Desarmamento: A idealização da História e a tirania

Com o tema do desarmamento civil voltando ao debate político brasileiro, é hora de contribuir na discussão, aproveitando o gancho do canal de um sujeito chamado Pirula. Um dos argumentos dessa discussão, frequentemente usado, é o das armas na mão da população civil, como forma de resistir aos governos tirânicos. Essa seria uma lição da independência dos EUA. Esse argumento tem base histórica, ou exemplos recentes? Veremos.

Não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever, ou clique no botão abaixo

BotaoXVYoutubeE também não se esqueçam de se cadastrar para receber as novidades e recompensas sobre os futuros cursos do Xadrez Verbal!

botãocursos

Anúncios

6 Comentários

  • DOUGLAS BERNARDES ROMÃO

    Muito bom! Parabéns! Aprendi muito! Sugiro que façamos uma análise do tema na atualidade, especificamente no que tange à tentativa brasileira de alteração do Estatuto de Desarmamento.

  • Po Felipe, agora queria ver um vídeo do contrario, quantas vezes o povo se armou para lutar contra um tirano e conseguiu, só Portugal foram duas vezes.

  • Esse argumento de armas contra a tirania pra mim só faz sentido no dia que me deixarem comprar um tanque… hehe

    Filipe, você como historiador, o que acha disso?

    http://oglobo.globo.com/opiniao/historia-sem-tempo-17719022#ixzz3oa3d8llR

  • Gostaria de contrapor algumas ideias aqui e seria uma honra ter sua resposta ao final.

    A idéia de que uma sociedade armada vai derrubar uma tirania não é o que conservadores afirmam mas sim a hipótese de que elas facilitariam ao povo insurgir-se contra os estados tirânicos. E a história prova que as armas civis já foram empregadas para tanto, mesmo antes da pólvora. Uma coisa é a possibilidade, outra é o fato de, eventualmente, não ser o meio suficiente para afastar completamente a tirania.

    Algo que poderia também ser tratado é o ambiente político americano no período pré 2ª emenda. Como você bem colocou, os colonos fugiram de uma realidade que ainda estava a se consolidar: o mundo organizado em estados modernos.

    Uma das questões discutidas a época era a continuidade do Exército Continental enquanto exército permanente, coisa que para muitos era visto como negativa e que culminaria na repetição dos mesmos “erros” que os primeiros colonos (pais, avós e bisavós dos founding fathers) tanto repudiavam.

    A tese pelo exército permanente prevaleceu e com isso aumentou a preocupação de muitos sobre eventuais opressões que o estado viesse a cometer, tal como o estado inglês ou outro qualquer. Nesse contexto que veio a 2ª emenda: o medo de um americano sob controle de uma força começar a agredir outros americanos.

    Por último, acho que cometeu uma injustiça com importância da guerrilha ao dizer que a guerra foi decidida em batalhas convencionais.

    A Guerra tinha de ter uma batalha campal decisiva, mas os preparativos para que esta viesse da forma como veio são a parte invisível mas essencial da estratégia militar.

    Se por guerrilha eu impossibilito comunicações entre grupos do exército inimigo, embaraço o sistema de abastecimento de víveres, ataco destacamentos em marcha com emprego de surpresa, crio um ambiente moral de medo no inimigo…..todas essas frações de combate fazem com que o exército inimigo se reúna em campo para uma batalha de grande proporção com uma disposição material e moral completamente diferente. O enfraquecimento do corpo do exército bem como de seu espírito é condição sine qua non para a vitória do adversário.

    Além do mais, o desarmamento foi uma das primeiras medidas tomadas na alemanha nazista, na URSS, na Armênia sob controle dos Turcos, Ucrânia no Holodomor……

    Até mesmo antes da pólvora, César exigiu de algumas cidades belgas belicosas a entrega das armas como condição para rendição. Exigência que em alguns casos resultou no massacre da cidade por parte dos romanos…..

    O almirante Isoroku Yamamoto ficou famoso pela frase: “You cannot invade the mainland United States. There would be a rifle behind each blade of grass.”

    Sobre os iraquianos mencionados no vídeo, há de se lembrar que os Xiitas era cidadãos de segunda classe durante a ditadura de Hussein, que era sunita. Aos xiitas eram negados direitos e acesso a posições políticas….será que o acesso às armas por lá de deu de forma equânime?

    Existem fortes evidências de que as armas são um contrapeso ao poder beligerante dos estados.

    Obrigado pelo Video!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s