Xadrez Verbal Podcast #20 – Síria, conflito religioso, Brasil e Bolívia

Putin aumentou a presença russa na Síria e, alguns dias depois, a imprensa dos EUA diz que Obama vai diminuir a presença do seu país no conflito sírio. Vitória da Rússia e de Assad? Como está a situação? E o autointitulado Estado Islâmico, como fica? Vamos falar bastante do conflito sírio, mas não é o único tema do Oriente Médio no programa de hoje. Os conflitos em Jerusalém correm o risco de escalonar, já existe o temor de uma nova intifada.

Repetimos a pergunta feita antes: de quem é Jerusalém? A posse de locais sagrados e a destruição de sítios arqueológicos são discutidas. Finalmente, novas relações entre Brasil e Bolívia estão na Coluna Aberta. Fechando o programa, Espanha, Líbia, acordo Transpacífico, desabafos, semana na História e dicas culturais para os melhores ouvintes da galáxia.

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira, em menos de uma hora, você se atualiza e se informa.

In this photo taken on Saturday, Oct. 3, 2015, Russian army pilot poses at a cockpit of SU-25M jet fighter at Hmeimim airbase in Syria. Russia has insisted that the airstrikes that began Wednesday are targeting the Islamic State group and al-Qaida's Syrian affiliates, but at least some of the strikes appear to have hit Western-backed rebel factions.(AP Photo/Alexander Kots, Komsomolskaya Pravda, Photo via AP)

Dicas do Sétimo Selo

Filme Zona de Risco, de Chan-wook Park, trailer aqui

Música For no one, dos Beatles

Textos e links

Todos os textos sobre a 70ª AGNU estão listados e linkados aqui, podendo o leitor escolher o texto de seu interesse – Índice de textos do especial da 70ª Assembleia Geral da ONU

Rádio B92, da Sérvia e livro B92 – Rádio Guerrilha

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. 

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

central3A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, confira o restante da programação aqui.


assinaturaFilipe Figueiredo, 29 anos, é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.


Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.


Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.


Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

botãocursos

9 Comentários

  • Guilherme Lourenço

    Felipe, parabéns pela participação no Anticast sobre a Iugoslávia! Poderia fazer um vídeo sobre a expansão nipônica no pré e durante a II Guerra? Fica a ideia. No mais, sou microbiologista, mas seu site e podcasts fazem meu gosto por história permanecer vivo! Abraços

  • Renato Pereira Pinheiro

    tem relação com o brasil essa bosta? aeuheauhaeuhaeuhae

  • Em relação com o falou em 17min35s, foi trolada ou era pra entrar no podcast mesmo? (Sim, gosto da coisa bem escrachada)

  • Bom crepúsculo a todos.
    Mais um excelente programa Matias e Filipe, parabéns pelo trabalho.

    Agora sendo um pouco chato, mas falar que liberais apoiam Pinochet por causa de sua gestão econômica não é correto.
    É algo parecido com falar que Bolsonaro pai é liberal. O Liberalismo clássico abomina qualquer tipo de totalitarismo, uma pessoa que apoia um governo opressor não é liberal, mas sim conservador (ou leninista).
    Veja, a ditadura jamais deve ser vista como um meio justificável para a implantação de reformas liberais (ou qualquer tipo de reforma), por mais necessárias e desejáveis que elas sejam. A ditadura é a mais perigosa das instituições políticas e facilmente produz resultados catastróficos. Isso porque um ditador não está restringido por nenhuma discussão ou debate público, o que facilmente o permite levar o país a desastres que poderiam ter sido evitados caso houvesse a liberdade de se criticar suas ações e de se fazer oposição a elas. E mesmo quando suas políticas parecem estar certas, o fato de que elas são impostas contrariamente à opinião pública apenas faz aumentar a impopularidade delas, dificultando ainda mais qualquer necessidade de mudança permanente.
    Sobre a Thatcher, há inúmeras ressalvas. O estado britânico chegou ao fim da sua era sendo um fardo parasítico ainda maior sobre a economia britânica e a sociedade do que era quando ela assumiu o poder. Infelizmente, o thatcherismo é muito similar ao reaganismo: retórica livre-mercadista mascarando um conteúdo estatizante. Exceto pelas privatizações, o fardo estatal aumentou sob Thatcher. Na visão de inúmeros economistas o critério mínimo para que um regime receba a alcunha de “pró-livre mercado” seja o fato de ele cortar seus gastos totais, cortar impostos em geral e, consequentemente, reduzir suas receitas. Além disso, é imprescindível que ele interrompa decisivamente sua própria criação inflacionária de dinheiro. Mesmo por este certamente muito modesto padrão de medida, a administração Thatcher passou longe de ser digna de tal alcunha.
    E só pra complementar, tem Chicago Boy dizendo que imposto é investimento, eu não levaria eles muito a sério.

    • Caro Rafael,

      Obrigado pelo seu comentário e eu entendi o que vc quer dizer, porém, faço algumas observações e proponho uma reflexão.

      Primeiro, não confundamos liberalismo político com liberalismo econômico. Uma pessoa pode, sim, advogar pelo liberalismo econômico e ser politicamente conservadora. Era o caso de Pinochet (pra dizer o mínimo) e uma coisa não está necessariamente ligada a outra. Na sua exposição, talvez sem querer, vc trata as duas como indivisíveis. Adam Smith e Thomas Jefferson não precisam, necessariamente, andar juntos.

      Segundo, Thatcher, Pinochet, Reagan e diversos outros, além dos que vc citou, possuem sim um legado de economicamente liberais. Analisar mais a fundo é necessário? É, mas ainda impõe a necessidade de reflexão sobre a própria validade do discurso economicamente liberal que, como dito por vc, muitas vezes é mera máscara para efeitos nocivos; na sua ótica, efeitos nocivos para o mercado, na minha, máscara para efeitos nocivos para a população.

      Não coincidente que a morte de Thatcher foi celebrada nos estádios ingleses. “The witch is dead”.

      Já minha proposta de reflexão é: o quanto dessa teoria extremamente liberal, especialmente em sua perspectiva econômica, tão vigente nos últimos anos, não é utópica? Tão utópica justamente quanto algumas matizes do socialismo?

      O liberalismo econômico e o autoritarismo andaram de mãos dadas por meio mundo durante meio século, seja sob a justificativa de “combater o comunismo” ou pq era conveniente aos antigos dominadores pós-descolonização.

      Mesmo Mises, tão em voga nesses tempos que citei, admitia o fascismo como uma forma de evitar o “mal maior”, o comunismo bolchevique.

      E não necessariamente precisamos pensar no autoritarismo. Pensemos no ordoliberalismo alemão, de muito sucesso, em que temos um mercado liberal, mas que é imposto (no sentido de imposição) e vigiado pelo Estado.

      Até pq, lembremos, o próprio mercado, em diversos e amplos casos, não é liberal. Seja o presidente da Vivo pedindo ajuda ao Estado para “combater” o Whatsapp, sejam os cartéis, monopólios, etc.

      O discurso da competição que gera produtos melhores para a população é muito sólido, até a hora em que a competição acaba por iniciativa do próprio mercado ou que o carro “que polui menos” é uma fraude.

      E aí você pode dizer “mas Filipe, cartel e monopólio não são liberais”. E é exatamente meu ponto. O quanto desse discurso é utópico, intangível para as próximas gerações. A teoria liberal clássica pura esbarra na realidade, assim como o socialismo utópico.

      Me alonguei demais, desculpe, e espero que não tome minha proposta como ofensiva.

      Um abraço e obrigado por acompanhar o trabalho

      • Só pra complementar alguns pontos que talvez ficaram abstratos. Me considero um Liberal romântico, pois não consigo desconciliar o liberalismo social do econômico. Luto por um dia alcançarmos a junção de ambos, pois acredito que essa seja forma “menos pior” de viver. Isso se dá porque infelizmente não consigo ver nem para um futuro longínquo o fim do estado de escassez. Há sim falhas no liberalismo (como em qualquer outra ideologia), não enxergar isso é se transformar em um cego ideológico. Acredite, sou uma pessoa extremamente crítica em relação a essas falhas. Pois é apenas se questionando e vendo outros pontos que iremos chegar em um lugar melhor.
        No mais, gostaria de agradecer pelo seu comentário (que de forma alguma ficou ofensivo) e dizer que ainda espero incomodar muito mais vocês. Abraços.

Deixe uma resposta para Renato Pereira Pinheiro Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.