Xadrez Verbal Podcast #11 – Eleições na Venezuela, ONU e Egito

Venezuela! Polêmica! Falamos das eleições no vizinho sul-americano e seus desdobramentos recentes. Também tem as eleições na Argentina. Egito e seu novo/velho regime falando do novo/velho Canal de Suez. A ONU e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que substituem os Objetivos do Milênio. Dicas culturais, Brasil e Israel, França devolvendo dinheiro para a Rússia, Catalunha, recados aos ouvintes, a Semana na História de sempre e um quadro Menino Neymar bastante polêmico e baixinho!

Venezuelan President Nicolas Maduro unties his tie during a rally in Caracas on November 12, 2013. Venezuela's ruling party eyed a vote Tuesday to pave the way for Maduro to govern by decree, broadening his powers, during an inflationary crisis a month before crucial municipal elections. AFP PHOTO/Leo RAMIREZ (Photo credit should read LEO RAMIREZ/AFP/Getty Images)

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira, 18 horas, em menos de uma hora, você se atualiza e se informa.

Filme Soldado Anônimo, trailer aqui.

Filme Tora, Tora, Tora, trailer aqui.

Agenda da ONU pós-2015.

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. 

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

central3A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, confira o restante da programação aqui.


assinaturaFilipe Figueiredo, 29 anos, é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.


Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.


Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.


Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

botãocursos

Anúncios

22 Comentários

  • Ótimo programa caras! esperando pelo próximo

  • Gostaria de sugerir um tópico para o próximo programa, as cidades de zona livres da honduras, é um tema interessante. Valeu ótimo programa.

  • Não querendo puxar saco, Filipe, mas acho que você é sim um ótimo Jornalista. Digno de aparecer na primeira página o Uol

  • O podcast de vcs está na minha lista religiosa de casts que escuto religiosamente após a publicação. Continuem assim, está ótimo!!!

  • Muito bom em amigos

  • Parabéns pelo excelente podcast, galera! Vou prestar vestibular para Direito ainda, mas já tenho uma meta de carreira: Diplomata! Sempre gostei de política internacional, mas nunca achei algum podcast especializado nisso. Obrigada pelo ótimo conteúdo e mais uma vez, parabéns!

  • Parabéns cara. Seu podcast é ótimo e bem informativo. Abraço.

  • Excelente podcast, galera! Conteúdo muito bem trabalhado e conduzido. Só faltou colocar o link para acessar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, mas “whatever”.

  • Creio ser um dos ouvintes mais novos, estou no primeiro ano do ensino médio.

  • Amigos, primeiro, mais um excelente programa. Há tempos procurava um podcast sobre política internacional e o Xadrez Verbal caiu como uma luva. Obrigado pelo serviço prestado!

    Um único comentário sobre uma das pautas comentadas (e repetidas no final): a agenda de desenvolvimento da ONU e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. De fato, os ODS vem substituir e complementar o foco dado pelos ODM em 2000 e serve, também, como orientação para o orçamento das agências da instituição. Foi comentado também, ainda que brevemente, sobre o poder de “influência” que essa agenda teria aos Estados-membros e suas próprias políticas públicas, como tiveram os ODM – ponto que concordo também. Mas emendaria com dois pontos não mencionados e, pra mim, de GRANDE relevância (e diferença) dos ODS.

    – O foco ambiental sobre objetivos de desenvolvimento: devemos lembrar que os ODS foram resultado da negociação da Rio+20, quando, pela primeira vez, reafirmou-se a vinculação direta entre “desenvolvimento” e “meio ambiente” pelas Nações Unidas. Essa diferença fundamental fez com que antes era focada exclusivamente em metas sociais (e com GRANDE destaque à saúde humana – dos 8 objetivos, 7 eram sociais e, desses, 4 sobre saúde), hoje há uma maior pluralidade nos 17 objetivos aprovados. No programa, deu-se ênfase somente aos sociais, mas é muito importante destacar um objetivo específico para água, outro para biodiversidade, clima (junto com a UNFCC), cidades, “economia verde” (conceito complexo, mas repetido), oceanos etc. Ou seja, a pluralidade de visões sobre o que é a agenda de desenvolvimento está explícita nessa ampla agenda – motivo pelo qual, inclusive, sofreu muitas críticas sobre essa amplitude e os ingerenciáveis 169 indicadores dentro dessas 17 metas…

    – A construção participativa e não-estatal dos ODS: diferentemente dos ODM, que foram objetivos construídos somente pelos Estados-membros e as agências das Nações Unidas, os ODS tiveram ampla participação social, seja a partir de ONGs, empresas, associações de classe, atores sub-estatais ou participação individual via internet. É claro que quando falamos de “ampla participação” há sempre a limitação estrutural de fazer isso acontecer, mas, comparativamente, os ODS sofreram GRANDE influência desses grupos. Como exemplo, explicito que pelo menos 3 desses 17 objetivos foram colocados SOMENTE pela influência desses grupos (cidades, economia verde e oceanos), que ainda moldaram o formato de tantos outros. Isso não só ampliou a agenda dos ODS (mencionado no ponto anterior), como também altera seu foco: fica claro no texto acordado que, diferentemente dos ODM, os novos objetivos não são somente estatais, mas precisam, necessariamente, da ação concertada de outros atores não-estatais para que possam ser atingidos. Falando do meu foco de trabalho atual, o setor empresarial, está claro para o mesmo que, por exemplo, vincular metas e compromissos públicos aos futuros ODS será não só mais fácil (pelo objetivos já estarem postos), como facilitará muito a comunicação institucional e mensuração dos mesmos. Meu ponto é que os ODS poderão servir como norte TAMBÉM para essas instituições – uma Agenda 21 com maior potencialização ainda.

    E, sim, estou sendo ainda mais idealista do que foi posto no programa. 🙂

    Um grande abraço!

  • Muito bom o podcast!
    Um dos melhores!
    Parabéns!

  • Olá Felipe e Matias

    Primeiro de tudo parabéns pelo podcast, muito divertido e informativo.

    Gostaria de saber se seria possível comentar sobre as primárias nos Estados Unidos, especialmente sobre as declarações do Trump sobre o México. Nesse caso o governo do México pode acionar a embaixada dos Estados Unidos para tomar algum tipo de providência?. O governo dos EUA podem se manifestar sobre essas declarações ou não? Isso não chega a ser um incidente internacional?

    Além disso, gostaria de parabenizar vocês sobre a cobertura das noticias e o contraponto que fazem com a mídia brasileira, pois poucos analisam isso. Essa grande incongruência entre a mídia tupiniquim e a internacional com relação as noticias internacionais, e até mesmo no modelo de jornalismo adotado por aqui, não tem muito a ver com a crise financeira que os grupos de mídia estão enfrentando? O grupo Abril está quase em recuperação judicial, e além disso eles ganham mais nas operações das editoras de educação (sendo uma parte de oriundo de compras governamentais) em relação as vendas de jornais e revistas. Folha, Estadão e o Globo também tem quedas constantes de faturamento, cortes nos jornais impressos e demissão de jornalistas em massa. Essa transição do modelo de TV/jornal para internet deixará algum sobrevivente dos antigos grupos?

    Um abraço!

    • Rafael,

      Obrigado pelos elogios!

      Sobre sua primeira pergunta, muito provavelmente não. Lembremos que Trump é pré-candidato. Ele não fala sequer pelo Partido Republicano, não é um membro do governo dos EUA, suas palavras são apenas pessoais. Certamente tem muito mais repercussão do que as minhas ou as suas palavras, mas, ainda assim, é mera babaquice individual.

      Sobre sua segunda pergunta, eu concordo nas causas, mas não sei dizer sobre as consequências. O fato é que, hoje, o modelo antigo das televisões e dos jornais sofre uma concorrência que nunca enfrentou antes.

      Um abraço e, novamente, obrigado!

  • Felipe, queria saber mais e a sua opinião sobre a zona do euro, os países pobres e ricos que a compõe, quais as influencias para o atual cenário?
    Não sei se cabe a aqui ou no canal do youtube!
    Obrigada, bjs!!
    Adorei o podcast!!

  • Bom dia pessoal do Xadrez Verbal.
    Gostaria de parabenizar pelos ótimos casts.
    Conheci vocês através da participação no NerdCast.
    Muito bom poder ampliar a gama de assuntos no podcast, saindo da tecnologia, humor, ciência e cinema.

    Graças a vocês, consegui trazer outros grupos de pessoas para esta mídia.
    Vocês indicam outros canais no youtube ou podcasts?
    História e/ou política internacional que tenha conteúdo em português.

    Obrigado e um grande abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s