Xadrez Verbal Podcast #187 – Potências, Venezuela e Golfo Pérsico

Programa um pouco diferente do que vocês estão habituados! Chegamos falando das relações entre as principais potências no mundo. A Rússia foi conversar com os EUA, que brigou com a Europa, que precisa conseguir enfrentar os chineses, que foram banidos pelos EUA, que são amigos do Canadá, que teve seus cidadãos presos na China, que tem interesses na Venezuela, cujos representantes foram dialogar na Noruega. Também passamos por notícias nos EUA, na América Latina e no Golfo Pérsico, onde os sauditas acusam os iranianos de terem sabotado seus navios. Além disso tudo, nós giramos pelo mundo, a semana na História, uma coluna especial com a professora Vivian Almeida, peões da semana e dicas culturais fecham mais um podcast do Xadrez Verbal!

Você nem sempre tem tempo, mas precisa entender o que acontece no Mundo, ainda mais porque o planeta está uma zona. Toda semana, Matias Pinto e Filipe Figueiredo trazem pra você as principais notícias da política internacional, com análises, críticas, convidados e espaço para debate. Toda sexta-feira você se atualiza e se informa.

Dicas do Sétimo Selo e links

Site da Editora Contexto

Filme Max Manus

Documentário ¿Por Qué quebró Mc Donalds?

Nerdologia História A Origem da Escravidão no Brasil

Lançamento do livro 100 Anos do Genocídio Armênio: Negacionismo, Silêncio e Direitos Humanos (1915-2015)

Coluna O que cada interessado na Venezuela quer na Noruega

Matéria When is the ‘OK’ gesture not OK?

Matéria Bastidores revelam por que plano de opositores para derrubar Maduro deu errado

Matéria Brasil e Alemanha: o casamento acabou?

Entrevista com Angela Merkel

Música de Encerramento Destrucción Masiva, de Sagot

Playlist das músicas de encerramento do Xadrez Verbal no Spotify

Canal do Xadrez Verbal no Telegram

Minutagem dos blocos, cortesia dos financiadores do Xadrez Verbal

  • 0:05:45 – Giro de Notícias #1
  • 0:29:05 – Coluna Aberta: Rússia e EUA
  • 1:04:30 – Efemérides: A Semana na História
  • 1:09:30 – Match: Venezuela
  • 1:49:00 – Xeque: Golfo Pérsico
  • 2:14:00 – Gambito da Dama: Investimentos em Educação
  • 2:41:50 – Giro de Notícias #2
  • 2:55:45 – Peões da Semana
  • 2:57:10 – Sétimo Selo
  • 2:59:15 – Comentários e Recados
  • 3:10:25 – Música de Encerramento

Ouça o podcast aqui ou baixe o programa. (clique com o botão direito do mouse e use a opção “Salvar como” para baixar)

Você também pode assinar o podcast via RSS ou no iTunes, além, é claro, de acompanhar o blog.

A revista de política internacional do Xadrez Verbal é feita na Central 3, que está no Apoia-se

Filipe Figueiredo é tradutor, estudante, leciona e (ir)responsável pelo Xadrez Verbal. Graduado em História pela Universidade de São Paulo, sem a pretensão de se rotular como historiador. Interessado em política, atualidades, esportes, comida, música e Batman.
Como sempre, comentários são bem vindos. Leitor, não esqueça de visitar o canal do XadrezVerbal no Youtube e se inscrever.

Caso tenha gostado, que tal compartilhar o link ou seguir o blog?

Acompanhe o blog no Twitter ou assine as atualizações por email do blog, na barra lateral direita (sem spam!)

E veja esse importante aviso sobre as redes sociais.

Caros leitores, a participação de vocês é muito importante na nova empreitada: Xadrez Verbal Cursos, deem uma olhada na página.

Anúncios

90 Comentários

  • Olá Filipe e Matias,

    Meu nome é Fabio Puga, tenho 39 anos, moro na Noruega desde 2013 e sou ouvinte do Xadrez Verbal e do Fronteiras Invisíveis do Futebol tem alguns anos.
    Trabalho em empresa multinacional de grande porte que emprega pessoas de diversas nacionalidades.
    Os podcasts me ajudam muito a saber parte da história e o que acontece na terra natal de meus colegas, que muitas vezes ficam impressionados de eu conhecer tais acontecimentos.
    Parabéns pelo trabalho de vocês!
    Quanto aos recados no início ou final do programa, eu prefiro no início. Os recados são, em sua maiora, referentes ao programa anterior e desta forma ouvi-los no início do programa é uma boa transição da semana passada para esta semana.

  • Olá Filipe e Matias!

    O programa foi excelente como sempre. Vim em defesa dos comentários no início do programa. Ao mesmo tempo, os comentários são uma boa forma de recapitular o que ouvimos na semana anterior e de realizar aquela interação gostosa entre apresentadores e audiência, algo que é bem característico da mídia podcast. É praticamente um ritual de preparação para o que vem a seguir. Quando os comentários ficam no final do programa, já estamos bombardeados com as informações da semana e já fica mais difícil recapitular as informações da semana anterior.

    Um abraço!

    • Jonathan S. Nazareth

      Vim apenas falar sobre os comentários no final do programa, mas o(a) natanrch já disse tudo o que eu iria dizer. Concordo com tudo que ele(a) disse, especialmente no que se refere à recapitulação da semana anterior.

  • Caros Filipe e Matias, encontrei uma noticia curiosa, e sinistra, que gostaria de indicar à vocês, mas não sei qual é o melhor canal de comunicação.

    Em fim, a noticia eu vi no site do Al Jazeera, e é sobre 272 pessoas que morreram trabalhando nas eleições da Indonésia.

    Segue o link:
    https://www.aljazeera.com/news/2019/05/iran-fm-playing-dangerous-game-gulf-showdown-190521133132568.html

  • Vinicius Marcondes Araújo

    Olá Filipe e Matias! Sou estudante de História na UEL, e nativo da gloriosa cidade de Tamarana-PR.

    Acompanho o podcast há mais de dois anos, e estou entrando em contato pela primeira vez. Sempre me interessei por política internacional e história das relações internacionais, e conhecer o podcast me ajudou a definir meu campo de pesquisa. Atualmente, estou desenvolvendo um TCC sobre as relações militares entre Brasil e EUA no pós-Segunda Guerra, a partir dos documentos do Departamento de Estado americano digitalizados e disponibilizados recentemente ao público brasileiro pelo projeto Opening the Archives, da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Não lembro se já comentaram sobre o projeto no programa, mas fica a minha indicação para todos os interessados nas relações Brasil-EUA no século XX. São milhares de documentos digitalizados em parceria com o NARA (National Archives Administration).

    Aproveito para mandar um beijo para minha namorada, Gabriella, que é obrigada a ouvir o programa comigo nas nossas viagens de final de semana de Londrina a Tamarana. Ela diz que eu só coloco o programa pra tocar pra ela parar de falar, mas ela já aprendeu a gostar de vocês. Completamos um ano juntos no aniversário do programa (dia 08/05), e caso publiquem o comentário gostaria de homenageá-la em seu aniversário, no dia 25/05.

    Um grande abraço!

  • Olá de novo, Filipe e Matias!
    Grande podcast pra não variar! Achei bem legal o novo formato com os comentários de ouvintes no final do programa. Acho que assim agradam a todos, os que preferem ir direto pras notícias e os que gostam também dos comentários.

    Abração pra todo mundo que se desdobra pro Xadrez Verbal acontecer! 🙂

  • Olá Filipe e Matias!

    Gosto muito do programa, descobri por acaso em uma carona SP-Campinas e desde então tenho ouvido. O mais engraçado foi que fui toda animada mostrar o podcast para meu namorado, Bruno, que me disse que já conhecia e ouvia vocês!

    Particularmente prefiro a sessão de comentários no começo do programa, pois normalmente são referentes ao programa anterior.

  • Sou ouvinte desde o início, dos tempos do antigo formato do canal do Youtube. Nunca senti necessidade de expressar minhas idéias neste espaço, afinal, o que tem de rapazes e moçoilas dando carteiradas de formação e de onde moram por aqui, não está no GIBI. Apenas posto minha opinião sobre a ordem do início dos comentários. O que eu tinha a dizer, O(a) natanrch já escreveu, muito melhor do que eu poderia. Não mudem a ordem, a revisão da semana é importante como vestíbulo para o programa que começará. AGORA, os comentários iniciais poderiam ser mais curtos e pontuais?. EVIDENTE. Menos questões auto congratulatórias e divagações ajudariam sim.

  • Não gostei do fato dos comentários ficarem no final do programa…
    O glifosato é muito usado na agricultura… aqui o pessoal chama de “randáp” numa corruptela do nome em inglês da Bayer…

  • Um assíduo mas pouco atento :)

    Olá Philip e Mathías,

    passei aqui só para dizer que a música do final do programa nunca mais deveria ser de responsabilidade do Mathías.
    Adoro vocês e a voz dos dois me relaxa muito.
    Agradeço o trabalho incansável de vocês!

  • Bom tarde/noite Filipe e Matias,

    Passei apenas para espalhar uma teoria conspiratória que o atual vice presidente do Brasil é na verdade Rodrigo Duderte. Aposto que vocês nunca os viram num mesmo lugar ao mesmo tempo. 🙂

    Abraços

  • Caro Phelipe e Mathias,

    O Pikachu foi nomeado embaixador cultural da cidade de Osaka em 2017, foi uma estratégia para promover a cidade e sediar a Expo 2025.

    Osaka competiu com Baku do Azerbaijão e Yekaterinburg da Rússia, que também tinham o interesse de sediar o evento.

    Curiosamente a Hello Kitty também foi nomeada embaixadora e há uma imagem do Kono Taro, Ministro das Relações Exteriores do Japão, dando um documento para um alguém com fantasia de Pikachu e outro de Hello Kitty.

  • Guilherme Rodrigues

    Salve Filipe e Matias!

    Sou engenheiro agrônomo e produtor rural em Campanha-MG e posso esclarecer um pouco sobre o glifosato com fatos e opiniões:

    1- Chedar McMelt é o melhor sanduíche do McDonalds, se ele acabar aqui não volto lá nunca mais;

    2. O glifosato é muito usado em culturas de cereais transgênicos, milho e soja RR (RoundUp Ready), na qual você pode aplicar o herbicida na cultura e vai matar apenas as ervas daninhas. No cultivo de plantas não-transgênicas ele pode ser usado para dessecar a plantas antes da colheita para facilitar a operação. Nas plantas perenes, principalmente o café e fruticultura ele é aplicado em uma faixa ao lado das plantas para matar as plantas daninhas que estão competindo por recursos;

    3. Opinião agora:
    A vantagem do glifosato sobre outras alternativas é o residual que ele deixa no solo. Você pode aplicar ele e plantar depois que não vai afetar a planta seguinte, só as que levaram o produto na folha, porém, já está dando muito problema de resistência em plantas daninhas no país inteiro, você aplica e não funciona mais, tendo que aumentar a dose e em algum momento não vai servir para nada mais.
    O que pouca gente pensa quando falamos nisso são as alternativas. Para milho você tem que combinar atrazina e nicosulfurom para obter o mesmo o resultado e são produtos mais tóxicos e com residual no solo. Enquanto não houver estudos sobre uma alternativa melhor infelizmente vai continuar desse jeito e talvez essa alternativa só venha na marra, com o otimismo sobre a capacidade das pessoas: a coisa ferrou, não podemos usar mais o que vamos fazer.
    Eu planto laranja e café e não uso mais o produto, uso só a capina mecânica com roçadeiras no trator e também a manual para acertar as falhas. Gasta um pouco mais de diesel e gasolina mas não precisa usar veneno.

    OBS: Me desculpem pela gramática pois não tenho aulas de português desde 2007 e mesmo quando tinha não prestação muita atenção.

  • Péricles da Costa Lima

    Olá, Filipe!
    Vim comentar só para defender os comentários no início do programa. É muito bom para recapitular alguns temas que foram abordados no episódio anterior, e que muitas vezes têm desdobramentos no programa atual. Então é legal para relembrar e contextualizar alguns temas, além de que a participação dos ouvintes muitas vezes são complementares e bem humoradas.
    Abraços de Vitória da Conquista/BA, a aproximadamente 300 km da sua querida Eunápolis.

  • Ola! Moro em Melbourne na Australia e recentemente descobri o podcast 🙂 Todas as manhas enquanto me arrumo e vou para o trabalho escuto vcs, entao obrigada pela cia nas horas mais dificeis do meu dia haha
    Esse final de semana tivemos a eleicao aqui e o ScoMo (apelido que o Scott Morrison adotou, vindo do publico) levou ‘de virada’, ao contrario das previsoes que indicavam uma virotia do Labor Party.
    Moro aqui faz alguns anos, e mesmo tendo uma ideia do sistema politico, nao entendo 100% da politica Australiana (exemplo, como eles podem mudar o primeiro Ministro quando da na telha etc). Sera que vcs poderiam fazer uma explicacao no proximo episodio, caso comentem o resultado da eleicao?
    Muito obrigada! E se puderem mandar um abraco pra galera da USP-Sao Carlos (onde me formei em arquitetura) agradeco, Raca CAASO!

  • Gabriel Narciso Pareja

    Poooo, não curti muito os comentários ao final.
    Primeiro pq, no começo, eles fazem sentido pela continuidade com o capítulo anterior.
    Até para quem não quer ouvir parece-me atrapalhar que ajudar, afinal, é mais “começar pelo meio”, já no bloco de notícias que ouvir até um ponto, pular um trecho e ter que retomar depois (para escutar o encerramento musical).

    Mas, como curto muito os comentários, posso estar só dando uma opinião enviesada…

    De todos modos, prefiro o formato tradicional!

  • Olá!! Queria começar dizendo que acho estranho as pessoas pedirem para vocês mandarem abraços para conhecidos e amigos delas e não para elas mesmas. Provavelmente, eu não entendi como isso funciona.
    Descobri o podcast por um professor de geografia que adora política internacional (em formato podcastal) e adoro ouvi-los. Coloco na velocidade rápida para conseguir ouvir um episódio por semana enquanto me arrumo para ir à escola e minha irmã de 10 anos acha a voz rápida de vocês insuportável kk. Eu estou fazendo pré-vestibular e espero mandar uma mensagem depois dizendo que vocês me ajudaram a passar!
    Vocês acreditam que é possível uma reforma no Conselho de Segurança com a retirada do poder de veto ou mudanças para exercer essa ação? Pelo que li, a Itália pede o fim para um conselho mais democrático, mas quem é a favor do veto diz que a ausência dele resultaria em um conselho fraco e que não conseguiria fazer suas funções. Vocês têm algum episódio que fale sobre isso? Aliás, vocês acham que os BRICS e a UpC chegariam a um acordo?
    Só mais uma coisa: em algum programa vocês disseram que as pessoas não podiam ser presas se estivessem dentro da igreja em algum país. Não tenho certeza se foi isso que vocês falaram, mas minha professora de história disse que isso acontece no Brasil e que ngm pode ser preso dentro de Igrejas Católicas pq elas são territórios do Vaticano. Eu pesquisei no google e não achei nada que falasse sobre isso.
    Obrigada gente!
    (Mandei de novo pq não sei se o comentário foi)

  • Lucas Mioto - Ariquemes/RO (Rondônia)

    Em nome de todo o povo de Ariquemes/RO, voto pelos comentários no início do programa.

    É o momento de interação com os ouvintes e de curiosidades relacionadas ao programa anterior, me parece melhor ser no início. Lembra até aquela resenhada que os professores fazem enqto entram na sala e esperam a galera sentar

  • Alexandre Barcellos

    Ficou bem melhor com os comentários e recados no final do episódio! Parabéns pelo trabalho! Mesmo com episódios de 3 horas vocês não perdem a qualidade a capacidade de síntese das complicadas e notícias que veiculam!

  • Olá Filipe e Matias. Fui apresentado ao Xadrez Verbal em 2017 pela minha amiga jornalista Letícia Macedo, do G1, craque na editoria internacional, e virei fã e apoiador. Mais do que historiadores, vocês são verdadeiros professores, pois ajudam os ouvintes a expandirem seus conhecimentos e horizontes.

    Quanto aos comentários, os considero parte fundamental do programa. Ao ouvi-los nos sentimos participantes de uma comunidade ampla de pessoas que não se contentam com a superficialidade que impera na maior parte das coberturas jornalísticas de política internacional. Conhecer um pouco da realidade e da opinião dos ouvintes espalhados por todo o planeta enriquece muito o Xadrez. E acho que esta seção deve continuar no começo do programa, pois geralmente faz referência ao episódio anterior. É um bom ponto de partida para as novidades da semana.

    Um abraço e continuem firmes na luta.

    Obs: nós gostamos de programas longos. Não sejam tímidos: três horas tem de ser a duração mínima…rs

  • João Victhor Holzmeister

    Olá Filipe e Matias. Ouço o podcast a mais ou menos um ano e participei da palestra do Filipe nesta terça feira em foz do iguaçu pelo Pint of Science , queria os agradecer por serem as vozes na minha cabeça nos translados a faculdade e faxinas na casa nesse período. Tambem queria agradecer pela participação do filipe neste tipo de evento que busca desmistificar a barreira entre entretenimento e conhecimento, que nada mais é que uma conversa de boteco gourmet.

    Gostaria de mandar um abraço para meu amigo Bloyton Tadeu que tambem ouve o programa e tem um nome original demais para permanecer singular.

    Defendo ferrenhamente os comentários no início do programa, mas me abstenho de elaborar um motivo.

  • Olá.
    Ouço o Xadrez Verbal a mais de bem mais 100 episódios. Gosto dos episódios longos e com bastante conteúdo, mais para economizar meu tempo sempre ouço na velocidade 1.8 x. Quanto aos comentários no inicio do programa, eu gosto bastante dos que acrescentam informação ao que foi assunto no programa anterior, porem os comentários com pedidos de “manda um beijo pra …. ” me fazem pular os comentários para ir direto ao que me interessa. Se vocês pudessem separar os comentários com as caneladas/adendos dos comentários de interação com o publico eu ficaria muito grato. Não sendo possível a separação, prefiro a seção de comentários no fim do episódio então.

  • Larissa Fernandes

    ótimo programa, legal ouvir o Felipe comentando que algum colunista descobriu a pólvora ao notar que precisa do apoio dos militares na Venezuela, mas melhor é ver que Felipe descobriu o petróleo na Venezuela, saudades do XADREZ VERBAL PODCAST #185, onde quem dizia que problema de Venezuela era o petróleo estava errado/enganando ou enganando. Ainda bem que na Guiana tem outras empresas explorando petróleo.

    a colunista econômica falou, falou e não disse/propôs nada. O melhor são a diversas falacias que utilizou, adoro a do cherry pick, compara sempre com EUA, Alemanha ou alguns países para legitimar/sustentar seu argumento. Não adianta estudo se não tem estrutura produtiva para absorver as pessoas, fica somente no sonho que aumentar produtividade.

  • AQUILA BARROS NOGUEIRA

    Se isso não é breakin news, eu não sei mais o que é… Bagunçou a pauta de vocês….

    https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2019/05/primeira-ministra-britanica-theresa-may-anuncia-renuncia.shtml

  • Filipe, não gostei dos comentários no fim do podcast. É melhor mesmo no começo.

  • Felipe Bustos MacLean

    Fala Filipe e Matias,
    Parabéns por mais um excelente trabalho. Sou formado em RI, chileno e Sãopaulino, ou seja, bem sofredor.
    Meu voto pros comentários é no início do programa e também gostaria de sugerir que o Filipe sugerisse músicas de vez em quando, esse metal venezuelano machucou aqui..kkk
    Abraços

  • Caros Filipe e Matias. Sou doutorando em história na unicamp, mas nasci no paraná e morei um bom tempo no Rio Grande do Sul. Minha pesquisa versa sobre teoria da historio e historiografia, mais precisamente sobre configurações narrativas em livros de História. Nunca comentei nada, mas me senti provocado pela alteração do formato. Sei que um podcast não é um livro, mas digamos que existe, igualmente, um estrutura de começo meio e fim. Pois bem, os comentários do início funcionavam como uma introdução, que retomava temas anteriores e discutia a repercussão do episódio. Sem eles, é como se a “narrativa” começasse do nada, como um livro sem prólogo ou introdução, como sexo sem preliminares. Enfim, prefiro o formato antigo. No mais, saúdo o excelente trabalho de vocês. Abraços!

  • Ah, antes de terminar, deixa eu me posicionar sobre a rixa entre USP x UFF. Vocês do Rio de de São Paulo estudam a história do eixo e chamam de história do Brasil. É uma história do centro que não contem as bordas. Agora sim posso dormir em paz. Abraços.

  • Oi pessoal, só consegui ouvir o episódio hoje, porém vir deixar dois recados.

    Um é que vocês falaram que não teve muita notícia sobre a lei aprovada em Alabama já que não teve muita gente se manifestando, mas o lateral direito do Arsenal, Hector Bellerin, que é espanhol, se manifestou dizendo que não é um problema só das mulheres, mas do mundo todo, e homens que lutam por igualdade deveriam lutar por isso também.

    Sobre a Noruega e acordos de paz, a banda Ylvis (famosa pela música “What Does The Fox Say?” e que faz várias esquetes) tem uma música sobre Jan Egeland, diplomata norueguês que ajudou no Tratado de Oslo entre Israel e Palestina, e eu acho o clipe e música hilários. Vou deixar o link aqui:

    Além disso, justamente na hora que estava escutando sobre a relação de Uruguai e Noruega, estava passando o jogo entre os dois pelo mundial Sub-20. Vitória celeste por 3 a 1.

    Abraços!

Deixe uma resposta para Mardel Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.