda quando eu e meu irmão tentamos fazer a cidadania italiana e foi negada, pelo fato de nossas famílias, tanto materna quanto paterna, não serem imigrantes italianos, mas sim imigrantes austro-húngaros da região do Tirol e falantes de Italianos. No fim acabamos conseguindo a cidadania por uma vertente Vêneta da família. Anteriormente o governo italiano, mediante a grande demanda por cidadania de tiroleses italianos, abriu uma janela temporária entre o ano 2.000 até 2.010 para que estes descendentes conseguissem a cidadania, após essa data não é mais possível.

    E sobre as batalhas nos Alpes, no cume do Monte Grappa, há um gigantesco memorial militar lembrando dos soldados que perderam a vida na primeira guerra mundial. É um dos maiores ossários da guerra, no setor norte estão 10.295 austro-húngaros (muitos tiroleses que, obviamente guerrearam pelo exército do Império Austro-Húngaro) e no setor sul 12.615 italianos.

    Parabéns pelo programa.

  • Antes de mais nada, Tenham boas festas! Um ano de muito trabalho e imagino que de Muito crescimento. Quero deixar uma pequena curiosidade, a música tocada no final do episódio era conhecida por mim e pra minha família como a música de Natal do Especial ” O Natal de Charlie Brown”. Onde curiosamente o protagonista tem que ler o livro ” Guerra e Paz” durante os preparativos das festas de final de ano.
    Grande abraço. E recomendo a animação, está disponível no Facebook.

  • Vitor Aloisio Guia

    Olá, gostei muito do programa. Como mencionado que a trégua não agradou os superiores de diversos lados do conflito eu gostaria de fazer um adendo . . .
    Os superiores ficaram com medo que incentivasse revoltas e deserções que eram mais comuns no fronte oriental da guerra. Incentivos para os soldados se revoltarem contra seus superiores o que levaria as Revoluções Russas.
    Embora no dia trégua a Russia não estivesse em uma revolução. Já era possível ver motins.

  • Mandem um abraço para Andrea Güsser, minha namorada! Ela está aprendendo português ouvindo vocês (olha a responsabilidade que vocês têm) e se diverte com as pronúncias de vocês em alemão. Sempre ouvimos xadrez verbal viajando de Viena para Graz para visitar os pais dela.

  • Pingback: Pupilas De Segunda #85 - Expectativas para 2018 -

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s