Xadrez Verbal Podcast #123 – Jerusalém, neutralidade na rede e TPI

Programa de hoje com duas presenças especiais! Um convidado inédito e conhecido na internet brasileira, Marco Gomes, nos brinda com uma análise sobre a decisão nos EUA de abolirem a neutralidade na rede e quais os problemas disso. Já a nossa querida e habitual Ana Luisa Demoraes Campos nos ensina sobre o novo aspecto do Tribunal Penal Internacional.

Comentamos sobre o apoio dos países muçulmanos aos palestinos e a decisão de reconhecerem Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina. Economia com a professora Vivian Almeida, giramos pelo mundo e pelo Odebrechtquistão, a semana na História, os peões, dicas culturais e um menino Neymar de capuz branco fecham o programa 123 do Xadrez Verbal!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Dicas do Sétimo Selo e links

Livro Encontro com Rama

Filme Tony Madero

Música (Sittin’ On) The Dock Of The Bay, de Otis Redding

Playlist das músicas de encerramento do Xadrez Verbal no Spotify

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.

Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

Anúncios

29 Comentários

  • Se o Odebrechstão tem negocios nos EUA??? SE??? Precisa perguntar??? Olha o site: http://www.odebrechtusa.com/projects

    O Odebrechstão tá na Florida desde 1991 e recebeu do governo apenas U$4 bilhões em licitações no periodo até então (via Miami Herald). Entre as obras da Odebrechstão vc tem: American Airlines Arena, ginásio do Miami Heat e reformas e novos terminais sendo construidos nos aeroportos de Orlando, Ft Lauderdale e Miami.

    Em abril de 2017 o Odebrechstão foi condenado por suborno na corte distrital de NY a pagar $2.6B em multas, desse montante, $93M pros EUA, $116M pra Suiça e $2.4 bilhões pro Brasil. (via Reuters) Disponham!

  • O exemplo dado para Portugal na coluna sobre neutralidade de rede é um subtópico do assunto, o zero rating (Portugal segue em teoria a legislação europeia de neutralidade da rede).

    A imagem que circulou no Twitter do plano Smart Net de dados móveis da operadora MEO – é possível comprar pacotes adicionais de dados para certos tipos de serviços: vídeo, e-mail, música, mensagens e redes sociais (isso também tem em algumas operadoras na Europa e no Brasil).

    Nada impede de navegar e usar aplicativos terceiros sem assinar esses pacotes, mas os dados regulares são consumidos.

    Imagem: https://commons.m.wikimedia.org/wiki/File:Screenshot-2017-10-28_MEO_-_Televis%C3%A3o,_Internet,_Telefone_e_Telem%C3%B3vel.png#mw-jump-to-license

  • Caros Filipe e Matias, sou ouvinte de carteirinha de Belo Horizonte e tenho o pesar de informar que não, dia 12 de dezembro não foi feriado em BH… Tivemos vários eventos, shows na Praça da Estação (com o Skank, é claro) e bolo gigante. Faltou só distribuição de pão de queijo (para reforçar o estereótipo, rsrs). Lembrando ao Matias que a cachaça mineira é, de fato, muito boa, mas nós últimos anos a região de BH vem se destacando como um polo de cervejarias artesanais, muitas das quais já premiadas internacionalmente. Um abraço!

  • Ver o Marco Gomes (o mesmo que fez um post elogiando Marighella) falando de liberdade é de cair o cu das calças.
    Libertários, ou seja, quem realmente defende a liberdade, são contra o estado regulando a internet, parece meio óbvio, mas essa esquerda caviar é meio confusa mesmo. O cara está nos estados unidos, mas parece que não aprendeu coisas simples como “não existe almoço grátis”. Ainda diz orgulhoso que foi na ONU organizacoes de estados, defender o que? Regulações e proibições……Defensor da liberdade? Que piada.

  • Inspirado na galera que manda comentários sobre jogos, esse ultimo podcast do xadrez eu ouvi usando editor de dados SCIDAVIS, (os dados eram sobre tratamentos térmicos do aço 1070 pois curso engenharia de matarias). se possível manda um abraço pra minha crush …. a melhor forma de conquista-la será com politica internacional kkkkkkkk o nome dela é Izabela mariano…. obrigado vocês são demais.

  • Sobre a corrente que fala do que cada um faz enquanto escuta ao Xadrez Verbal: Sou Augusto Vilela, 15 anos, e estudo o curso técnico em edificações integrado ao ensino médio, no IFG de Aparecida de Goiânia. Escuto ao podcast escrevendo gigantes e maravilhosos relatórios semanais de ensaios de granulometria e dosagem de concreto, inclusive sofrendo de erros causados pelas infames piadas do Matias kkkk. Quando não estou fazendo relatórios, escuto o programa jogando a versão de XBOX 360 do jogo Civilization Revolution ou Skyrim, e já “platinei” o primeiro jogo duas vezes com essa prática kkkk.
    Um apêndice: Acompanho vocês dês do episódio 59 e em diversas ocasiões usei muitas das coisas que aprendi ouvindo o programa, mesmo não sendo da minha área. Consegui responder várias questões de vestibulares, sendo a mais recente na primeira fase do PAS da UFLA (Universidade Federal de Lavras), que haviam duas questões sobre geopolítica: A primeira sobre Bashar al-Assad e a situação na Síria; A segunda sobre o Brexit. Ambas corretas graças a vocês kkkk.
    Muito obrigado e continuem fazendo esse ótimo trabalho.

  • Infelizmente não foi feriado em BH dia 12/12. Nem deu pra comemorar rsrsrs Mas na cidade de Ouro Branco foi, em comemoração a emancipação da cidade. Vai entender…
    Programa maravilhoso, como sempre! Tenho recomendado o Xadrez Verbal (e o Fronteiras) pra todos!
    Abraços!

  • E ai, Felipe e Matias! Dando continuidade à corrente, eu costumo ouvir o podcast indo para o trabalho. Moro em Ilhéus-BA, mas trabalho em Itabuna-BA. Em outras palavras, ouço enquanto jogo Baianocarro Simulator.

    A propósito, Matias se surpreende com Eurotruck Simulator, mas será que ele já conhece o fantabuloso Goat Simulator? Sim, é exatamente o que parece ser pelo nome.

  • Quando ouvi sobre a abertura das salas de cinema na Arábia Saudita, lembrei de “O sonho de Wadjda”, excelente filme, o primeiro a ser rodado totalmente no país. Conta a história de uma garota de 12 anos que deseja andar de bicicleta como seus amigos meninos e a partir disso confronta o papel da mulher na sociedade saudita.

    Demorou cinco anos pra ser produzido e enfrentou muitas dificuldades durante seu processo, fica a sugestão.

  • Ótimo programa, pessoal! Como sempre. O nome da técnica usada no jazz e às vezes no soul é scat, foi criada pelo Louis Armstrong e aperfeiçoada pela música afro seguinte.
    Na verdade o artigo 76 da constituição Argentina pré-emenda de 1994, esse que requeria do presidente da República e do vice que fossem católicos romanos, e que ainda atribuía ao congresso nacional o dever de “promover a conversão dos povos originários” argentinos ao catolicismo, foi derrogado com essa mesma emenda. A grande controvérsia jurídica que resta no status religioso do Estado argentino é o artigo 2° da constituição, que foi o resíduo confessional restante da depuração feita em 1994. Ele diz que: ” El Gobierno federal sostiene el culto católico apostólico romano”, ou seja, o Estado argentino é de alguma forma responsável pela manutenção do culto católico no país. A celeuma sobre as implicações e a maneira correta de se interpretar essa ‘manutenção’ é longa e complexa (uma celeuma religiosa longa e complexa, uow!) Mas a adequação da norma aos fatos feita pelo congresso argentino já deixou claro que a manutenção a que se refere o artigo tem um caráter tipicamente financeiro, e não jurídico ou qualquer outra característica típica de um Estado confessional. uma boa leitura exegetica do tema eu encontrei aqui (https://laicismo.org/2016/argentina-acerca-del-art-2-de-la-constitucion/152852)*.
    Basicamente o projeto de nação elaborado em 1853 previa um país necessariamente religioso, mesmo os mais fervorosos liberais argentinos tinham dificuldades em ver uma saída completamente laica, à lá jacobina, por exemplo. O movimento que os restou foi tentar mitigar essa presença religiosa na vida civil. Uma das cabeças mais proeminentes da redação do texto de 1853 foi, por exemplo, o Juan Bautista Alberdi. Um liberal/conservador com fortes vinculações à igreja, o anteprojeto constitucional dele previa uma redação para esse artigo que dizia o seguinte: “La Confederación adopta y sostiene el culto católico y garantiza la libertad de los demás”. Ou seja, o Estado argentino adotaria e seria de fato e de direito um ente confessional. No entanto, o termo ‘adota’ não foi ao texto final, nem qualquer sinônimo, logo, a ideia que se criou para parte das escolas de interpretação constitucional argentinas é que o Estado argentino põe em um regime economicamente diferenciado o catolicismo, mas não faz profissão dele. Como eu disse o tema é longo, complexo e eu devia ter adicionado espinhoso lá em cima, há quem defenda que a simples adoção desse regime diferenciado torne a Argentina um Estado com religião, do meu ponto de vista não parece o caso. A remoção de termos como “adota determinada religião” num texto constitucional tem um valor exegetico muito poderoso! O fato de o juramento de posse do presidente ter um conteúdo manifestamente plurirreligioso e, ao contrário de anteriores, não fazer menção a deus, também (art. 93: “Al tomar posesión de su cargo el presidente y vicepresidente prestarán juramento, en manos del presidente del Senado y ante el Congreso reunido en Asamblea, respetando sus creencias religiosas, de: “desempeñar con lealtad y patriotismo el cargo de presidente (o vicepresidente) de la Nación y observar y hacer observar fielmente la Constitución de la Nación Argentina”.) Além das demonstraçoes anticonfessionais das emendas de 1994. De qualquer forma, também não parece o caso de que a Argentina seja um Estado laico puro, Estados laicos não privilegiam certos cultos a despeito de outros, financeiramente, juridicamente, ou como seja. É uma espécie de corpo híbrido, que pende historicamente aonde as circunstâncias o levam. Parece, e aqui já não é análise, é opinião, lendo algumas coisas escritas pelo Alberdi e outros juristas do século XIX que a Argentina não tem coragem o suficiente para dizer a si mesma que é laica, e nem ao mundo que é confessional.
    Abraços do centro-norte do país em Palmas!

  • Caros Filipe e Mathias, agradeço semanalmente a existência do Xadrez. Leciono Geografia para o Ensino Médio e vocês contribuem significativamente para as aulas e discussões sobre geopolítica. Obrigada pela qualidade dos programas e vida longa ao Xadrez (e ao Fronteiras, que também amo e enfim voltou, rs). Vocês são geniais! ❤

  • O programa ficou bem legal, gostei das participações tanto do Marco como da professora Ana. Agora, eu entendi melhor sobre o fim da neutralidade na rede, a explicação ficou muito boa.É algo, realmente, bem complicado e os EUA onde a liberdade individual é tida como destaque, ocorre o fim da neutralidade da Internet.Quando o Marco Gomes relatava como acontecia isso, eu ficava pensando que ñ faz sentido nenhum, é puro controle da Internet por essa megacorporações ¬¬ Imagina se é aprovado isso no BR tb e no meu pacote não tem ao acesso Xadrez Verbal, nossa eu iria ficar muito p&t%$a da vida >.<''

  • Meu querido Filipe Figueiredo, realmente a versão do Playing for Change é muito boa !!! E eu também fiquei com medo do Mathias cantar Bee Gees.
    E respondendo uma enquete um pouco passada, eu ouço o podcast jogando Crusader Kings 2, se passa um pouco antes do Europa Universalis, jogavel entre os anos de 769 d.C. (com Charlemagne – Carlos Magno) e 1453 d.C (Guerra dos 100 anos).
    Ainda em tempo, recomendo muito o livro “O Fim da Infância”, também do sr. Arthur C. Clarke.
    Grande abraço, e ótimo programa !!!

  • Só passando pra dizer que a mulherada continua conectada na outra ponta do tabuleiro, SIM!
    Adoro o Xadrez Verbal e vocês têm se superado a cada programa. Também acho que (continuando na vibe 3a série B) o Filipe teve uma overdose de Palhacitos no podcast 123, com uma piadinha atrás da outra — ri com todas, talvez eu também ande comendo muito Palhacitos. 😀
    Ah, e respondendo à corrente de “o que você faz enquanto ouve o Xadrez Verbal?”, costumo ouvir durante a faxina (bom sinal, soube que Lênin idealizava a Revolução enquanto ariava panelas).
    Um abraço e bom fim de ano pra vocês!
    Mari.

  • Opa, excelente a música de encerramento do episódio. Me lembrou de quando comecei a ouvir blues nos meus idos 9 anos de idade (por volta do ano da graça de 1988) influenciado por (acredite se quiser) “Os Irmãos Cara-de-Pau” (The Blues Brothers). Parabéns pelo excelente trabalho no podcast. Ao contrário do resto da audiência do programa, não consigo jogar e ouvir um episódio ao mesmo tempo pois meu cérebro não permite, na melhor das hipoteses, consigo ouvir na academia, lavando a louça/roupa ou passando minha camiseta pro dia seguinte

  • Estou no trabalho rindo sozinho… Gostei do efeito sonoro, “BREAKING NEWS” AGORA COM ÉQUIU.

  • A pessoa viu o PPK e riu: KKK. Que é risada em miguxês.

  • Comentário atrasado, mas PQP muito boa a musica de encerramento do programa anterior. Adoro a banda e gostei mais ainda de ver ela tocando no podcast.

  • Oiiiiii!!! Só porque vcs falaram q nenhuma menina ouve o XV, eu tô aqui!!!
    Não só ouço, mas ouvi o Fronteiras da Rússia jogando Mario is Missing no Super Nintendo do meu pai!!!! Perfeito pra uma menina que estuda Comex na FATEC!!!
    ^^

    E antes que vcs tbm perguntem, meu sobrenome francês se escreve chique – mas se fala “tejô” mesmo. Kkkkkkkk!!!

    Bjus

  • Marco Gomes se resume a ser aquele menino riquinho e chato da vizinhança que as outras crianças só brincam porque tem um super nintendo.

  • Caros, vim só pra marcar a presença das moças e dizer que amo o podcast!

  • Vim aqui só pra comentar que vocês têm ouvintes mulheres sim! Ouço tanto o Xadrez Verbal quanto o Fronteiras, até comentei no twitter que quando o Kazim chegou no Corinthians eu já sabia que ele era um inglês naturalizado turco graças a vocês. Estudo direito no Mackenzie e indico o podcast pra todos meus colegas de sala, até indiquei pro meu professor de História do Direito, que cobrou um episódiodo Anticast na prova, na próxima ele pode cobrar um dos episódios de vocês hahaha Adoro você e o Matias, mas tenho um carinho especial pela professora Ana Luiza, quando ela participa o programa fica até melhor do que já é. Beijos e bom final de ano, espero que continuem sempre com esse trabalho maravilhoso.

  • Sobre a Venezuela

    Matéria recente do New York Times fez muito buzz nas redes sociais. Realidade muito triste. nytimes.com/interactive/2017/12/17/world/americas/venezuela-children-starving.html

    Tirando a parte do Marco Gomes, o programa foi, como sempre, excelente!

  • Patricia Carbonade de Avila Serafini

    Olha só, estava eu ouvindo o podcast enquanto jogava o “Dishwasher Simulator” quando fico muito surpresa em saber que a audiência feminina não tem se manifestado. Pois bem, aqui estou eu, como todas as semanas. Escuto no fone de ouvido na esteira, no rádio do carro no trânsto da Raposo Tavares quando viajo para ver minha mãe, na caixa de som preparando o jantar, e por aí vai… Sigo o PPK no Twitter só por causa de vocês. Parabéns pelo excelente podcast.Vocês são demais! Ah, e também acompanho o Fronteiras invisíveis. Happy holidays, meninos!

  • Comparecendo pela convocatória da semana passada para comentar o programa, e dizer que apesar de nem sempre comentar não perco nenhum episódio desde que comecei a ouvir vocês, graças aliás à Soraya Silva (outra grande mulher) e perpetuei a palavra a varias amigas inclusive à Mariana Zanini que comentou aí em cima.
    E só para você saberem o Xadrex Verbal foi pauta de duas reuniões femininas essa semana, ou seja, além de vocês me fazerem companhia no longo trajeto de metrô-trem entre o bairro da Saúde e Santo Amaro também ajudam a tornar mais interessante os “encontros de mulherzinha” das seguidoras. O último programa foi excelente como sempre e hei de concordar com Filipe que a Odebrecht deve ter sido com certeza fundada em 1500, pois nada mais explica o alcance dos braços dessa corporação lançados por aí. Um grande abraços em vocês, reiterando meu crush intelectual em vossas pessoas 🙂

  • Fico no aguardo do Matias chamando o Breaking News de hoje para informar que o Peru não quis se livrar da PPK. Abraços a todos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s