Fronteiras Invisíveis do Futebol #33 – País Basco

Fronteiras Invisíveis do Futebol é a nova iniciativa do Xadrez Verbal, um podcast sobre História, política atual, geopolítica, tudo isso com o fio condutor do futebol. Apresentado pelo meu amigo Matias Pinto, que também apresenta o podcast que vocês tanto apoiam, o programa será quinzenal, com um belo trabalho de edição. Em cada programa teremos A História, O Campo e O Mapa, contando sobre alguma região do planeta, sua identidade cultural e sua História. A série é motivada pela série de textos especiais Fronteiras Invisíveis da Europa, que discute nacionalismos, regionalismos e a União Europeia.

Uma das edições mais aguardadas pelos ouvintes desta série! Entre os Apeninos e o Oceano Atlântico está localizado o País Basco, cuja população se divide entre o separatismo e manutenção da administração dos governos espanhol e francês.

Voltamos à Antiguidade para entender a formação do povo basco (ou vasco) e a origem imprecisa do euskera, idioma que hoje é falado por aproximadamente 700 mil pessoas. Também veremos como a região se manteve leal às coroas de Espanha e França e as razões que levaram à busca por autonomia, atingindo o ápice durante a Guerra Civil Espanhola (1936-39), na qual o vilarejo de Guernica – símbolo da identidade basca – foi bombardeado pela Luftwaffe a mando do General Franco.

É neste contexto que a seleção do Euskadi, anterior à própria equipe nacional da Espanha, tornou-se um caso paradigmático das relações entre futebol e geopolítica, sendo inclusive vice-campeã do incipiente campeonato MEXICANO, quando diversos jogadores bascos vestiram as cores da Ikurriña – bandeira que ilustra a capa deste podcast – em busca de apoio internacional.

Entenda como o Athletic Club e os demais clubes da região tornaram-se centros de resistência durante a ditadura franquista (1939-75) e como a diáspora do País Basco ajudou a fortalecer o futebol da América Latina, onde cerca de 7 milhões de descendentes bascos residem, entre eles o argentino Jorge Burruchaga, o boliviano Marco Antonio Etcheverry, o equatoriano Alex Aguinaga e o uruguaio Diego Forlán.

Foi em oposição ao regime do Generalísimo que surgiu o Euskadi Ta Askatasuna (“Pátria Basca e Liberdade”), mais conhecido pela sigla ETA, principal grupo separatista e ideologicamente contrário ao conservador Partido Nacionalista Vasco, que acabou optando pela luta armada no final dos anos 60, inclusive assassinando o Almirante Carrero Blanco, sucessor direto de Francisco Franco.

Referências no programa

Livro Nacionalismos Espanhóis, de Filipe Vasconcelos Romão

Filme Ocho apellidos vascos

Música Sarri, Sarri, de Kortatu

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. 

Assine um dos feeds do Fronteiras Invisíveis do Futebol e não perca nenhum programa: feed RSS, feed do iTunes e feed Player.FM, feed Deezer e feed Pocketcast

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, confira o restante da programação aqui.


assinaturaFilipe Figueiredo, é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.


Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.


Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.


Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

botãocursos

14 Comentários

  • Muito bom o episódio. Fica o pedido por um Fronteiras… sobre o Egito.

  • Ótimo programa! O que mais me chama a atenção nessas questões de nacionalidade (e aqui uso o termo nacionalidade como referência a nação mesmo, como identidade de um povo) é justamente esse conceito de nação. Isso porque é estranho a nós brasileiros, já que não somos uma nação. Pelo menos eu acho que não.

    Há pouco tempo a minha filha de 11 anos me perguntou o que era judeu e (minha nossa senhora!!!). Como é difícil explicar o conceito de povo, de nação, e por que é diferente de país.

  • Bacana o programa.
    Seria legal uma serie de programas sobre equipes que competem na NF-Board.
    Queria muito ouvir sobre o time de Sealand 🙂

    Abraço.

  • André Rodrigues

    Felipe,
    Uma pequena correção. Pepino, o Breve não é filho de Carlos Magno e sim de Carlos Martel.
    Pepino, o Breve é PAI de Carlos Magno.

    Abraços

  • Filipe,

    qual era a dica cultural que você daria no lugar do Nacionalismos Espanhóis?

  • Quem foi expulso do Paraíso foi Adão e Eva, não Caim e Abel !!

  • Olá Felipe e Matias

    O húngaro não é uma língua isolada, mas parente do finlandês, estoniano e do lapão- chamadas fino-úgricas. Finlandês alias que é outra língua difícil de aprender.

    Já o basco é realmente uma língua isolada. Outra língua considerada isolada é o coreano.

  • Olá, Felipe e Matias.
    Só um adendo – mas, caso eu não tenha escutado direito o que já foi dito, minhas desculpas -: Pablo Picasso Pinta o Quadro “Guernica” em referência à bombardeiro realizado pelos alemães na Guernica. O pintor produziu o quadro em Paris, em um período pré-ocupação nazistas. Conta-se uma lenda que, anos depois, durante a ocupação, um soldado teria perguntado para ele(ao ver uma foto do quadro) quem teria feito aquilo, e ele disse “foram vocês”.
    Outra curiosidade, que liga esse cenário ao Brasil, é que Picasso foi Padrinho de uma das filhas de Jorge Amado.

  • Nicholas Payton Oneal Gonçalves das Neves

    Programa muito bom, não sei como nunca até agora nunca tinha achado este programa após anos destrinchando a internet, os exemplos me deixaram bem situado no tempo e a aula de história é SENSACIONAL, obrigado a este programa e aos colaboradores do mesmo por existirem, comecei pelo 33 e pretendo ouvir TODOS. Parabéns aos envolvidos

  • O MP3 está inacessível

  • Pingback: Melhores podcast em português para ouvir em 2018 : Facundo Leites

  • Vem cá, esse Filipe é um cara que vive REPROVANDO em concurso pra diplomata? Lamentável.

  • Excelente podcast 🙂 Muito bom escutá-lo e saber mais sobre meu amado País Basco. Meu tcc de graduação foi analisar um video da Athletic Club Fundazioa. Sempre tive essa identidade com Euskadi e sempre que vejo algo linkado procuro me aprofundar mais. Muito obrigado pelas dicas tb. Ocho Apellidos Vascos é muito bom! Sucesso e sigo escutando sobre outros países. abs!

Deixe uma resposta para Nicholas Payton Oneal Gonçalves das Neves Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.