Sobre patrulha de qual tragédia você deve se importar

Mais uma conversa rápida e uma reflexão, dessa vez sobre Mariana, França, Líbano, Nigéria e as bandeiras nas redes sociais. Podemos cobrar? Existem diferentes razões para se solidarizar ou uma pessoa ficar mais atingida por um evento do que por outro?

Não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever, ou clique no botão abaixo

BotaoXVYoutubeE também não se esqueçam de se cadastrar para receber as novidades e recompensas sobre os futuros cursos do Xadrez Verbal!

botãocursos

Anúncios

2 Comentários

  • Prezado Felipe,

    Embora eu não comente muito, sempre acompanho seu trabalho. Eu acho o seu tom conciliador muito pertinente para momentos tão à flor da pele como estes.

    Vou começar pelo fim. Acho que os vídeos curtos são super válidos, especialmente esses em que você acaba expondo mais a sua opinião. É interessante para o público saber explicitamente as premissas com que você trabalha. Creio que, por isso, todos ganham, já que você – em tese – deixa de ser cobrado pelo que você não se propõe a discutir e o espectador sabe o que esperar de você.

    No mais, embora eu ache pertinente suas observações, queria fazer alguns apontamentos sobre tua fala no vídeo. Eu também concordo com a besteira que é “hierarquizar” o sofrimento. E acho que os críticos da apologia ao sofrimento tem alguma razão, pois o ponto é que parecem (ou pelo menos recebem atenção e tratamento nesse sentido) que as vidas francesas parecem valer mais do que as de Mariana ou do Líbano.

    O equívoco da tua fala, na minha opinião, é tratar a empatia como algo dado. O exemplo em que você cita o exercício da praça de alimentação (empatia Paris ou Beirute, Damasco, etc) é verdadeiro e triste. Esse próprio fato deveria ser objeto de críticas e investigação (o “orientalismo” do Said me vem à cabeça). A empatia é construída, tal qual a subejtividade das pessoas (como você aliás reconhece no exemplo do seu amigo ao falar das viagens de avião). E o que – ao menos as pessoas sérias – eu vi na crítica à sensibilidade seletiva aos ataques de Paris foi isso. A questão é porque pessoas que não costumam se manifestar politicamente se sensibilizam apenas com Paris? Quais os mecanismos ideológicos de construção dessa percepção? Quais suas implicações políticas?

    Veja que a discussão se dá sobre a percepção das pessoas e não sobre o sofrimento das vítimas e seus familiares. Eu mesmo me senti tocado de uma maneira inédita (se comparado ao Charlie Hebdo, 11/9, etc.), por razões que não convém explicar. A sensibilização, contudo, não pode impedir a crítica de uma mídia, de uma opinião pública que hierarquiza, sim, vidas. Triste é o mundo no qual atentados no Orienta Médio são “comuns” e “previsíveis”. E é esse o mundo que deve ser problematizado, o que absolutamente não é patrulhar a solidariedade alheia.

    Não vou me estender mais. Continue o seu grande trabalho! Penso que a produção de conteúdo de qualidade é um passo fundamental para que as vidas deixem de, na prática, serem hierarquizadas.

    Grande abraço,

    Ricardo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s