Economia de Guerra, propaganda e arte: pôsteres das Guerras Mundiais

Caros leitores, ontem foi explicado, neste vídeo do Xadrez Verbal, o conceito de Economia de Guerra. E foi prometido um post elencando pôsteres sobre o tema, em ambas as Guerras Mundiais. A intenção era mais modesta, mas, na ânsia de não deixar muitas lacunas para vocês, o resultado final tem quase noventa pôsteres, agrupados cronologicamente, por país e devidamente contextualizados.

Lembro-os que a temática aqui é sobre as economias em período de guerra, ou seja, pôsteres de temática militar ou sobre alistamento foram deixados de lado. Além disso, os diversos pôsteres de venda de Títulos de Guerra também foram deixados de lado, apenas exemplificados. A intenção é demonstrar, em complemento ao vídeo, como as guerras modernas impõe uma grande planificação das economias dos Estados em guerra, além do sacrifício popular.

Nenhum direito de imagem é reservado ao Xadrez Verbal e quase todos os pôsteres estão em alta definição, podendo ser acessados em outras abas ou baixados, por exemplo. Caso clique com o botão do meio do mouse (a roda que sobe e desce uma página), a imagem abrirá em uma nova aba automaticamente.

Primeira Guerra Mundial

Alistamento

Parte da Economia de Guerra é o alistamento dos homens aptos ao combate, tirando-os das atividades produtivas que normalmente são suas ocupações. A medida mais drástica dessa faceta da Economia de Guerra é o alistamento obrigatório e forçado. Assim como os pôsteres de Títulos de Guerra, abundam os cartazes promovendo o alistamento e o combatente voluntário. A temática, entretanto, precisa ser exemplificada, em um pôster pioneiro tanto na função quanto na estética. Reino Unido, início da Primeira Guerra Mundial, Lorde Kitchener, maior figura militar britânica no momento, fala diretamente aos bretões, apontando para o cidadão e evocando seu serviço. O estilo, em que uma figura simbólica aponta diretamente, seria copiado por todo o mundo.

Recruiting-poster-Alfred-Leete-1914

Mulheres inglesas na guerra

Na Primeira Guerra Mundial temos o fenômeno generalizado de mulheres ocupando postos de trabalhos fabris para que os operários homens pudessem ir ao fronte. Isso já havia acontecido antes, porém em circunstâncias regionais e mais limitadas. O caso de trabalho pesado em fazendas também era incentivado por campanhas inglesas para o Women’s Land Army.

Outra demografia que foi “alistada” para o conflito foi a das crianças. O pôster convoca meninos e meninas para criarem porcos “para vencer a guerra”, juntando-se aos “clubes de porcos”.

9a08b67955

Racionamento

O racionamento era uma constante em todos os países em guerra, especialmente os países Europeus, que estavam sendo destruídos pelo conflito.

Guerra submarina

A Primeira Guerra Mundial também viu a primeira guerra submarina em larga escala. Os U-boots (alemão para submarino, grafados em inglês como U-boats) alemães pretendiam, ao afundar os navios mercantes pelo Atlântico, sufocar a economia inglesa e retirar do país a sua capacidade de continuar na guerra. Curiosamente, um dos pôsteres é alemão, incentivando a compra de Títulos de Guerra para que os soldados possam lutar tranquilamente enquanto os navios ingleses são afundados. Economizar pão e trigo significava derrotar os submarinos alemães, já que menos navios seriam necessários.

Operários

Valorizar os operários e colocar o trabalho de produção em pé de igualdade com o serviço militar é uma das principais características de uma Economia de Guerra. Os pôsteres ingleses dizem que esta é sua bandeira, “Lute por ela. Trabalhe por ela” e que “Nós dois somos necessários para os canhões. Alistem-se, empilhem as munições”. Já o poster dos EUA incentiva os ferroviários, colocando uma competição entre as locomotivas do país e as locomotivas prussianas, “cada locomotiva americana que funciona é um soldado americano”.

Doações e compra de Títulos de Guerra

A venda de Títulos de Guerra é uma forma do Estado conseguir financiar o conflito e controlar a inflação e é tema frequente da maioria dos pôsteres sobre a situação econômica de um país em guerra; temos um pôster alemão sobre Títulos de Guerra e um pôster dos EUA, que diz que Títulos viram munição. Os governos também costumam pedir doações, como de prataria, que “viram balas”, e de livros, para os soldados no fronte; ambos os cartazes são ingleses.

Para encerrar a parte sobre a Primeira Guerra Mundial, um pôster de recrutamento do Corpo de Veterinários do Exército dos EUA, um tipo de treinamento altamente necessário, já que cavalos eram a principal força motriz de todos os exércitos. O pôster promete ao recrutado uma série de vantagens e de habilidades ensinada (tratamento de animais, montaria, inspeção de carnes e de laticínios) e encerra com “algo muito útil”, uma clara referência ao fato de que se o cidadão se voluntariar, certamente conseguirá um bom emprego após a guerra. Um efeito perene comum das Economias de Guerra é o fato de muitos profissionais habilitados estarem disponíveis ao mercado após o conflito.

VetCorpAmb-GSegunda Guerra Mundial

Reino Unido e Império Britânico

No Reino Unido, durante a Segunda Guerra Mundial, uma das principais iniciativas sobre a economia e a população civil foi a campanha Dig for Victory, Cave pela Vitória. Consistia em incentivar a produção de legumes e verduras em quintais e em áreas domésticas, aumentando a disponibilidade de alimento nas ilhas. Isso diminuía a dependência do comércio marítimo, permitia o direcionamento da produção agrícola para as tropas e diminuía o risco de problemas nutricionais e de abastecimento na população civil.

O apoio do Império Britânico foi essencial para a resistência das ilhas, apenas um Canal da Mancha de distância dos aviões da Alemanha Nazista. A economia dos países do império também foi transformada em uma Economia de Guerra, como é visto nestes três pôsteres canadenses. O primeiro é exemplar: “Nossa resposta. Produção total”, já que era essa a resposta possível pelo Canadá, geograficamente distante do conflito. O segundo celebra o “trabalho de equipe” entre o aviador que defende a Inglaterra e o canadense que produz aviões e o terceiro, já em um estágio mais avançado da guerra, conclama a “produção para a vitória”, com as bandeiras do Reino Unido, URSS, EUA e a China republicana.

As mulheres britânicas, obviamente, estiveram presentes na guerra desde o início. Para incentivar também as mulheres do restante do império, criou-se a iniciativa Victory Job (“Emprego da Vitória”) na Austrália. Um alistamento feminino que alocaria mulheres tanto em postos militares, médicos, fabris ou agrícolas.

Alemanha do III Reich

A economia da Alemanha Nazista era uma Economia de Guerra desde antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial; desde 1935, aproximadamente. No período de paz, em conjunto com a expansão da indústria armamentista, era necessária uma balança comercial favorável e autárquica. Isso é exemplificado neste pôster, que pede aos alemães para comprarem produtos alemães, não produtos importados.

Nazi Propaganda Poster (6)A ocupação feminina dos postos fabris de trabalho, permitindo que os homens fossem para a guerra, também ocorreu na Alemanha Nazista. No pôster, vemos os alemães se armando e se uniformizando, transformando-se em soldados, entregando suas ferramentas para as mulheres, já em roupa operária.

Nazi Propaganda Poster (9)A Alemanha Nazista, com o decorrer da guerra, viu-se em uma série de privações econômicas. O racionamento, obviamente, foi executado e também tema de campanhas no III Reich. Na esquerda temos um cartão de selos de racionamento; cada selo dava direito ao alimento, em porções, completando uma dieta total. No centro, um pôster de uma campanha de doação de roupas e de calçados velhos, para serem reaproveitados. Na direita, um pôster convocando pelos blecautes noturnos nas cidades, para que suas luzes não servissem de indicação de alvos aos bombardeios aliados.

União Soviética

Na URSS, as mulheres não apenas serviram na produção, mas também na linha de frente. O papel produtivo das soviéticas pode ser visto nos pôsteres, tanto na produção militar quanto no cartaz que incentiva as mulheres azeris, longe do fronte, no crochê de meias para as tropas

O operário e o camponês eram parte constante da estética de propaganda soviética, independente de ser período de guerra. Aqui vemos o operário que “entrega” os armamentos necessários ao conflito.

Operários (2)Estados Unidos

Produção

Pela sua potência econômica e industrial, somado ao fato dos combates não serem em território dos EUA, a maior contribuição do país ao esforço de guerra aliado foi com sua Economia de Guerra, o “Arsenal da Democracia”, segundo Franklin D. Roosevelt. O primeiro pôster deixa isso claro: “Produção. A resposta americana!”.

Por causa desse foco na produção, campanhas foram desenvolvidas para incentivar os trabalhadores e operários, além de combater o abandono de empregos ou a falta de estabilidade laboral. Um faz trocadilho com “bater ponto” como igual “bater em Hitler”, dizendo “Continue batendo”. Para prevenir acidentes de trabalho, o pôster remete ao líder japonês Tojo, que “gosta de trabalhadores descuidados”.

Transporte

Produzir muito armamento não adianta se isso não for transportado. Mais ainda, os transportes devem priorizar o esforço de guerra, não o lazer ou os veículos cotidianos. Campanhas incentivando caronas para diminuir o tráfego civil e poupar a borracha dos pneus também foram feitas.

Escassez e reciclagem

Com o direcionamento dos produtos ao fronte, a escassez na sociedade civil dos EUA era inevitável. A fabricante de chocolate Hershey’s deixa isso claro em seu pôster: “Suprir nossas forças armadas diminui a quantidade para você”. Além disso, a grande necessidade de materiais fazia imperativo incentivar também a reciclagem de todos os tipos de materiais.

Mulheres na produção

Um dos cartazes acima é direcionado ao público das donas de casa. Isso quer dizer que as mulheres não participaram do esforço de guerra? Pelo contrário, as mulheres dos EUA tomaram as fábricas e foram das maiores responsáveis pela grande produção. Ícone disso, até hoje evocada pelos movimentos femininas, é a personagem Rosie the Riveter (Rosie, a Rebitadeira), que estava em diversos pôsteres, o mais conhecido é o “Nós podemos fazer!”.

Rosie the RiveterMais alguns pôsteres sobre o papel feminino na produção. Outra maneira de incluir as mulheres, assim como crianças, idosos, todos os cidadãos, na Economia de Guerra era o Serviço do Fronte Doméstico, que incluía diversas atividades voltados ao esforço bélico.

Alimento

A principal escassez, a mais preocupante, acaba sendo a de alimentos. Diversas campanhas foram feitas sobre o desperdício de comida, o aumento da produção agrícola, as War crops (“Colheitas de Guerra”), a necessidade da população civil da Europa devastada e a campanha Victory Garden (“Jardim da vitória”), uma cópia da Dig for Victory britânica, que incentivava o plantio doméstico.

Simbologia do Operário e do Soldado

Algo semelhante em todos os países da Segunda Guerra Mundial é o uso das figuras do operário e do soldado de forma simétrica, como igualmente importantes, executando a mesma função.

Temos um pôster canadense, “Todo canadense PRECISA lutar”, em que um operário e um soldado estão quase fundidos em apenas uma entidade; o operário fornece a munição e o soldado dispara.

Dois pôsteres dos EUA. O primeiro diz “Passe a Munição” e “Produza para sua Marinha. A vitória começa em casa”. O operário e o marinheiro estão em posições simétricas, um produzindo e o outro carregando um projétil. O segundo grafa “Dê a eles ambos os canos”. Um operário e sua ferramenta e um soldado e sua metralhadora, simétricos, cada um em sua função de guerra.

O quarto pôster é alemão, que diz “Ele por nós. Nós por você.”. O soldado que arremessa a granada simétrico, na mesma posição, ao operário que produz a espada. Finalmente, dois pôsteres soviéticos. O primeiro, da defesa de Leningrado, mostra um soldado do Exército, um fuzileiro naval, um operário e uma camponesa juntos, na mesma pose, cada um segurando seu instrumento de guerra. O último diz “Povo e Exército. Invencíveis”. O operário e o soldado partilham da mesma munição, que um fabrica e o outro utiliza.

Brasil

E, claro, o caso brasileiro durante a Segunda Guerra Mundial, com o “alistamento” de seringueiros, os “soldados da borracha”, para extração de látex como parte do esforço de guerra econômico aliado. O “alistamento” era coordenado pelo SEMTA – Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores para a Amazônia. Note em uma das imagens que temos os soldados protegendo o litoral brasileiro e os “soldados da borracha” na Amazônia, “cada um no seu lugar”, realizando sua função igualmente importante.

Como afirmado no vídeo, o Brasil também passou por cenários de racionamento de itens, por exemplo: combustível e pão. Abaixo, uma nota sobre racionamento de combustível em Natal, uma das mais importantes bases na guerra do Atlântico.

Racionamento de combustível no BrasilE, para encerrar, um dos mais conhecidos pôsteres da guerra sobre as Nações Unidas. Note a bandeira brasileira em posição de destaque.

Poster Propaganda Brasil Borracha (1)


assinatura

Filipe Figueiredo, 29 anos, é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.


Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.


Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.


Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

botãocursos

Anúncios

9 Comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s